Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A ironia trágica em Heródoto (1999)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GOMES, MARCOS CARDOSO - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLH
  • Subjects: HISTÓRIA ANTIGA (HISTORIOGRAFIA); HISTORIÓGRAFOS
  • Language: Português
  • Abstract: As narrativas de Heródoto freqüentemente dizem respeito à figura de um soberano que, confiante contínuos sucessos, considera-se em muito superior aos demais homens. Em virtude dessa consideração, lança-se em aventuras perigosas e acabaencontrando ou a morte, ou uma grande derrota. A história é, então, uma seqüência de ascensões e quedas de reis e de seus povos, que são substituídos por outros com características semelhantes e que também são destruídos pelas mesmas razões comque derrubaram os antecessores. A esse tipo de trajetória este trabalho considera como resultante de uma visão trágica do historiador. Entenda-se por visão trágica não propriamente a presença da dramaturgia em Heródoto (várias passagens deHistórias podem ser transformadas em trechos trágicos, mas não são o elemento dominante), mas ironia trágica. Pois a causa da queda dos muitos soberanos não é senão seu grande desejo de conquista, a avidez com que olha o mundo; ou seja, é ele ocausador de sua ruína. Este é o sentido da ironia trágica. Sua forma é a peripécia. Este ensaio, em virtude do tema escolhido, teve a necessidade de trabalhar com todo corpus da obra. Segue o próprio itinerário de Histórias, partindo de Creso,seguindo por Ciro, Cambises, Dario e Xerxes. A cupidez do governante é um traço apenas oriental? Não. Os gregos também portam tal característica. De Pisístrato até Temístocles, de Licurgo até Cleomenes, acrescidos de tiranos de Corinto e dePolícrates, os governantes gregos,vivendo um regime político diferente dos orientais, revelaram características que muito os aproxima destes. Heródoto, como inaugurador do gênero história, aparentemente desconsidera os mitos que reúne em tornoda Guerra de Tróia, e trata o soberano despótico com considerável distância crítica. Em troca propõe a autópsia como método mais confiável de observação das ações humanas, e opõe às tendências temerárias do soberano a figura do conselheiro, a ) lembrar-lhe os perigos da aventura em que está a lançar-se. Entretanto, aos poucos o mito mina sua visão de mundo e percebe-se que a trajetória dos persas, partindo para a conquista da Grécia, é uma espécie de resposta oriental àagressão dos gregos a Tróia. Assim, a ironia trágica incorpora o próprio historiador, que a tem como modo de compreender o mundo
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.12.1999

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH21200044214T GOMES, M.C. 1999
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GOMES, Marcos Cardoso; PIRES, Francisco Murari. A ironia trágica em Heródoto. 1999.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.
    • APA

      Gomes, M. C., & Pires, F. M. (1999). A ironia trágica em Heródoto. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Gomes MC, Pires FM. A ironia trágica em Heródoto. 1999 ;
    • Vancouver

      Gomes MC, Pires FM. A ironia trágica em Heródoto. 1999 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: