Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Sindicatos e política de privatização no Brasil (2000)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: FERRAZ, ALEXANDRE SAMPAIO - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLP
  • Subjects: POLÍTICA; SINDICALISMO
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho é um estudo da atuação dos sindicatos de trabalhadores das empresas públicas do setores siderúrgico e extrativo mineral frente a política de privatização dos anos 90. Seu objetivo é contribuir para o entendimento das variáveis queafetaram a capacidade de influência dos sindicatos sobre esta política, bem como das estratégias por eles perseguidas. A política de privatização vem sendo conduzido pelo governo como parte de uma ampla restruturação das funções do Estado da suarelação com a sociedade, iniciada no começo dos anos 90, e que se convencionou chamar de 'Reforma do Estado'. A privatização foi apresentada pelo governo como uma das peças chaves da reforma, sendo tanto um componente da restruturação do modo deintervenção do Estado na economia, como do ajuste fiscal do Estado e da reativação do investimento nas empresas. A adoção de medidas de liberalização e de flexibilização econômica em direção ao reforço dos mecanismos de mercado parece ter sido aresposta "universal" às crises econômica e da capacidade de investimento do Estado, que teve sua origem nos anos 70. Apesar da reforma do Estado ter sido motivada por fatores semelhantes nos países onde foi adotada, sua duração, escopo, eresultados, têm variado significativamente entre os países. Esta variação, por sua vez, tem sido explicada a partir das diferenças entre os arranjos institucionais dos países onde a reforma se realiza, e da configuração dos atores envolvidos, eque têm lugar nojogo político. A maior parte da literatura especializada sobre o tema tem destacado a importância das variáveis institucionais na explicação do sucesso e do formato da reforma. Contudo, pouco destaque tem sido dado à influênciado sistema de intermediação de interesse na avaliação das diferenças entre países. Esse trabalho busca justamente explorar esta lacuna mostrando a influência desse sistema sobre a capacidade de pressão dos sindicatos e sobre as ) estratégias adotadas pelos mesmos, e, ainda, sua relação com o sistema político. A hipótese de que parto é que a capacidade de influência dos sindicatos no processo de privatização, assim como suas estratégias de ação, podem serexplicados a partir do arranjo institucional em que a reforma se realiza. A relação entre a capacidade de influência dos sindicatos e o arranjo institucional será analisada sobre duas perspectivas. De um lado, a ação dos sindicatos sobre oprocesso de definição e implementação da política de privatização é constrangida pelas instituições formais que regulam o processo decisório e que compreendem os poderes Legislativo, Executivo, e Judiciário. De outro lado, essa ação éconstrangida pela própria estrutura da organização sindical, uma vez que essa determina grande parte da capacidade de coordenação entre as organizações sindicais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.07.2000

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH21000042891T FERRAZ, A.S. 2000
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FERRAZ, Alexandre Sampaio; ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de. Sindicatos e política de privatização no Brasil. 2000.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.
    • APA

      Ferraz, A. S., & Almeida, M. H. T. de. (2000). Sindicatos e política de privatização no Brasil. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Ferraz AS, Almeida MHT de. Sindicatos e política de privatização no Brasil. 2000 ;
    • Vancouver

      Ferraz AS, Almeida MHT de. Sindicatos e política de privatização no Brasil. 2000 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: