Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Cultura e escolas-de-fazendas na Ilha de Marajó: um estudo com base em Raymond Williams (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ARAUJO, SÔNIA MARIA DA SILVA - FE
  • USP Schools: FE
  • Subjects: ESCOLA RURAL; CULTURA
  • Language: Português
  • Abstract: Esta tese resulta de uma pesquisa empírica, realizada no interior de Soure, ilha de Marajó, no extremo norte do Pará, Brasil. Ela descreve a constituição de escolas-de-fazenda na foz do Rio Amazonas. Para tanto, fundamenta-se, teoricamente, nos escritos de Raymond Williams. Metodologicamente, utilizou-se, para a coleta dos dados, a técnica da entrevista e da observação, e pautou-se em categorias retiradas do referencial teórico. Em Marajó vive uma gente que desenvolve atividade de vaqueiro em fazendas exclusivamente dedicadas à criação extensiva, instituídas a partir da colonização, no século XVI. Esse acontecimento, de fato, transformou os índios Aruã, não mais existentes, e que viviam naquele espaço, em vaqueiros e conformou a cultura marajoara que hoje lá se desenvolve. Resultante originalmente do sistema de sesmarias, as fazendas de Marajó foram, ao longo desses cinco séculos, desenvolvendo um latifúndio perpetuado pelo privilégio de herança: são terras de família. Nessas terras, onde não há espaço público, instituiu-se, nos anos 30 de 1900, a prática da escolarização que, em meio ao sistema de relações sociais estabelecidas pela instituição fazenda, articulou as gentes do lugar a outros sistemas constituídos pela sociedade brasileira como os centros urbanos, as agências formadoras de professores e instituições públicas de gerenciamento da educação. A escola no interior da fazenda, na verdade, amalgamou outros tipos de interações e estabeleceu novasperspectivas de modos de vida fundadas, principalmente, na esperança daquela gente de ver seus filhos realizando trabalho não de braço. Todavia, a própria escola que ali se instituiu dentro do latifúndio, sob o total dominio econômico de uma elite fazendeira, não consegue dar conta de transformar a esperança em realidade, pois se consolidou apartada de outros bens culturais capazes de lhe oferecer qualidade, e, aprisionada em um sistema social de relações, ) vê-se desprovida da liberdade pública de participação
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.09.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FE20500025730T 371.291(81.13) W726a
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ARAUJO, Sonia Maria da Silva; FISCHMANN, Roseli. Cultura e escolas-de-fazendas na Ilha de Marajó: um estudo com base em Raymond Williams. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Araujo, S. M. da S., & Fischmann, R. (2002). Cultura e escolas-de-fazendas na Ilha de Marajó: um estudo com base em Raymond Williams. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Araujo SM da S, Fischmann R. Cultura e escolas-de-fazendas na Ilha de Marajó: um estudo com base em Raymond Williams. 2002 ;
    • Vancouver

      Araujo SM da S, Fischmann R. Cultura e escolas-de-fazendas na Ilha de Marajó: um estudo com base em Raymond Williams. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: