Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Etiologia das encefalites e meningites de líquor claro (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: NUNES, CRISTINA FREITAS - IMT
  • USP Schools: IMT
  • Subjects: SISTEMA NERVOSO CENTRAL; ENCEFALITE VIRAL; MENINGITE VIRAL; LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO; REAÇÃO EM CADEIA POR POLIMERASE
  • Language: Português
  • Abstract: Infecções no sistema nervoso central (SNC) causadas por microrganismos desencadeiam sintomas de moderados a severos, dependendo da região atingida, podendo ser designadas como encefalites ou meningites. Os vírus são os agentes mais comuns nestas infecções. Os agentes virais responsáveis por essas enfermidades que apresentam maior incidência na população mundial são certos herpesvírus, flavivírus, influenza A, enterovírus e vírus da caxumba. Entretanto, essa prevalência varia de acordo com a população, estado imunológico do indivíduo, idade e região estudada. Embora existam dados bem estabelecidos da etiologia dessas doenças em alguns países, ainda há uma carência de informação no que diz respeito à etiologia dessas moléstias no Brasil. Assim, informações mais precisas em relação à prevalência desses agentes em nosso meio são necessárias para o desenvolvimento e aplicação de métodos de diagnósticos mais rápidos e eficientes. Neste trabalho, foram analisadas 120 amostras de liquido cefalorraquidiano (LCR), procedentes de dois centros da cidade de São Paulo (Irmandade Santa Casa de Misericórdia e Hospital das Clínicas da Faculdade de medicina da Universidade de São Paulo), as quais foram submetidas à reação em cadeia de polimerase para o herpesvirus simples 1 e 2 (HSV 1 e 2), vírus da varicela zoster (VZV), herpesvirus humano 6 (HHV-6), influenza A (FLUA), enterovírus, vírus da caxumba, poliomavírus vírus BK (BKV) e vírus JC (JCV) para flavivírus. Do total, 44 amostras (36,7%) apresentaram resultado positivo para algum dos vírus analisados no âmbito desta pesquisa, sendo 15 (12,5%) para poliomavírus BKV, 2 (1,7%) para poliomavírus JCV, 21 (17,5%) para HSV1 e 2, 5 (4,2%) foram positivos para BKV e HSV1 e 2 (coinfecção) e 1 (0,8%) para vírus Epstein-Barr (EBV).Uma parte das amostras negativas foi submetida a sequenciamento direto de nova geração (n=8 amostras), resultando em amostras positivas para vírus (vírus simio 40), protozoários e bactérias. Este estudo mostrou que infelizmente, menos de 50% das encefalites e meningites assépticas puderam ser relacionadas a algum agente viral. Houve uma alta prevalência de HSV no material estudado, de acordo com o esperado, mas a presença de poliomavírus no LCR destes indivíduos foi acima da observada na literatura. Esses, bem como os resultados de sequenciamento direto e sua associação a etiologia das encefalites e meningites, devem ser interpretados com cautela.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.05.2018

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NUNES, Cristina Freitas; ROMANO, Camila Malta. Etiologia das encefalites e meningites de líquor claro. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.
    • APA

      Nunes, C. F., & Romano, C. M. (2018). Etiologia das encefalites e meningites de líquor claro. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Nunes CF, Romano CM. Etiologia das encefalites e meningites de líquor claro. 2018 ;
    • Vancouver

      Nunes CF, Romano CM. Etiologia das encefalites e meningites de líquor claro. 2018 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: