Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Medidas de imitância acústica de banda larga em indivíduos com otosclerose (2017)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CHAVES, JULIANA NOGUEIRA - FOB
  • USP Schools: FOB
  • Subjects: ORELHA MÉDIA; OTOSCLEROSE; TESTES DE IMPEDÂNCIA ACÚSTICA; ESTIMULAÇÃO AUDITIVA; AUDIOMETRIA DE TONS PUROS
  • Language: Português
  • Abstract: Na prática clínica, nota-se uma dificuldade em identificar a rigidez do sistema tímpano-ossicular decorrente da Otosclerose por meio dos métodos de avaliação rotineiramente empregados. Assim, as medidas de imitância acústica de banda larga podem fornecer mais informações sobre a condição do sistema tímpano-ossicular por avaliarem uma ampla faixa de frequência. O objetivo do estudo foi caracterizar as medidas de imitância acústica de banda larga com os estímulos tom puro e chirp em indivíduos com diagnóstico de Otosclerose submetidos à estapedectomia ou estapedotomia. Foram avaliados 40 indivíduos na faixa etária de 33 a 80 anos, totalizando 54 orelhas operadas e 22 orelhas não operadas. A avaliação audiológica foi realizada por meio da otoscopia, audiometria tonal liminar, logoaudiometria e imitanciometria. As medidas de imitância acústica de banda larga foram obtidas por meio do sistema de medidas Middle-Ear Power Analyzer MEPA3, versão 5.0 (Mimosa Acoustics), utilizando os estímulos tom puro e chirp. Os dados obtidos foram submetidos à análise estatística descritiva e inferencial, com nível de significância de 0,05. As orelhas com Otosclerose apresentaram maior absorvância em 750 Hz, uma tênue diminuição até 3000 Hz, acentuando-se a partir desta frequência. A magnitude da admitância foi maior na faixa de frequência de 1992 a 4008 Hz, assim como a magnitude da impedância foi maior nas frequências baixas com diminuição até 4008 Hz e aumento em 6000 Hz. Estas orelhas foram dominadas pela rigidez nos sons graves e médios, por resistência entre 3000 e 4008 Hz e a partir desta frequência pela massa. A fase da impedância foi maior em 258 Hz e o delay da reflectância (slope) apresentou uma variação de comportamento entre as frequências, não sendo possível caracterizar um padrão de resposta.Conclui-se que há diferenças nas medidas obtidas nas orelhas com Otosclerose submetidas à cirurgia, quando analisadas as frequências baixas e médias, o que demonstra o impacto positivo da intervenção cirúrgica na funcionalidade do sistema tímpano-ossicular.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.03.2017
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FOB2850550-10C398m
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CHAVES, Juliana Nogueira; ALVARENGA, Kátia de Freitas. Medidas de imitância acústica de banda larga em indivíduos com otosclerose. 2017.Universidade de São Paulo, Bauru, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/25/25143/tde-14082017-200818/publico/JulianaNogueiraChaves.pdf >.
    • APA

      Chaves, J. N., & Alvarenga, K. de F. (2017). Medidas de imitância acústica de banda larga em indivíduos com otosclerose. Universidade de São Paulo, Bauru. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/25/25143/tde-14082017-200818/publico/JulianaNogueiraChaves.pdf
    • NLM

      Chaves JN, Alvarenga K de F. Medidas de imitância acústica de banda larga em indivíduos com otosclerose [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/25/25143/tde-14082017-200818/publico/JulianaNogueiraChaves.pdf
    • Vancouver

      Chaves JN, Alvarenga K de F. Medidas de imitância acústica de banda larga em indivíduos com otosclerose [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/25/25143/tde-14082017-200818/publico/JulianaNogueiraChaves.pdf