Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Potencial angiogênico do tumor de Ehrlich na forma sólida: estudo experimental (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: DINIZ, ANA MARINA CORRÊA - FMVZ
  • USP Schools: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VPT
  • Subjects: TUMOR DE EHRLICH ANIMAL; ADENOCARCINOMA; CAMUNDONGOS
  • Language: Português
  • Abstract: O tumor de Ehrlich é um adenocarcinoma mamário de camundongo fêmea descrito por Paul Ehrlich em 1906. Este tumor, na sua forma sólida, foi utilizado experimentalmente com o objetivo de estudar alguns aspectos relacionados com a cinética da neovascularização em diferentes tempos após o seu implante no tecido celular subcutâneo do dorso de camundongos, bem como de acompanhar o trajeto dos vasos neoformados, sua possível infiltração na massa tumoral, quantifica-los e avaliar a sua permeabilidade. Para a marcação dos vasos utilizou-se tinta da China através de inoculação intravenosa, sistema de análise de imagens computadorizado para quantifica-los e o método do extravazamento do azul de Evans para avaliação de sua permeabilidade. O estudo do material injetado com tinta da China e diafanizado permitiu-nos inferir que houve um aumento da densidade de vasos na região contendo as células tumorais. Esse fenômeno foi observado de forma crescente às 48 e 72 horas, 7 e l4 dias após a inoculação , mas pôde-se diferenciar o comportamento desses vasos nos diversos tempos. Às 48 e 72 horas os vasos estavam em maior número somente na periferia do tumor, enquanto que nos tempos de 7 e 14 dias, percebeu-se um aumento da vascularização na periferia e estes vasos crescendo em direção à região central da massa tumoral. Quanto à massa tumoral em si, visulalizou-se necrose já às 48 horas, mais extensa às 72 horas e restrita à região central do tumor aos 7 e 14 dias. Ainflamação esteve presente em todos os tempos, acompanhando áreas de necrose, principalmente nos dois últimos tempos. Quanto ao aumento da permeabilidade vascular às 48 e 72 horas, provavelmente deveu-se a resposta inflamatória à inoculação das células tumorais. Contudo o extravasamento do Azul de Evans aos 14 dias, poderia ser explicado pelo incremento da neoformação vascular e às características intrínsecas destes novos vasos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.06.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMVZ11300022202T.1133 FMVZ e.2
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LINO, Ana Maria Corrêa Diniz Barboza; GUERRA, José Luiz. Potencial angiogênico do tumor de Ehrlich na forma sólida: estudo experimental. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Lino, A. M. C. D. B., & Guerra, J. L. (2002). Potencial angiogênico do tumor de Ehrlich na forma sólida: estudo experimental. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Lino AMCDB, Guerra JL. Potencial angiogênico do tumor de Ehrlich na forma sólida: estudo experimental. 2002 ;
    • Vancouver

      Lino AMCDB, Guerra JL. Potencial angiogênico do tumor de Ehrlich na forma sólida: estudo experimental. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: