Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Imagem tridimensional da deformação da musculatura extraocular na orbitopatia de Graves: implicações do efeito de volume parcial (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SOUZA, ANDRÉ DOMINGOS ARAÚJO - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 591
  • Subjects: OFTALMOLOGIA; MORFOLOGIA (ANATOMIA) (MEDIÇÃO)
  • Language: Português
  • Abstract: Os músculos extraoculares (EOM), responsáveis pelo movimento ocular, apresentam-se aumentados em suas dimensões na orbitopatia de Grave, o que pode levar o paciente à cegueira (neuropatia óptica). Na prática clínica normalmente mede-se manualmente, em cada imagem coronal de tomografia computadorizada por raios-X (CT), o diâmetro desses músculos para avaliar se estes estão aumentados. A subjetividade e o tempo consumido na aquisição destas medidas são as principais deficiências desses métodos manuais. Dessa forma, apresentamos um método de sedimentação dos EOM (MSEG) que supera as falhas, acima citadas. O MSEG proposto é baseado no detector de bordas Lapladano da Gaussiana (LoG) associado à morfologia matemática. Para determinação do tamanho da máscara LoG levou-se em consideração os efeitos devido ao truncamento e a amostragem. A acurácia das medidas em modelos tridimensionais (3D) é afetada pelo efeito de volume partial (PVE). Em CT, por exemplo, falsas estruturas de tecidos moles aparecem nas interfaces do osso-para-gordura e do osso-para-ar. Além disso, a pele, que tem número CT (ou escala de Hounsfield idêntico ao tecido mole) obscurece a renderização deste. A fim de produzir imagens 3D do osso e dos tecidos moles, mais confiáveis para medidas e tom e melhora de qualidade, foram desenvolvidos dois métodos de classificação dos voxels tom PVE (MCLA) baseados num novo modelo de mistura. A remoção da pele é realizada por meio da morfologiamatemática. Renderizações volumétricas foram criadas, antes e depois de aplicar os MCLA. Experimentos qualitativo e quantitativo foram conduzidos utilizando fantons matemáticos que simularam diferentes níveis de PVE por adição de ruído e borramento e em dados clínicos de CT. O resultado em 218 pares de medidas de áreas dos EOM realizadas em imagens coronais de CT (3 normais e 2 Graves) revelou uma boa correlação (R=0,92) entre o MSEG e o traçado manual. A medida de taxa ) de ocupação dos EOM na órbita (TO) feita em 33 pacientes (S normais e 28 Graves) apresentou o maior valor no grupo Graves tom neuropatia óptica, TO=34,3%. Este valor é quase cinco vezes maior que o grupo normal, TO=7,3%. Todos os resultados demonstraram uma melhora de qualidade das imagens 3D depois da aplicação dos MCLA. A análise quantitativa indica que mais de 98% dos voxels com PVE foram removidos por ambos MCLA, e o segundo MCLA têm um desempenho um pouco melhor que o primeiro. Além disso, a remoção da pele torna vívidos os finos detalhes nas estruturas musculares. Medidas em modelos 3D devem ser tomadas com cuidado na radiologia em vista dos artefatos demonstrados neste trabalho, artefatos vindos, principalmente, do PVE. Em nossos experimentos, os erros nas medidas de volume dos EOM foram acima de 25% do valor estimado como "verdadeiro". Imagens volumétricas com PVE resolvidos são apresentadas, e assim medidas mais acuradas são asseguradas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.03.2002
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800021975SOUZA, ANDR DOMINGOS ARAJO
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SOUZA, André Domingos Araújo; RUIZ, Evandro Eduardo Seron. Imagem tridimensional da deformação da musculatura extraocular na orbitopatia de Graves: implicações do efeito de volume parcial. 2002.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59135/tde-23042002-153215/ >.
    • APA

      Souza, A. D. A., & Ruiz, E. E. S. (2002). Imagem tridimensional da deformação da musculatura extraocular na orbitopatia de Graves: implicações do efeito de volume parcial. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59135/tde-23042002-153215/
    • NLM

      Souza ADA, Ruiz EES. Imagem tridimensional da deformação da musculatura extraocular na orbitopatia de Graves: implicações do efeito de volume parcial [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59135/tde-23042002-153215/
    • Vancouver

      Souza ADA, Ruiz EES. Imagem tridimensional da deformação da musculatura extraocular na orbitopatia de Graves: implicações do efeito de volume parcial [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59135/tde-23042002-153215/