Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O Cinturão Dom Feliciano em Santa Catarina (1985)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BASEI, MIGUEL ANGELO STIPP - IGC
  • USP Schools: IGC
  • Sigla do Departamento: GGG
  • Subjects: GEOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Com a aplicação de métodos convencionais (análise bibliográfica, trabalhos de campo e estudos petrográficos) incluindo análise estrutural, litogeoquímica e geocronologia, foi possível elaborar-se uma síntese geológica, bem como propor-se um modelo de evolução geotectônica para os terrenos pré-cambrianos e a geo-paleozóicos de parte do Estado de Santa Catarina. Do ponto de vistatectônico, são identificadas duas entidades maiores: na porção oeste o Cráton do Rio de La Plata e na região oriental, o Cinturão Dom Feliciano. O primeiro engloba os terrenos antigos, de alto grau metamórfico, que serviram de ante-país para o desenvolvimento do Cinturão. Para este último, que inclui os terrenos formados ou intensamente retrabalhados no Ciclo Brasiliano, é reconhecida, de SE para NW, uma compartimentação interna definida pelos domínios tectônicos, Interno, Intermediário e Externo, respectivamente, em fácies meso, epi e anquizonal de metamorfismo. Essa polaridade metamórfica é compatível com a vergência tectônica NW do Cinturão. O Domínio Interno representa as zonas profundas, atualmente expostas, do Cinturão, sendo caracterizado pela presença regional de migmatitos cortados pelas suítes intrusivas São Paedro de Alcântara e Pedras Grande. No Domínio Intermediário predominam os metassedimentos do Grupo Brusque, metamorfisados e deformados polifasicamente, e cortados por inúmeros corpos granitóides intrusivos das Suítes Valsungana e Guabiruba. O Domínio Externo é interpretadocomo uma antefossa molássica preenchida por um espesso pacote sedimentar, onde predominam turdiditos, associados a rochas magmáticas ácidas da Suíte Plutono - Vulcânica Subida. Foram identificadas para o Cinturão Dom Feliciano, quatro fases de deformação. A primeira delas, de idade e características geométricas desconhecidas é observada somente no grupo Brusque e ocasionalmente em paleossomas demigmatitos do Domínio interno. As três outras são ) seguramente brasilianas com a segunda e a terceira possuindo orientação NE e vergência para NW. estas fases estariam ligadas a um mesmo sistema compressivo direcionado contra o Cráton Rio de La Plata. A quarta fase processou-se em um nível estrutural superior, provocando inflexões, amplas e descontínuas, provavelmente relacionadas a movimentações transcorrentes ao longo dos grandes lineamentos pré-existentes. O Grupo Itajaí, no Domínio Externo, é afetado somente pelas duas últimas fases do cinturão. A coluna litoestratigráfica proposta para o Grupo Itajaí apresenta em posição basal um paxote de arenitos arcosianos, maciços e de cor marrom avermelhada que intercala possantes lentes de conglomerados (Unidade Arenítica Inferior). Em posição de topo tem-se os termos sílticos-pelíticos predominando largamente sobre as frações mais grosseiras (Unidade Síltica Superior). A sudoeste de Botuverá, na região mapeada neste trabalho, o Grupo Brusque é constituído por três unidades litoestratigráficas, assim constituídasda base para o topo: Sequência Botuverá, Sequência Ribeirão do Agrião e Sequência Rio da Areia. Nessa mesma ordem estratigráfica, tem-se uma nítida diminuição da fração dentrítica de granulação grossa, com consequente aumento dos componentes mais fino até atingir-se uma sedimentação química onde predomínam os níveis carbonáticos. A granitogênese do Cinturão Dom Feliciano foi caracterizada, com base em relações de campo, idades e características petrográficas, em seis suítes intrusivas. As mais antigas são as suítes dos Granitóides Foliados e Valsungana, sincrônicas ao desenvolvimento da segunda fase de deformação. Tardios a esta, colocaram-se os granitóides das suítes Guabiruba e São Pedro de Alcântara. Em condições tardias pós-tectônicas ocorreu o magmatismo plutono-vulcânico dassuítes Pedras Grandes e Subida. As indicações adicionais litogeoquímicas e isotópicas permitiram classificar essa ) granitogênese como predominantemente crustal, definindo para as três primeiras suítes uma afinidade ao tipo "S", as suítes São Pedro de Alcântara e Pedras Grandes seriam do tipo "I" caledoniano e a suíte Subida do tipo "A". Mais de uma centena de novas determinações radiométricas são apresentadas neste trabalho, tendo-se utilizado inclusive de metodologias ainda não disponíveis no país. Este é o caso das análises U-Pb em zircões e PbPb e Sm-Nd em rocha total. Esses resultados permitiram que fossem posicionados no tempo as principais épocas de colocação doscorpos granitóides e, por conseguinte, as fases deformacionais associadas. Desta forma, foram reconhecidos dois eventos tectono-magmáticos principais a nível do cinturão. O primeiro, datado em 650 'mais ou menos' 50 Ma., corresponderia ao implemento da 2ª fase de deformação com colocação sintectônica das suítes Valsungana e Granitóides Foliados há 640 'mais ou menos' 20 Ma., e pouco mais tarde, dos granitóides das suites Guabiruba e São Pedro de Alcântara há 600 'mais ou menos' 20 Ma. O segundo evento ocorreu há 560 'mais ou menos' 40 Ma. incluindo a terceira fase de deformação e a granitogênese tardia da suíte Plutono-Vulcânica Pedras Grandes há 540 'mais ou menos' 20 Ma.. O magmatismo do tipo Subida é restrito ao Domínio Externo e procedeu um pouco ao metamorfismo de baixa intensidade do grupo Itajaí, ocorrido há 535 'mais ou menos'10 Ma.. As determinações K-Ar indicam que o resfriamento regional do Cinturão Dom Feliciano deu-se por volta de 500 Ma.. Finalmente a evolução geotectônica do Cinturão dom Feliciano em Santa Catarina é interpretada com base em um modelo de subducção do tipo a, ocorrida durante o Ciclo Brasiliano. A esse processo estariam associadas todas as feiçõesgeoecológicas brasilianas (estruturais, metamórficas e magmáticas) observadas no cinturão. São questionados os modelos anteriores que sugerem que o Domínio Interno do ) Cinturão poderia corresponder a raiz de um Arco magmático de idade brasiliana
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 00.00.1985
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IGC30900007823T B299 MAS.c
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BASEI, Miguel Angelo Stipp; CORDANI, Umberto G. O Cinturão Dom Feliciano em Santa Catarina. 1985.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1985. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44131/tde-27102015-160910/pt-br.php >.
    • APA

      Basei, M. A. S., & Cordani, U. G. (1985). O Cinturão Dom Feliciano em Santa Catarina. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44131/tde-27102015-160910/pt-br.php
    • NLM

      Basei MAS, Cordani UG. O Cinturão Dom Feliciano em Santa Catarina [Internet]. 1985 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44131/tde-27102015-160910/pt-br.php
    • Vancouver

      Basei MAS, Cordani UG. O Cinturão Dom Feliciano em Santa Catarina [Internet]. 1985 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44131/tde-27102015-160910/pt-br.php