Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Uma estratégia para avaliação da resiliência na mobilidade urbana (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MARTINS, MARCEL CARLOS DA MATA - EESC
  • USP Schools: EESC
  • Subjects: CIRCULAÇÃO DE PEDESTRES; BICICLETAS; MOBILIDADE URBANA
  • Keywords: RESILIÊNCIA; MODOS ATIVOS; VEÍCULOS MOTORIZADOS
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo deste estudo foi elaborar uma estratégia para avaliação da resiliência na mobilidade urbana, focando-se na restrição ao transporte motorizado. Assim, assumiu-se hipoteticamente que as viagens poderiam ser feitas apenas a pé ou de bicicleta. As viagens foram classificadas como persistentes, adaptáveis e transformáveis. As viagens persistentes e adaptáveis foram consideradas resilientes, enquanto as viagens transformáveis foram consideradas vulneráveis. Uma nova segmentação precisou ser criada para este trabalho: a excepcionalidade, que engloba viagens por modo a pé ou bicicleta além dos limites das Distâncias Máximas Possíveis (DMP). Os estudos de caso foram feitos na cidade de São Carlos e em um conjunto de três municípios da Região Metropolitana de Maceió (RMM): Maceió, Rio Largo e Satuba. No estudo em São Carlos, o pior cenário teve 40,4% de resiliência, e atingiu 100% com 11 km de DMP de bicicleta. Na RMM, o cenário mais pessimista apresentou uma resiliência de 43,0%, e atingiu o seu máximo aos 28 km. Os resultados também revelaram diferentes padrões espaciais de viagens para cada condição da resiliência. Em São Carlos, viagens persistentes apresentaram um padrão pontual. Viagens adaptáveis mostraram um padrão radial. As viagens transformáveis exibiam um padrão mais diametral, de um extremo ao outro da cidade. A análise por zona mostrou que as viagens transformáveis têm maior frequência em zonas afastadas do centro da cidade. Em RMM, os padrões encontrados foram semelhantes. As viagens persistentes, por exemplo, também eram predominantemente intrazonais. Além disso, as viagens adaptáveis tornaram-se mais concentradas em partes específicas da área urbanizada (por exemplo, ao norte da região), a medida que os valores de DMP aumentaram. O trabalho mostra a necessidade da adoção de políticas de incentivo aos modos ativos de transporte,no intuito de diminuir a dependência da sociedade de veículos motorizados
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.03.2018
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    EESC31100210504TESE 9958 CD-R
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MARTINS, Marcel Carlos da Mata; SILVA, Antônio Nélson Rodrigues da. Uma estratégia para avaliação da resiliência na mobilidade urbana. 2018.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18144/tde-30072018-113441/pt-br.php >.
    • APA

      Martins, M. C. da M., & Silva, A. N. R. da. (2018). Uma estratégia para avaliação da resiliência na mobilidade urbana. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18144/tde-30072018-113441/pt-br.php
    • NLM

      Martins MC da M, Silva ANR da. Uma estratégia para avaliação da resiliência na mobilidade urbana [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18144/tde-30072018-113441/pt-br.php
    • Vancouver

      Martins MC da M, Silva ANR da. Uma estratégia para avaliação da resiliência na mobilidade urbana [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18144/tde-30072018-113441/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: