Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O uso do conceito de entropia de mistura cristaloquímica em geoquímica (1970)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LEVI, FRANCO - IGC
  • USP Schools: IGC
  • Sigla do Departamento: GGG
  • Subjects: GEOQUÍMICA
  • Language: Português
  • Abstract: É proposto um modelo matemático para obter uma descrição razoavelmente completa de uma rocha. O modelo se baseia exclusivamente nas proporções relativas, na composição química e na estrutura cristalina dos minerais constituintes. Cada descrição macroscópica, segundo o modelo, envolve a composição química de entidades homogêneas que são os tipos de posição reticular que constituem os minerais da rocha. A diadoquia é a propriedade segundo a qual átomos de elementos químicos diferentes podem ocupar os mesmos tipos de posição nos retículos cristalinos. Por causa desta propriedade, corresponde a uma dada descrição macroscópica um grande número de arranjos ao nível das partículas elementares. A cada átomo corresponde também uma probabilidade de se encontrar um certo tipo de posição reticular de um mineral constituinte de uma rocha. De acordo com a teoria da informação, probabilidades e arranjos estão relacionados, sendo que o logaritmo do número de arranjos mede a informação contida numa quantidade unitária de rocha, informação que permanece desconhecida quando de sua descrição macroscópica. Por sua vez, o valor da medida da informação é proporcional à entropia de mistura da rocha, encarada como sistema heterogêneo de minerais justapostos. Trata-se de uma soma cujas parcelas para cada elemento químico medem o quanto cada tipo de átomo se espalhou pela rocha toda. As composições químicas e as proporções mineralógicas de cada rocha sãointer-relacionadas ponderando as concentrações de cada elemento, ao calcular os "espalhamentos". Com isso é possível uma comparação racional de séries de rochas geneticamente relacionadas, usando um índice que é, ao mesmo tempo, petrológico e cristaloquímico e, portanto, sensível à direção que as condições naturais imprimem a processos magmáticos e metamórficos. Trata-se de um índice geral que não implica, pela sua definição, na adoção de uma determinada teoria ou na escolha de ) parâmetros especiais para medir o avanço de uma diferenciação. Para que os cálculos tenham significado geológico, eles devem ser aplicados as sequências genéticas onde os minerais ofereçam as alternativas de uma variedade de retículos cristalinos, pondo assim em evidência as tendências estatísticas dos elementos químicos. Trata-se de requisito diametralmente oposto àquele envolvido nos tratamentos de equilíbrio clássicos estudados em sistema fechado, e baseados na análise térmica de poucos componentes. Foi possível utilizar esse tratamento para obter subsídios na interpretação de exemplos geológicos, com base na tendência à continuidade da entropia para sistemas abertos. Foram estudados: um processo magmático para o qual a presença de uma fase liquida facilitou a observação da tendência à continuidade de entropia; processos de ,etamorfismo progressivo com caráter direcional definido em relação a pressão e temperatura, relacionando o espalhamento dos cátions com o grau demetamorfismo em função das concentrações e tamanho dos íons envolvidos. Usando cálculos aproximados que envolvem só as composições químicas das rochas como um todo, é possível estender as considerações às rochas de composição média de tipo mais frequente na crosta terrestre. Evidencia-se assim numericamente que rochas como granitos são mais diferenciadas que basaltos, e que a composição média da crosta se situa em posição intermediária
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 00.00.1970
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IGC30900008692T L664 F.u
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LEVI, Franco. O uso do conceito de entropia de mistura cristaloquímica em geoquímica. 1970.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1970. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-14102015-092806/pt-br.php >.
    • APA

      Levi, F. (1970). O uso do conceito de entropia de mistura cristaloquímica em geoquímica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-14102015-092806/pt-br.php
    • NLM

      Levi F. O uso do conceito de entropia de mistura cristaloquímica em geoquímica [Internet]. 1970 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-14102015-092806/pt-br.php
    • Vancouver

      Levi F. O uso do conceito de entropia de mistura cristaloquímica em geoquímica [Internet]. 1970 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-14102015-092806/pt-br.php