Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Mortalidade por causas externas no Estado de São Paulo e suas regiões (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CAMARGO, ANTONIO BENEDITO MARANGONE - FSP
  • USP Schools: FSP
  • Sigla do Departamento: HEP
  • Subjects: CAUSA BÁSICA DE MORTE; COEFICIENTE DE MORTALIDADE; HOMICÍDIO; ACIDENTES DE TRÂNSITO
  • Language: Português
  • Abstract: Estuda a magnitude e a tendência da mortalidade por causas externas no Brasil, no Estado de São Paulo e em suas regiões e municípios, especialmente nas duas últimas décadas. Até o final dos anos 70, as causas externas de morte eram superadas por várias outras como a doenças do aparelho circulatório, neoplasias, doenças infecciosas e parasitárias e as doenças do aparelho respiratório no Brasil, mas com o seu rápido crescimento, passaram a se constituir na segunda mais importante. Entre os homens, essa participação é maior, devido, em grande parte, ao aumento dos homicídios, que, desde de o início dos anos 90, são a principal causa externa de morte no país. Os coeficientes de mortalidade passaram de cerca de 10 óbitos por cem mil habitantes ao final da década de 70, para mais de 25 a partir da metade dos anos 90. Em São Paulo, o panorama é ainda mais complexo, pois os homicídios já se constituem na principal causa externa desde o início da década de 80. As taxas, que se mantiveram abaixo de 10 óbitos por 1000 mil habitantes, até o final dos anos 70, elevam-se de forma acentuada, ultrapassando, nos últimos anos, a 40 óbitos por 100 mil pessoas, níveis altíssimos quando comparados com outras áreas do mundo. Os acidentes de transporte/veículos a motor, em geral, também apresentam coeficientes elevados, mas vêm mantendo-se com certa estabilidade, com cerca de 20 óbitos por 100 mil habitantes. As regiões do Estado de são Paulo, também apresentam níveis demortalidade por causas externas muito altos, especialmente em Santos, na Região Metropolitana de São Paulo e em Registro. Observa-se ainda que estas taxas vêm aumentando consideravelmente nos últimos anos, nas regiões de São José dos Campos, Campinas e Ribeirão Preto. No oeste do Estado, os níveis ainda mantêm-se relativamente estáveis e menores. Ao se medir o impacto da mortalidade por causas externas nessas regiões, observa-se que, se estas deixassem de ocorrer, haveria um ganho de 4,7 anos na esperança de vida da população masculina de Santos, de 4,4 na Metropolitana de são Paulo e de 4,0 em Registro. Esta última apresenta os maiores coeficientes de mortalidade por acidentes de transporte do Estado de São Paulo, enquanto nas duas outras o impacto maior deve-se à mortalidade por homicídios. Entre as mulheres a eliminação das causas externas de morte proporcionaria um ganho de menos de um ano na esperança de vida ao nascer com eliminação das causas externas de morte
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.02.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FSP11800043998Dr 525
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CAMARGO, Antonio Benedito Marangone; SANTO, Augusto Hasiak. Mortalidade por causas externas no Estado de São Paulo e suas regiões. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Camargo, A. B. M., & Santo, A. H. (2002). Mortalidade por causas externas no Estado de São Paulo e suas regiões. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Camargo ABM, Santo AH. Mortalidade por causas externas no Estado de São Paulo e suas regiões. 2002 ;
    • Vancouver

      Camargo ABM, Santo AH. Mortalidade por causas externas no Estado de São Paulo e suas regiões. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: