Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Colonização de placas de fouling no estuário de Santos (Santos-SP): análises transicional e de sensibilidade complementando a abordagem baseada em recobrimentos específicos e diversidade (2001)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GIORDANO, FABIO - IB
  • USP Schools: IB
  • Sigla do Departamento: BIE
  • Subjects: ANIMAIS MARINHOS
  • Language: Português
  • Abstract: O presente trabalho é um estudo de quatro anos da sucessão numa comunidade de animais sésseis marinhos de "fouling" colonizando placas de cerâmica na área estuarina de antos (SP-Brasil). O estudo foi concebido sob dois enfoques principais. O primeiro, mais tradicional, baseou-se inteiramente em dados mensais de recobrimento de espécies e em algumas medidas de diversidade, dominância, e turn-over de espécies. O segundo, mais inovador, fundamentou-se em matrizes de probabilidades de transição referentes a espécies e também a guildas. A princípio, a descrição tradicional da sucessão trouxe-nos algumas respostas a questões. Quais são os organismos colonizando espaço livre ou previamente ocupado, ao longo do tempo? Há alguma espécie particularmente importante? Ou mesmo algum padrão perceptível de hierarquização das espécies? Como a diversidade e a dominância variam ao longo do tempo durante a sucessão? Há algum padrão temporal de "turn-over" de espécies levando a um aumento da diversidade? Nós observamonão menos que 33 espécies colonizando as nossas placas de "fouling" durante o período de quatro anos. Com base em características morfológicas e no que conhecemos sobre modos de vida, pudermos arranjar as espécies em 13 guildas. O espaço livre foi também incluído na análise. Um novo índice de importância ecológica nos permitiu apontar as mais importantes espécies e suas respectivas guildas. Elas foram Bugula turrita, Zoobotryn pellucidum e Bugula neritina(briozoários arborescentes- BRIOARB), Balanus trigonus (uma craca- CIRRIP), Corophium acherusicum (anfípodo tubícola-COROPH), Styela plicata (ascídea não colonial - STYELA), Symplegma spp. (ascídeas coloniais incrustantes - UROCOL), e o que chamamos Hydrozoa 1 (incluindo uma ou mais espécies de hidróides plumularídeos - HIDROI). Apesar da importância desses animais, não houve uma espécie única ou guilda dominando a comunidade através do tempo. Todos os recobrimentos ) das espécies oscilaram fortemente, e nem todas as espécies ou guildas estiveram presentes ao mesmo tempo. Ademais, o intenso "turn-over" de espécies, em que se alternaram ganhos e perdas, fez variar substancialmente a composição da comunidade. Nós encontramos tendências gerais e algumas periodicidades significativas na riqueza de espécies e na diversidade quantitativa (ciclos de 15 meses), e também na dominância (ciclos com entre 7 e 8 meses de duração); não ficaram claros eventuais fatores causais desses padrões temporais. As análises transicional e de sensibilidade executadas para guildas nos permitiram evidenciar alguns marcados padrões sucessionais. Houve transições em praticamente todas as direções, porém com diferentes probabilidades. Apesar dessa aparente complexidade, o surpreendentemente baixo número de transições estatisticamente significativas apontou para uma baixa seletividade em relação ao substrato durante o recrutamento. A colonização do espaço livre pareceu ser muito rápida e assima persistência do mesmo foi baixa( a expectativa foi de aproximadamente só cerca de 20 porcento do espaço livre persistindo de um mês para outro). O pouco expressivo recobrimento real referente ao espaço livre medido durante a maior parte do tempo do estudo, e também o projetado num suposto clímax, são coerentes com essa observação. A rápida dinâmica da comunidade do "fouling" foi consoante com alta damping-ratio, sugerindo um tempo de recuperação de apenas 2 a 3 meses (após uma hipotética forte perturbação). Os resultados da análise de sensibilidade mostraram que a damping-ratio foi mais sensível a mudanças nas transições de guildas importantes e para guildas mais raras. As mudanças numa variedade de probabilidades de transição mostraram-se podendo afetar cada recobrimento específico assintótico, mais do que mudanças em alguma transição em particular envolvendo algum tipo de espécie-chave. Por outro ) lado, BRIOARB foi claramente uma guilda muito importante, influenciando a dinâmica e estruturando a comunidade. Neste estudo nós estimamos mensalmente, durante um período de quatro anos, os recobrimentos de espécies e guildas de animais sésseis do fouling colonizando placas de cerâmica imersas na água do mar no estuário de Santos (SP-Brasil). No início, os 50 conjuntos de dados foram diretamente analisados nos níveis de população e de guilda. No passo seguinte, os recobrimentos foram processados para estimar os valores ecológicos específicos e, no nível de comunidade, ariqueza (S), a dominância (como o complemento da eqüitatividade de Pielou), a riqueza aparente (índice de diversidade de Shannon-Hill), e finalmente o turn-over. Os resultados, plotados contra o tempo numa escala mensal, nos permitiram ordenar as espécies e guildas com base nas suas importâncias nos quatro anos como um todo. Nenhuma espécie ou guila individualmente predominou mais intensamente sobre as demais, embora algumas delas tenham se distinguido moderadamente. Bugula neritina, Bugula turrita, Zoobotryon pellucidum, Balanus trigonus, Styela plicata e Symplegma viride ocuparam os postos mais altos entre as espécies, enquanto que briozoários arborescentes, cracas, hidrozoários coloniais e ascídeas coloniais estiveram no topo do ranking das guildas. Riqueza, dominância e diversidade plotadas contra o tempo, mostraram alguns padrões muito interessantes. Durante os três primeiros anos da sucessão uma clara tendência linear de incremento da riqueza e da diversidae, mais no caso das espécies que no das guildas, se fez evidente. Por análise de Fourier dos espectros desses descritores, e com base em autocorrelações, pudemos colocar em evidência uma periodicidade significativa de aproximadamente 15 meses, cada período claramente caracterizado por um forte incremento inicial de riqueza e da diversidade, seguido por uma abrupta redução. ) A dominância mostrou uma marcadada periodicidade de 7 a 8 meses, porém não uma tendência linear. No nível das espécies, ariqueza afetou a diversidade mais que a dominância, o contrário ocorrendo no nível das guildas. Finalmente, o turn-over de espécies e de guildas mostrou flutuações de período bastante curto da ordem de 2 meses, com ganhos e perdas alternando-se bastante regularmente. Esses resultados apontam claramente para a maior parte da sucessão se caracterizando não por um contínuo de transformação e sim por estar sujeita a influências externas ou mecanismos internos capazes de induzir flutuações periódicas com pelo menos três freqüências distintas. Este padrão, não é regular ao longo do tempo, como ficou evidente pela mudança observada após o terceiro ano. Não ficaram claros as possíveis influências externas ou mecanismos determinantes dessas flutuações. Análises da sucessão ecológica numa comunidade de animais sésseis marinhos de "fouling", baseadas em matrizes de probabilidade de transição são ainda uma aplicação experimental inédita em comunidades marinhas no Brasil, desta técnica já consagrada em ecologia de populações. A composição da comunidade estabelecida em placas de cerâmica imersas na área estuarina de Santos (SP-Brasil), tanto em termos das espécies quanto das guildas foi acompanhada mensalmente durante quatro anos. Os dados que obtivemos não se limitaram à identificação das espécies presentes e à estimativa da abundância das mesmas. Os registros foram feitos observando-se uma malha regular de pontos fixos alocados na superfície do substrato. Assim sendo,de um mês para o outro, pôde-se acompanhar as substituições de uma espécie por outra em cada ponto. Essa metodologia permitiu-nos determinar a cada momento, qual a probabilidade de certa espécie ser substituída por outra no conjunto dos pontos observados. As matrizes de transições em que baseamos todo nosso trabalho nada ) mais são que conjuntos dessas probabilidades. Inicialmente analisamos as próprias matrizes buscando matrizes 4 categorias de transição: a substituição do espaço livre pelas espécies agrupadas em guildas foi interpretada como expressão do crescimento e/ou recrutamento; quando as espécies das guildas deram lugar para o espaço vazio, consideramos ter havido remoção ou mortalidade; as transições envolvendo as espécies das guildas foram analisadas no contexto das relações competitivas; e finalmente, a persistência de certa espécie nos mesmos pontos ao longo do tempo foi vista com um indicativo de estabilidade populacional ou mesmo longevidade. Numa segunda etapa, as matrizes passaram por procedimentos bem mais complexos em computador, para o que um software foi produzido especificamente. Dentres esses procedimentos o mais simples foi projetar a composição esperada da comunidade num estado hipotético de equilíbrio final ou clímax. Num nível intermediário, por " eigen-analysis", determinamos a velocidade sa sucessão rumo ao mencionado equilíbrio. Finalmente, computamos as sensibilidades não só dessa velocidade como também das próprias abundâncias noclímax, correspondendo a como reagiriam a alterações na probabilidade de cada uma das transações da matriz. Algumas guildas, entre elas a dos hidrozoários plumados, dos cirripédios e das ascídias solitárias, se destacaram pela rápida colonização do espaço livre, podendo ser consideradas mais pioneiras. A abertura de quantidade expressiva de espaços vazios esteve associada à mortalidade de animais de intenso crescimento (tais como o briozoário arborescente Zoobotryon pellucidum e o tunicado solitário Styela plicata), que a partir de certo tamanho não mais se sustentam e se perdem abrindo clareiras. A comunidade apresentou uma dinâmica temporal acelerada, indicada não pelos resultados de "eigen-analysis" - o tempo teórico estimado para a recuperação da ) estrutura a partir do vazio situa-se próximo de 2-3 meses. A tendência teórica para a comunidade é atingir um clímax com diversidade relativamente alta e predominância de briozoários arborescentes, cirripédios e tunicados. A análise de sensibilidade mostrou que a "damping-ratio" é mais sensível a mudanças de transições a partir de guildas importantes e para guildas mais raras. Alterações nas probabilidades de diversas transições revelaram-se poder interferir na composição assintótica da comunidade, nos levando a concluir que no "fouling" não há uma espécie-chave definida, muito embora um certo número de guildas, entre elas a do brizoários arborescentes tenha se mostrado mais influente sobre a estrutura dacomunidade
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.11.2001

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IB12000020186D-887
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GIORDANO, Fabio; ROSSO, Sérgio. Colonização de placas de fouling no estuário de Santos (Santos-SP): análises transicional e de sensibilidade complementando a abordagem baseada em recobrimentos específicos e diversidade. 2001.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
    • APA

      Giordano, F., & Rosso, S. (2001). Colonização de placas de fouling no estuário de Santos (Santos-SP): análises transicional e de sensibilidade complementando a abordagem baseada em recobrimentos específicos e diversidade. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Giordano F, Rosso S. Colonização de placas de fouling no estuário de Santos (Santos-SP): análises transicional e de sensibilidade complementando a abordagem baseada em recobrimentos específicos e diversidade. 2001 ;
    • Vancouver

      Giordano F, Rosso S. Colonização de placas de fouling no estuário de Santos (Santos-SP): análises transicional e de sensibilidade complementando a abordagem baseada em recobrimentos específicos e diversidade. 2001 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: