Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O vazio e o oco na escultura (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ROMAGNOLO, SERGIO MAURO - ECA
  • USP Schools: ECA
  • Sigla do Departamento: CAP
  • Subjects: ESCULTURA EM PLÁSTICO; ESCULTURA EM BRONZE
  • Language: Português
  • Abstract: Esta pesquisa consiste no estudo das relações conceituais e estéticas existentes em uma escultura de plástico ou de bronze que não possuam um corpo maciço interno. O objetivo é pensar o vazio e o oco propriamente ditos como elementos que constituem o processo escultórico deste pesquisador. O estudo se dá através de investigações plásticas na produção de esculturas, e também investigações escritas com a produção de um texto que reflita sobre estas obras. O processo de execução das obras começa com um modelo de argila úmida que é recoberto por uma lâmina de plástico modelada com fogo. Em seguida, depois do esfriamento do plástico, a argila é retirada tomando a escultura oca. Deste modo, a escultura adquire volume permanecendo porém com pouca massa, afirmando assim a ausência do modelo interno e o oco da escultura. O tema das esculturas foi inicialmente retratos de duas meninas. Porém no decorrer deste processo foram acrescidos outros temas, de objetos em sua maioria, como: bicicletas, pneus, motocicleta, garrafa e latões de leite, todos guardando entre si uma relação funcional com sua parte oca. O conceito de ausência que é trabalhado aqui tem como ponto de partida as idéias contidas no livro de Louis Marin, Des Pouvoirs de L'image (Édition du Seuil).) Neste livro o autor procura fazer uma sondagem das origens da "imagem" na civilização ocidental e dos motivos que levaram ao seu fortalecimento nos dias de hoje. Segundo seu ponto de vista existe a idéiade que a imagem de um corpo desaparecido, tal como a do corpo de Cristo depois de sua morte, foi fortalecida e multiplicada em grande parte por ser a imagem de um corpo fundador e mais ainda por ser a imagem de um corpo fundador ausente. Outra referência importante que acaba por perpassar toda a pesquisa é a de Martin Heidegger. Inicialmente foram tratadas rápidamente algumas definições sobre o ser e sobre o ente contidas no livro Ser e Tempo (editora Vozes) e no final do texto foi visto um pouco do seu enfoque sobre o vazio de um jarro contido em outro trabalho chamado Poetry, Language, Thought (Harper & Row). Outro autor que enriquece o entendimento de pontos importantes para formar o discurso do estudo é Alberto Tassinari em seu livro O Espaço Moderno (Editora Cosac & Naif)
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.05.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    ECA20100043000t730 R756v e.2
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ROMAGNOLO, Sérgio Mauro; FAJARDO, Carlos. O vazio e o oco na escultura. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Romagnolo, S. M., & Fajardo, C. (2002). O vazio e o oco na escultura. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Romagnolo SM, Fajardo C. O vazio e o oco na escultura. 2002 ;
    • Vancouver

      Romagnolo SM, Fajardo C. O vazio e o oco na escultura. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: