Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Papel da proteina tirosina fosfatase de baixa massa molecular relativa (LMW-PTP) no controle da proliferação celular e na origem de neoplasias (2001)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GRANJEIRO, JOSE MAURO - FOB
  • USP Schools: FOB
  • Sigla do Departamento: BAB
  • Subjects: FOSFOPROTEÍNAS; NEOPLASIAS; ISOENZIMAS
  • Language: Português
  • Abstract: A fosfotirosina proteina fosfatase de baixa massa molecular relativa (LMW-PTP) é uma fosfohidrolase de distribuição ubíqua na natureza, presente nas células como duas isoenzimas (IF1 e IF2), as quais são codificadas por três alelos. Estas isoenzimas diferem entre si na região compreendida entre os resíduos de aminoácido de 40-73, exibindo diferentes afinidades pelo substrato, sensibilidade a moduladores e inibidores. A IF2 está envolvida na mitogênese e rearranjo do citoesqueleto induzido pelo fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF). Em fibroblastos normais, o aumento da IF2 resulta em decréscimo na taxa de proliferação celular. Neste trabalho realizamos a clonagem e expressão da IF2. O RNA total extraído de pâncreas humano foi usado para RT-PCR com "primers" oligo-dT. O fragmento da LMW-PTP foi amplificado utilizando os "primers" 5'-GAAATGCAGGATCCTCAGG-3' e 5'-GGACCATGGCGGAACAGGCTACCAAGTCCG-3' e clonado no vetor pUC18. A seqüência da IF2 foi confirmada pelo seqüênciamento automático de DNA (Sistema ABI). A LMW-PTP foi sub-clonada no vetor pRSET B (sem cauda de Histidina) e usado para transformar bactérias BL21 DE3 para produção em larga escala. A expressão da IF2 foi induzida por IPTG, sendo as colônias positivas confirmadas por PCR, SDS-PAGE e atividade enzimática. A fim de avaliar o papel da LMW-PTP na reversão fenotípica tumoral-normal e na transformação maligna induzida por oncogenes foram utilizados os sistemas: 1) as linhagenscelulares C6/ST1 e C6/P7 derivadas de glioma de rato quimicamente induzido, sendo a variante ST1 sensível e a P7 resistente a glucocorticóides (GC); 2) linhagens celulares expressando oncoproteinas do vírus polioma (antígenos "middle" e "large" T), mutadas ou não. A atividade enzimática foi determinada em pH 5,0 usando o p-nitrofenil fosfato como substrato ('37 graus C', 20 min), nas seguintes condições: a) ausência de inibidores (fosfatase ácida total, FAT); b) ) presença de 10 mM de tartarato e fluoreto (LMW-PTP); c) presença de 10 mM de tartarato e 1 mM de p-hidroximercuribenzoato (fosfatase ácida resistente ao tartarato, TRAP). A LMW-PTP e TRAP não foram afetadas na variante P7 após tratamento com GC, mas na variante ST1 essas atividades foram significativamente aumentadas (p<0,05) 6 horas após o tratamento com GC. Os níveis de mRNA da LMW-PTP aumentaram 2,5 vezes e os níveis de glutationa reduzida aumentaram significativamente (p<0,001) nas células ST1 tratadas com CG. As linhagens celulares superexpressando a oncoproteína selvagem MT e/ou LT exibiram uma diminuição significativa na atividade LMW-PTP e TRAP e do conteúdo de glutationa reduzida (p<0,001), sem alteração nos níveis de mRNA da LMW-PTP. Concluímos que a reversão fenotípica das células ST1 tratadas com GC está associada com o aumento significativo da atividade LMW-PTP e TRAP, sugerindo a participação destas enzimas na reversão da transformação celular e supressão de tumor. O aumento da atividadeLMW-PTP pode ter ocorrido tanto pelo aumento da expressão da enzima como pela diminuição do estresse oxidativo. Por outro lado, a superexpressão dos antígenos MT e/ou LT do vírus polioma resulta na diminuição da atividade da LMW-PTP e TRAP, possivelmente devido ao aumento do estresse oxidativo observado nas células transformadas pelo MT ou LT
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.02.2001

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FOB11600014404G766p
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GRANJEIRO, José Mauro. Papel da proteina tirosina fosfatase de baixa massa molecular relativa (LMW-PTP) no controle da proliferação celular e na origem de neoplasias. 2001.Universidade de São Paulo, Bauru, 2001.
    • APA

      Granjeiro, J. M. (2001). Papel da proteina tirosina fosfatase de baixa massa molecular relativa (LMW-PTP) no controle da proliferação celular e na origem de neoplasias. Universidade de São Paulo, Bauru.
    • NLM

      Granjeiro JM. Papel da proteina tirosina fosfatase de baixa massa molecular relativa (LMW-PTP) no controle da proliferação celular e na origem de neoplasias. 2001 ;
    • Vancouver

      Granjeiro JM. Papel da proteina tirosina fosfatase de baixa massa molecular relativa (LMW-PTP) no controle da proliferação celular e na origem de neoplasias. 2001 ;