Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Conseqüências do trauma crânio-encefálico para o cuidador familiar (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: HORA, EDILENE CURVELO - EE
  • USP Schools: EE
  • Sigla do Departamento: ENC
  • Subjects: CUIDADORES; ENFERMAGEM DA FAMÍLIA
  • Language: Português
  • Abstract: Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, de campo, prospectivo e com abordagem quantitativa sobre as Conseqüências do Trauma Crânio-Encefálico (TCE) para o cuidador familiar, a partir de seis meses após o evento traumático. A casuística do estudo foi constituída de 50 cuidadores familiares principais e 50 vítimas de TCE entrevistados no Ambulatório de Trauma de Crânio do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo , no período de junho a dezembro de 2001. Os resultados evidenciaram que os cuidadores tinham idade média de 44,90 anos, a maioria era do sexo feminino (88%), solteira (68%), mãe da vítima (50%), religião católica (58%), ensino fundamental incompleto (60%) estavam antes do trauma sem ocupação remunerada (36%) ou com ocupação manual não especializada (32%). As vítimas tinha idade média de 30,60 anos e tempo de trauma médio de 4,42 anos. Na maioria, eram do sexo masculino (90%), casadas ou amasiadas (60%), tinham como causa externa os acidentes de transporte (74%) e apresentavam incapacidade grave no período pós-trauma (56%). Na visão do cuidador a vítima ficou mais agressiva, ansiosa, dependente, deprimida, irritada, esquecida, com temperamento mais explosivo após o trauma, além de mais egocêntrica, impulsiva, com maior inadequação social e oscilação de humor. Os seis primeiros comportamentos citados apresentaram maior alteração em relação aos demais, afetando mais negativamente o cuidador. Os papéis sociasdesempenhados pelo cuidador que mais sofreram interrupção em razão do trauma foram: amigo(40%) , amador/passatempo (36%), membro da família (30%) e trabalhador (26%). O papel de cuidador foi o mais alterado devido ao trauma (76%). Por intermédio do Inventário de Depressão de Beck, foi detectado estado depressivo em 30% dos cuidadores. Não houve associação entre mudança de papéis sociais e as variáveis: ) condição da vítima após TCE, importância dos papéis sociais para o cuidador, assim como entre estado depressivo do cuidador e condição da vítima. Relações também não foram observadas entre o tempo do trauma e o estado de depressão e a intensidade que os comportamentos afetavam o cuidador. Todos os resultados apontaram conseqüências negativas e importantes para o cuidador familiar pricipal das vítimas de TCE
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 08.03.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    EE10200013645T2146
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      HORA, Edilene Curvelo; SOUSA, Regina Márcia Cardoso de. Conseqüências do trauma crânio-encefálico para o cuidador familiar. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Hora, E. C., & Sousa, R. M. C. de. (2002). Conseqüências do trauma crânio-encefálico para o cuidador familiar. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Hora EC, Sousa RMC de. Conseqüências do trauma crânio-encefálico para o cuidador familiar. 2002 ;
    • Vancouver

      Hora EC, Sousa RMC de. Conseqüências do trauma crânio-encefálico para o cuidador familiar. 2002 ;