Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Locução de futebol no Brasil e na França, na XVI copa do mundo: um cruzamento lingüístico-cultural de um evento discursivo (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: WILLIAMS, ANA CLOTILDE THOMÉ - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLL
  • Subjects: LOCUTORES ESPORTIVOS (ANÁLISE DO DISCURSO); EVENTOS ESPORTIVOS
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho tem como objetivo a comparação de aspectos do discurso de locutores de futebol no Brasil e na França, durante a Copa do Mundo de Futebol, realizada em 1998, na França. O futebol, o esporte mais popular do planeta, está intrinsecamente arraigado à cultura do Brasil, tetracampeão do mundo, enquanto, na França, ele é considerado mais "um esporte" em que esse país tem se destacado. O locutor esportivo é quem, pelo rádio ou pela televisão, dá voz ao jogo de futebol. Por sua linguagem, baseada em aspectos sócio-culturais e abundante em recursos estilísticos, transmite as ações em campo. Para realizarmos a comparação de locutores brasileiros e franceses, fizemos gravações em áudio e em vídeo da locução dos jogos desses dois países durante todo o evento, em uma ação coordenada no Brasil e na França. Depois das fitas serem transcritas, selecionamos momentos específicos, como o "início da partida", os "lances a gol", os "gols" e o "encerramento do jogo" para neles basearmos nossa análise. A locução de futebol tem por base três subgêneros discursivos, a narração, o comentário e a conversação e cada um deles é composto por seqüências e subseqüências que formam a arquitetura desse discurso. Ao considerarmos os momentos selecionados para a análise, comparamos, em cada um deles, a "construção geral do texto", a "extensão e a conexão das seqüências", os "aspectos prosódicos", as "gírias e expressões metafóricas" e o "envolvimento com o ouvinte". Asconclusões indicam que o brasileiro prefere seqüências justapostas e coordenadas, enquanto o francês, além dessas, faz largo uso de seqüências com a conjunção subordinativa "qui", explicando a sucessão dos ) fatos. Para o brasileiro, o que importa é a narração do fato, para o francês, sua explicação. Prosodicamente, há muita semelhança entre ambos, já que a entoação é a forma mais simples e natural de demonstrar a emoção. O brasileiro é mais inventivo, usando muitas metáforas e envolvendo-se intensamente com o ouvinte, que participa de sua fala em quase todos os momentos. O francês, comparativamente, envolve-se, sobretudo, pela entoação emotiva. Esse tipo de envolvimento, leva-nos a compreender porque o francês diz-se ser um "commentateur" de futebol e o brasileiro, um "narrador". O "narrador" vivencia e o "commentateur" analisa
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.07.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH21300124250T WILLIAMS, A.C.T. 2002
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      WILLIAMS, Ana Clotilde Thomé; BLIKSTEIN, Izidoro. Locução de futebol no Brasil e na França, na XVI copa do mundo: um cruzamento lingüístico-cultural de um evento discursivo. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Williams, A. C. T., & Blikstein, I. (2002). Locução de futebol no Brasil e na França, na XVI copa do mundo: um cruzamento lingüístico-cultural de um evento discursivo. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Williams ACT, Blikstein I. Locução de futebol no Brasil e na França, na XVI copa do mundo: um cruzamento lingüístico-cultural de um evento discursivo. 2002 ;
    • Vancouver

      Williams ACT, Blikstein I. Locução de futebol no Brasil e na França, na XVI copa do mundo: um cruzamento lingüístico-cultural de um evento discursivo. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: