Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Evolução tectônica e paleogeográfica da aulacógeno Aguapeí (1.2-1.0Ga) e dos terrenos do seu embasamento na porção sul do cráton amazônico (1999)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SAES, GERSON SOUZA - IGC
  • USP Schools: IGC
  • Subjects: GEOLOGIA HISTÓRICA; GEOLOGIA HISTÓRICA; TECTÔNICA DE PLACAS
  • Language: Português
  • Abstract: O Aulacógeno Aguapeí constitui uma megaestrutura originada por rifteamento intracontinental na porção sul do Cráton Amazônico durante a parte final do Mesoproterozóico (1.2-1.0Ga). Sua posição sub-transversal em relação ao Cinturão ColisionalSunsas e sua evolução sedimentar, tectônica e metamórfica, lhe emprestam forte similaridade com bacias de mesma natureza, tanto em formação, como os rifts do leste africano, como com paleorifts encontrados no registro geológico de todos oscontinentes, notadamente a partir do final do Arqueano (2.5Ga), com a consolidação dos primeiros blocos cratônicos de grande extensão. O embasamento do Aulacógeno Aguapeí é formado pela amalgamação de terrenos tectono-estratigráficos distintos,constituídos por complexos metamórficos do Paleoproterozóico (> 1.6Ga) e intrusivas de idades e naturezas diversas. Os dados petrológicos, geoquímicos, radiométricos e geofísicos disponíveis, permitem relacionar sua evolução à acresção de cincoterrenos à porção sul da Paleoplaca Amazônia: (i) Jauru; (ii) Santa Helena; (iii) Rio Alegre; (iv) Paraagua e (v) San Pablo. O Terreno Jauru é gerado pela aglutinação de arcos insulares intraoceânicos do Paleoproterozóico ('DA ORDEM DE'1,9Ga),afetados por intensa granitogênese calci-alcalina entre 1.5-1.4Ga, e pelo magmatismo toleítico intra-placas de Rio Branco (1,4Ga). O Terreno Santa Helena constitui um fragmento de arco cordilherano composto por granitos a tonalitos formadosem1.45Ga. O Terreno Rio Alegre constitui uma associação de rochas efusivas e plutônicas básico-ultrabásicas e metassedimentos químicos, exibindo feições de alojamento alóctone ao longo do lineamento milonítico regional que marca a suturacolisional entre os terrenos Santa Helena e Paragua. É aqui interpretado como remanescente de litosfera oceânica alojado por obducção ao longo daquele limite. O Terreno Paragua possui um embasamento composto por complexos gnaissico-granulíticos ) (Chiquitania e Lomas Maneches) e cinturões de supracrustais essencialmente metassedimentares (San Ignacio), invadido em 1.3Ga pela granitogênese de afinidade calci-alcalina do Batólito Pensamiento. O Terreno San Pablo registraprovavelmente a evolução de um arco magmático cordilherano, acrescido à porção sul da Amazônia durante a orogênese colisional Sunsas (1.0Ga). A Bacia Aguapeí inicia seu desenvolvimento pela reativação distensional e ruptura da porção sul doCráton Amazônico, com dois braços de uma junção tríplice evoluindo para um limite divergente de placas (Margem Passiva Sunsas). O terceiro braço da junção tríplice (braço abortado), registra a evolução do Rift Intracontinental ou AulacógenoAguapeí. A compartimentação sin-sedimentar do aulacógeno foi controlada pels traços fundamentais do seu embasamento, com um depocentro linear (Zona Central) coincidindo com o Terreno Rio Alegre, e zonas marginais, recobrindo tanto o TerrenoParagua como os terrenos Santa Helena e Jauru. Estecomportamento da cobertura Aguapeí, configura uma típica seqüencia de recobrimento (overlap sequence), transgredindo os limites de terrenos previamente acrescidos pela colagem tectônica queacompanhou o fechamento do Mar Rio Alegre. Constitui assim, o primeiro horizonte litoestratigráfico passível de correlação através dos diferentes terrenos. O preenchimento sedimentar do Aulacógeno Aguapeí se processou em três estágiosdeposicionais: Rift, Sinéclise e Inversão, rastreados com bastante segurança nas zonas marginais. O exame das litofácies, tendências isópacas e paleocorrentes, permitiram a elaboração de uma síntese paleogeográfica da bacia, iniciando-se pordepósitos regressivos aluviais, deltaicos e estuarinos, passando para um trato de sistemas de mar alto, com lamas marinhas e areias acumuladas em barras de plataforma (tempestitos) ou leques submarinos (turbiditos). O completo consumo dalitosfera oceânica ) Grenville, culminando com a colisão Amazônia-Laurentia em 'DA ORDEM DE'1.0Ga, se refletiu no aulacógeno por transpressão dextral da zona de sutura subjacente ao seu depocentro, ali deformando, metamorfizando e ressedimentando osdepósitos dos estágios Rift e Sinéclise. Este estágio deposicional, denominado de Inversão, é marcado pela continentalização da bacia, deposição em sistemas aluviais e dunas eólicas, exibindo nítida inversão do sentido das paleocorrentes emrelação aos estágios precedentes. A deformação da Bacia Aguapeí registra o encerramento doregime de colisões do Ciclo Grenville no Mesoproterozóico no sul do Cráton Amazônico e a amalgamação final do Supercontinente Rodínia há cerca de 1.0Ga. Oreflexo deste evento tectônico está registrado principalmente ao longo da Zona Central do aulacógeno, onde se alinharam as principais ocorrências auríferas da região, alojadas em uma diversidade de trapas estruturais/estratigráficas, criadasdurante a deformação Sunsa e que mineralizaram tanto os metassedimentos Aguapeí como seu embasamento
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.09.1999
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IGC30900005581T S127 GS.ev e.2
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SAES, Gerson Souza; FRAGOSO CESAR, Antonio Romalino Santos. Evolução tectônica e paleogeográfica da aulacógeno Aguapeí (1.2-1.0Ga) e dos terrenos do seu embasamento na porção sul do cráton amazônico. 1999.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-25112014-160016/pt-br.php >.
    • APA

      Saes, G. S., & Fragoso Cesar, A. R. S. (1999). Evolução tectônica e paleogeográfica da aulacógeno Aguapeí (1.2-1.0Ga) e dos terrenos do seu embasamento na porção sul do cráton amazônico. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-25112014-160016/pt-br.php
    • NLM

      Saes GS, Fragoso Cesar ARS. Evolução tectônica e paleogeográfica da aulacógeno Aguapeí (1.2-1.0Ga) e dos terrenos do seu embasamento na porção sul do cráton amazônico [Internet]. 1999 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-25112014-160016/pt-br.php
    • Vancouver

      Saes GS, Fragoso Cesar ARS. Evolução tectônica e paleogeográfica da aulacógeno Aguapeí (1.2-1.0Ga) e dos terrenos do seu embasamento na porção sul do cráton amazônico [Internet]. 1999 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-25112014-160016/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: