Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo epidemiológico da leptospirose felina (1982)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LARSSON, CARLOS EDUARDO - FSP
  • USP Schools: FSP
  • Subjects: LEPTOSPIROSE; ANIMAIS; GATOS; DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS
  • Keywords: Epidemiology; Feline Leptospirosis
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho foi realizado com o escopo de determinar a ocorrência de infecção leptospirótica em gatos, utilizando-se tanto da pesquisa de anticorpos específicos como de tentativas de isolamento e demonstração do agente a partir de fragmentos de rins destes espécimen. Visou-se, também, estudar aspectos clínico-laboratoriais, bacteriológicos e epidemiológicos da leptospirose felina, pela inoculação de gatos adultos com cepas autóctones, patogênicas, de L interrogans. Utilizando-se da reação de soroaglutinação microscópica, tendo como antígenos 18 sorotipos representativos de 17 sorogrupos de Leptospira, obteve-se, dentre as 172 amostras séricas examinadas, 22 sororeagentes (12,8 por cento ), com título >= 100. A maior frequência de soropositividade demonstrada foi para o sorotipo pomona. Não se observaram diferenças estatisticamente significantes (ao nível de = 0,05) com relação ao sexo, todavia, através da análise estatística (ao nível de = 0,05, demonstrou-se que a frequência da infecção é maior nos felinos adultos. Nas 172 amostras de pares de rins submetidas à cultura em meio de Fletcher, não se obteve êxito no isolamento do agente. Ademais, não se demonstrou a presença de leptospira em cortes de rins dos animais sororeagentes através da impregnação argêntica, segundo a técnica de Warthin-Starry. Após a inoculação, por via subcutânea, de 5 animais com cepa do sorotipo icteroharmorrhagiae (R-192) e de outros 5 com cepa do sorotipo canicola (CCZ-8), estes gatos ficaram sobobservação durante um per1odo de 8 a 12 semanas. Em nenhum deles se manifestou qualquer alteração do estado de higidez, do quadro hemático e nos exames de urina realizados. Foram detectadas aglutininas antileptospira em 90 por cento dos animais inoculados, entre a 1ª e a 6ª semanas a contar da inoculação. Dos 9 animais que se soroconverteram, 8 permaneceram soropositivos durante 8 a 12 semanas. Apenas os animais inoculados com o sorotipo canicola eliminaram leptospiras pela urina, iniciando-se a leptospirúria entre a 2a e 4a semanas da inoculação e as sim persistinto por 2 a 8 semanas. Não se obteve nenhuma hemocultura ou nefrocultura positiva e nem se pôde demonstrar a presença de leptospiras no parênquina renal dos 10 anmais inoculados
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 18.02.1982
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FSP11800043527614.56 5
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LARSSON, Carlos Eduardo; PAIM, Gil Vianna. Estudo epidemiológico da leptospirose felina. 1982.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-03112017-103953/ >.
    • APA

      Larsson, C. E., & Paim, G. V. (1982). Estudo epidemiológico da leptospirose felina. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-03112017-103953/
    • NLM

      Larsson CE, Paim GV. Estudo epidemiológico da leptospirose felina [Internet]. 1982 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-03112017-103953/
    • Vancouver

      Larsson CE, Paim GV. Estudo epidemiológico da leptospirose felina [Internet]. 1982 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde-03112017-103953/