Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Esteroidogênese em células da granulosa produtoras de 17 B estradiol: efeitos da angiotensina-II, endotelina-1 e peptídeo natriurético atrial (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MONTREZOR, LUIS HENRIQUE - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Subjects: FOLÍCULO OVARIANO; FISIOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Com intuito de esclarecer as interações entre gonadotrofinas, esteróides ovarianos e fatores de crescimento sobre as funções foliculares, tem-se buscado padronizar modelos experimentais que mimetizem a fisiologia ovariana. O presente trabalho utiliza modelo de cultura de células da granulosa bovinas, em meio quimicamente definido, para estudar os efeitos da Angiotensina-II (A-II), Endotelina-1 (ET-1) e Peptídeo Natriurético Atrial (ANP) sobre a esteroidogênese e crescimento folicular. Na primeira etapa dos experimentos, para a padronização da cultura, ovários foram obtidos em matadouros e transportados até o laboratório em solução salina a 37°C. Pequenos folículos (3-5 mm de diâmetro) foram selecionados de acordo com a vascularização e coloração do fluido folicular; abertos e lavados com meio de cultura. O meio foi composto por alfa-MEM, bicarbonato de sódio, Hepes, transferrina, antibióticos, selenito de sódio, aminoácidos não essenciais, androstenediona, insulina, fator de crescimento semelhante à insulina (IGF-1), polivinil álcool (PVA) ou albumina sérica bovina (BSA). Para estudar a esteroidogênese, 500.000 células foram incubadas com 1 ml de meio de cultura e para os estudos da proliferação celular, 200.000 células foram incubadas com timidina triciada em 25081 de meio. As células foram mantidas em estufa a 37,5°C com 5% de C02 durante 144h, com trocas de 70% do meio a cada 48h. O meio coletado foi congelado a -20°C para posteriores análises hormonais. No finaldos 6 dias de cultura as placas foram congeladas a 20°C para análises das concentrações de timidina. Os resultados mostram que as células da granulosa cultivadas com PVA e BSA são viáveis mantendo produção de E2 durante os 6 dias. A produção de P4 também foi mantida constante, sendo maior no meio com BSA. A correlação E2: P4 é crescente até 96 (PVA) e 144 (BSA). O crescimento celular, analisado pela incorporação de timidina foi significativo ) para PVA e BSA no tempo 144h. Os resultados morfológicos indicam que as CG mantidas nesse modelo, condizem com células foliculares funcionalmente ativas in vivo. Numa segunda etapa, observamos os efeitos pró dominância e/ou pró atresia da All, ET-1 e ANP sobre a esteroidogênese e o crescimento das CG mantidas em cultura durante 96 horas na presença de PVA. Aproximadamente 500.000 células viáveis foram incubadas em placas de 24 fossas com 1 ml de meio, na ausência e presença de diferentes concentrações (10 (-12), 10(-10), 10 (-9), 10 (-8) e 10 (-7) M) de All, ET-1 e ANP. Os meios coletados foram estocados a -20°C para posteriores análises das produções médias de pregnenolona, progeslerona e estradiol, assim como do consumo de androstenediona. Os resultados mostram que os peptídeos estudados participam ativamente nos processos esteroidogênicos, assim como durante a proliferação celular, dependentes da dose e do tempo da cultura. Portanto, esses fatores de crescimento podem atuar em momentos cruciais na vida folicular (durante odesvio), onde um folículo surge como dominante na onda com capacidade ovulatória
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.07.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200060049Montrezor, Luis Henrique
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MONTREZOR, Luis Henrique; ROSA E SILVA, Alzira Amélia Martins. Esteroidogênese em células da granulosa produtoras de 17 B estradiol: efeitos da angiotensina-II, endotelina-1 e peptídeo natriurético atrial. 2002.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002.
    • APA

      Montrezor, L. H., & Rosa e Silva, A. A. M. (2002). Esteroidogênese em células da granulosa produtoras de 17 B estradiol: efeitos da angiotensina-II, endotelina-1 e peptídeo natriurético atrial. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Montrezor LH, Rosa e Silva AAM. Esteroidogênese em células da granulosa produtoras de 17 B estradiol: efeitos da angiotensina-II, endotelina-1 e peptídeo natriurético atrial. 2002 ;
    • Vancouver

      Montrezor LH, Rosa e Silva AAM. Esteroidogênese em células da granulosa produtoras de 17 B estradiol: efeitos da angiotensina-II, endotelina-1 e peptídeo natriurético atrial. 2002 ;