Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Reprodução social & aleitamento materno (estudo populacional no município de Itupeva, SP) (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MINAGAWA, AUREA TAMAMI - EE
  • USP Schools: EE
  • Sigla do Departamento: ENS
  • Subjects: GRUPOS SOCIAIS; ALEITAMENTO MATERNO
  • Language: Português
  • Abstract: Apesar do movimento em prol do aleitamento materno e dos esforços para deter o desmame precoce, a freqüência e a duração da amamentação no Brasil permanecem inferiores às recomendações da Organização Mundial de Saúde. Os poucos estudos com base populacional sobre a situação do aleitamento materno no Brasil, em sua maioria tem se baseado no referencial teórico da multicausalidade do processo saúde-doença. Enquanto sub-projeto de uma investigação mais ampla, este estudo transversal de base populacional pretendeu verificar como são associados o perfil de reprodução social das famílias - formas de trabalhar e de viver - e a situação de aleitamento materno. Foi realizado numa amostra significativa de 261 crianças menores de 20 anos, residentes na área urbana da cidade de Itupeva (SP). A partir de um modelo teórico hierarquizado, centrado na categoria da reprodução social, foram compostos os perfis utilizando-se uma base teórico-metodológica-operacional que pré-definiu três grupos sociais homogêneos (GSH's). Para avaliar os padrões de aleitamento materno foram utilizados os indicadores recomendados pela OPS/OMS, sendo a freqüência e a duração mediana calculadas a partir da técnica da tábua de vida. Verificou-se a associação entre as variáveis estudadas através da análise bivariada (teste x2; P<0,05). Foram inseridas num modelo de Regressão de Cox, para a análise multivariada, aqueles que se associaram ao tempo de aleitamento materno num nível de significânciade 10% (Teste de Wilcoxon; P<0,10). Os resultados evidenciaram que 44,4% da amostra, constituída por famílias do GSH3, apresentaram as mais precárias formas de reprodução social, se evidenciando como as mais profundamente excluídas da integração social. As famílias que compuseram o GSH1 (19,2%) preencheram os atributos para a inserção qualificada na produção, se mostrando protegidas de precarização do trabalho, com um padrão diferenciado de consumo e de ) representação coletiva e com possibilidade de uso do espaço geo-social, enquanto as 36,4% componentes do GSH2, pareceram lutar pela sua integração na sua vida social, enfrentando a exclusão relativa às suas formas de trabalhar ou de viver. Considerando o aleitamento materno, 97,3% das crianças iniciaram a amamentação e no momento da entrevista 41,0% estavam em aleitamento materno, mas, conforme as curvas de sobrevida, 10,4% já haviam sido desmamadas antes de 1 mês de vida e 38,5% antes dos 6 meses. A duração mediana do aleitamento materno foi de 7,2 meses e do aleitamento materno exclusivo de apenas 28 dias. No total da amostra estudada, observou-se uma associação entre o tempo de aleitamento materno e as variáveis: ordem de nascimento, uso da mamadeira, uso da chupeta, número de filhos, situação conjugal da mãe e escolaridade do pai. Analisando-se os três GSH's separadamente, além do uso de mamadeira e uso de chupeta (comuns aos três GSH's), as variáveis, específicas em cada grupo, associadas ao tempo dealeitamento materno foram: a situação conjugal materna (no GSH1), a renda familiar "per capita" (no GSH2) e a ordem de nascimento, o número de filhos e a escolaridade do pai (no GSH3). Na análise multivariada, o modelo selecionou como significativas apenas as variáveis ordem de nascimento, uso de mamadeira e de chupeta. A reprodução social - explicitada através dos GSH's não foi indicada como uma variável associada à duração do aleitamento materno na análise bivariada, e mesmo sendo inserida no modelo multivariado, não foi selecionada como variável significativa. O fato das variáveis escolaridade do pai, situação conjugal materna, número de filhos e ordem de nascimento se mostraram associadas (P<0,05) tanto à duração do aleitamento materno quanto aos GSH's sugerem a existência de uma relação entre os padrões de aleitamento e os GSH's - perfis de reprodução social - necessitando assim, ser melhor explorada
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.08.2002
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    EE10200006675T2197
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TORIYAMA, Aurea Tamami Minagawa; OLIVEIRA, Ida Maria Vianna de. Reprodução social & aleitamento materno (estudo populacional no município de Itupeva, SP). 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7137/tde-20102010-093209/?&lang=pt-br >.
    • APA

      Toriyama, A. T. M., & Oliveira, I. M. V. de. (2002). Reprodução social & aleitamento materno (estudo populacional no município de Itupeva, SP). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7137/tde-20102010-093209/?&lang=pt-br
    • NLM

      Toriyama ATM, Oliveira IMV de. Reprodução social & aleitamento materno (estudo populacional no município de Itupeva, SP) [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7137/tde-20102010-093209/?&lang=pt-br
    • Vancouver

      Toriyama ATM, Oliveira IMV de. Reprodução social & aleitamento materno (estudo populacional no município de Itupeva, SP) [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7137/tde-20102010-093209/?&lang=pt-br