Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

As unidades de conservação ambiental como vetores do ordenamento territorial (2001)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SANSON, FABIO EDUARDO DE GIUSTI - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLG
  • Subjects: PROTEÇÃO AMBIENTAL (ASPECTOS SÓCIO-ECONÔMICOS); PLANEJAMENTO AMBIENTAL; CONSERVAÇÃO (COMPORTAMENTO ECOLÓGICO); DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  • Language: Português
  • Abstract: Um dos objetivos que presidiram a criação das Unidades de Conservação Ambiental - UCs foi assegurar a proteção da natureza face às ameaças de degradação promovidas por atividades econômicas e sociais. Também buscava-se permitir a investigação científica de áreas não afetadas por atividades humanas. Nos locais já habitados, este fato trouxe alterações para vida de seus moradores, bem como dificuldades à manutenção de suas características naturais. Além disso, na maioria dos casos, a criação dessas áreas impediu o desenvolvimento econômico e social das regiões atingidas. Na tentativa de minimizar esses problemas a proposta de desenvolvimento sustentável, internacionalmente discutida, trouxe novas perspectivas e sugeriu um enfoque diferente para a gestão das áreas protegidas em todo o mundo. Nessa proposta busca-se conciliar a conservação da natureza e ao mesmo tempo promover o desenvolvimento regional. O ordenamento territorial constitui um dos elementos básicos neste novo enfoque e traz em sua formulação medidas alternativas para promover este tipo de desenvolvimento. Exemplos disso no Brasil podem ser dados com os vários programas ambientais implementados na esfera federal, dentre eles o Programa Nacional de Meio Ambiente - PNMA, e estadual, como é o caso do Gerenciamento Costeiro do Estado de São Paulo. Essas medidas levam a pensar numa nova gestão das UCs e das áreas em seu entorno, levando-se em consideração os interesses divergentes entre os agentes queatuam nestas áreas. Porém, uma série de obstáculos, alguns históricos, tais como a regularização fundiária e o planejamento centralizado no país, terão de ser superados para se alcançar formas de ordenamento territorial que apontem para o avanço da problemática ambiental no país, integrada à discussão de problemas sociais mais amplos. O caso da Estação Ecológica de Juréia-Itatins estudado nesta pesquisa, serviu como base para reflexão dessas dificuldades
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.11.2001

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH21100003275T SANSON, F.E.G. 2001
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANSON, Fábio Eduardo de Giusti; MORAES, Antônio Carlos Robert. As unidades de conservação ambiental como vetores do ordenamento territorial. 2001.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
    • APA

      Sanson, F. E. de G., & Moraes, A. C. R. (2001). As unidades de conservação ambiental como vetores do ordenamento territorial. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Sanson FE de G, Moraes ACR. As unidades de conservação ambiental como vetores do ordenamento territorial. 2001 ;
    • Vancouver

      Sanson FE de G, Moraes ACR. As unidades de conservação ambiental como vetores do ordenamento territorial. 2001 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: