Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A lectina MNCF: cinética da localização em macrófagos, papel na ativação de neutrófilos e mastócitos e mimetização de seu efeito pela lectina vegetal KM+ (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MORENO, ANDRÉA NOVAIS - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RBI
  • Subjects: BIOLOGIA CELULAR; BIOQUÍMICA
  • Language: Português
  • Abstract: Macrófagos ativados por LPS liberam uma proteína ligante de D-galactose que induz a migração de neutrófilos 'in vivo' e 'in vitro'. Essa proteína, Macrophage-derived-Neutrophil Chemotactic Factor (MNCF), induz o recrutamento de neutrófilos mesmo em animais pré-tratados com dexametasona, atividade que é inibida na presença do açúcar específico, D-galactose. A distribuição celular do MNCF em macrófagos foi analisada por microscopia confocal e citometria de fluxo. Verificamos que macrófagos de rato não estimulados apresentam MNCF estocado no citoplasma. O estímulo com LPS associa-se, após 15 minutos, a detecção da lectina na superfície celular. Após 60 minutos, as células não mais expressam MNCF mas com o uso de cromatografia de afinidade recuperamos a lectina do sobrenadante. MNCF é novamente detectado no citoplasma de macrófagos 6 a 8 horas após estímulo com LPS e na superfície celular, 10 a 12 horas após o estímulo. Tais resultados indicam que MNCF é armazenado em macrófagos em repouso e que ativação dessas células provoca sua mobilização para a superfície celular e então sua rápida liberação para o meio. Segue-se nova detecção intracelular do MNCF e após, na superfície celular, sugerindo que MNCF seja resintetizado por macrófagos estimulados. A liberação do MNCF foi também comparada com a liberação da citocina TNF-'alfa', um produto conhecido de macrófagos estimulados. Os resultados obtidos estão de acordo com os reportados para a liberação de TNF-'alfa'. MNCF foiavaliado quanto à capacidade de ativar neutrófilos humanos. A exposição à lectina induziu polarização celular e formação de profundas ondulações dos micrófilos da superfície celular. Tais respostas são dependentes do domínio de reconhecimento de carboidratos do MNCF, uma vez que foram inibidas na presença do açúcar específico. A ativação de neutrófilos, manifesta por resposta quimiotática ao MNCF, foi inibida na presença de ) toxina pertussis. Esse resultado sugere que MNCF reconhece um ligante na superfície neutrofílica que induz a sinalização via G;. Microscopia confocal revelou que complexos MNCF/ligante celular, formados na superfície dos neutrófilos, foram internalizados 120 minutos após a incubação das células com a lectina. MNCF também ativa mastócitos de rato isolados. Utilizando-se esferas magnéticas conjugadas e anticorpo específico para mastócito. Estudos em paralelo, utilizando a lectina de planta KM+, ligante de D-manose e atraente para neutrófilos, revelou ativação dos mastócitos similar à observada com MNCF. A ativação de mastócitos, decorrente do estímulo com MNCF ou KM+, manifestou-se por drástica desgranulação celular e por liberação de TNF-'alfa', sendo ambas as respostas inibíveis por monossacarídeo específico, isto é, D-galactose quando estimuladas por MNCF e D-manose, por KM+. Ambas as lectinas ligam-se à superficie dos mastócitos, o que foi detectado por microcopia confocal. A ligagão de KM+, mas não a ligação de MNCF, foiparcialmente inibida pela pré-incubação dos mastócitos peritoneais com anticorpo monoclonal que reconhecem a cadeia a do receptor de IgE de alta afinidade (FccRl). Observou-se, por microscopia confocal, co-localização do MNCF e da cadeia e do FceRl na superfície de mastócitos. KM+, mas não MNCF, provocou a ativação de células de linhagem RBL-21-13. MNCF induz a ativação das células RBL-2H3 somente quando elas foram previamente sensibilizadas com IgE de rato. Ensaios imunoenzimáticos, realizados em microplacas ou em membranas de nitrocelulose, comprovaram que MNCF, mss nao KM+, reconhece a molécula de IgE de rato. Esse conjunto de resultados indicam que as lectinas MNCF a KM+ ativam mastócitos a partir de interações estabelecidas na superfície celular com glicanas pertencentes a ligantes distintos. KM+ pode interagir com glicanas do FCBRl, ) enquanto MNCF interage com glicanas da molécula de IgE. Não se descarta a ocorrência de interações, porém com base em nossas observações, é plausível sugerir que MNCF e KM+ exerçam atividades similares sobre os mastócitos por interagirem com ligantes distintos na superfície celular. A propriedade das lectinas MNCF e KM+ de desgranular mastócitos e de liberar o conteúdo granular proporciona uma alça amplificadora da atividade de induzir migração de neutrófilos, exercida por ambas as lectinas. Tal afirmação fundamenta-se na observação experimental de que há queda da resposta migratória a ambas as lectinas quandoensaiadas em cavidade peritoneal de ratos submetidos, 5 dias antes, à depleção de mastócitos pela injeção de água destilada, os mastócitos maduros que já repovoam a cavidade respondem desgranulando e liberando mediadores, estabelecendo-se assim o influxo de neutrófilos regularmente induzido por MNCF e KM+. Assim, o presente trabalho, através de abordagens experimentais múltiplas e consistentes, suporta idéias postuladas na última década, de que lectinas de mamíferos ao reconhecerem glicanas de superfícies celulares medeiam eventos importantes da imunidade inata
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.01.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200030364Moreno, Andra Novais
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MORENO, Andréa Novais; ANTUNES, Maria Cristina Roque. A lectina MNCF: cinética da localização em macrófagos, papel na ativação de neutrófilos e mastócitos e mimetização de seu efeito pela lectina vegetal KM+. 2002.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002.
    • APA

      Moreno, A. N., & Antunes, M. C. R. (2002). A lectina MNCF: cinética da localização em macrófagos, papel na ativação de neutrófilos e mastócitos e mimetização de seu efeito pela lectina vegetal KM+. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Moreno AN, Antunes MCR. A lectina MNCF: cinética da localização em macrófagos, papel na ativação de neutrófilos e mastócitos e mimetização de seu efeito pela lectina vegetal KM+. 2002 ;
    • Vancouver

      Moreno AN, Antunes MCR. A lectina MNCF: cinética da localização em macrófagos, papel na ativação de neutrófilos e mastócitos e mimetização de seu efeito pela lectina vegetal KM+. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: