Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Televisão objeto: a crítica e suas questões de método (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BUCCI, EUGENIO - ECA
  • USP Schools: ECA
  • Sigla do Departamento: CJE
  • Subjects: TELEVISÃO; SEMIOLOGIA DA TELEVISÃO; RECEPÇÃO; PSICANÁLISE
  • Language: Português
  • Abstract: Esta tese realiza uma descrição da televisão como objeto de crítica e lança proposições de método para essa mesma crítica. Partindo da demonstração de que a televisão, por meio da instância da imagem ao vivo, constitui o telespaço público na contemporaneidade, explica por que, aí no telespaço público, a racional idade não é premissa obrigatória para a comunicação. O sujeito que aí se move é o sujeito do inconsciente, duplamente faltante (a falta duplamente): ele foi arrancado de seu gozo, na perspectiva psicanalítica, e alienado de seu trabalho, na perspectiva do materialismo histórico. Nesse sentido, a comunicação posta pela televisão é vista antes como laço social, como a própria língua, daí a dizer que a televisão funciona como língua, e só em segundo plano como ferramenta para o atingimento de fins na ação dos sujeitos em sociedade. Como se vê desde já, a tarefa aqui empreendida é a de tomar compatíveis entre si as influências de ciências cujos objetos não se tocam nem se reconhecem, a saber: a sociologia, ou melhor, uma sociologia em particular, aquela que se especializou no conceito de espaços públicos, a teoria psicanalítica, que lida com o inconsciente, além da lingüística, que tem nos signos e na língua o seu foco central. Essa tarefa teórica se justifica porque o campo da comunicação, que não se confunde com o campo da sociologia, nem com o campo da teoria psicanalítica, nem com o campo da lingüística, alimenta-se deles e, ao mesmo tempo, busca suaautonomia epistemológica. ) Avizinha-se deles e, ao mesmo tempo, tem como objeto aquilo que a eles é uma exterioridade ou um meio: a comunicação. Desse modo, ao descrever o objeto televisão, esta tese contribui para demarcar a autonomia do campo da comunicação. Por fim, esta tese localiza a emergência de uma nova forma histórica da ordem do imaginário, a de imaginário superindustrial, que é um indicador da contemporaneidade. Aí, a fabricação das significações sociais é uma atividade regida pela exploração do trabalho e pela apropriação, pelo capital, do olhar social. A imagem é, portanto, estudada como mercadoria e como suporte de valor. Seu valor de troca é condicionado pelo gozo imaginário que ela promete e, em parte, proporciona. A imagem (seja a imagem da mercadoria ou mesmo a imagem como mercadoria) carrega valor de gozo. A televisão, tal como ela é descrita ao longo desta tese, deixa ver os mecanismos da produção do valor de gozo. A partir disso, a crítica de televisão é proposta não como avaliação estética de quadros isolados na programação, mas como uma crítica profunda da comunicação, que se realiza ao ter referências, de um lado, o capitalismo superindustrial e, de outro, a crise do sujeito contemporâneo
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.05.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    ECA20100044658t791.4501 B918t e.2
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BUCCI, Eugênio; BUITONI, Dulcília H. Schroeder. Televisão objeto: a crítica e suas questões de método. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Bucci, E., & Buitoni, D. H. S. (2002). Televisão objeto: a crítica e suas questões de método. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Bucci E, Buitoni DHS. Televisão objeto: a crítica e suas questões de método. 2002 ;
    • Vancouver

      Bucci E, Buitoni DHS. Televisão objeto: a crítica e suas questões de método. 2002 ;