Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Matéria orgânica e atributos do solo em sistemas de colheita com e sem queima da cana-de-açúcar (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LUCA, EDGAR FERNANDO DE - CENA
  • USP Schools: CENA
  • Subjects: FERTILIDADE DO SOLO
  • Language: Português
  • Abstract: Com o objetivo de avaliar os efeitos do recém adotado manejo da cana-de-açúcar sem a queima dos canaviais (Sq), em relação ao manejo tradicional com a queima (Cq), estudou-se as seguintes situações: 1) Uma cronosseqüência composta por Cq há mais de quatro décadas; Sq há três anos e Sq há cinco anos, em Latossolo Vermelho e 2) Canaviais com quatro anos de idade em condições experimentais em Latossolo Vermelho (LV), Argissolo Crômico (AC) e Neossolo Quartzarênico (NQ) nos municípios de Pradópolis, Matão e Serrana, respectivamente. Todas as situações se localizavam na região nordeste do Estado São Paulo, próximas de Ribeirão Preto. Avaliou-se o nível de matéria orgânica do solo (MOS) e atributos do solo como, estabilidade estrutural, densidade, fertilidade química e biomassa microbiana. Por meio de fracionamento granulométrico, quantificou-se a alocação da MOS nos compartimentos areia (< 50 um), silte (2-50 um) e argila (0-2 um). A taxa de entrada de material vegetal em três colheitas da cana-de-açúcar sem queima, medidas em LV e NQ sob condições experimentais, foi 13,3 Mg ha-1 ano-1 em matéria seca nos dois solos. O manejo Sq, em relação a Cq, resultou em elevação significativa no teor de C (0-5 cm) na cronossequência e nos LV e NQ. Esse efeito ocorreu também quanto à concentração de N do NQ, mas não mediu-se aumentos significativos nas concentrações do AC. A supressão da queima resultou numa alteração significativa no estoque de C (0-5 cm) de +3,1 Mg C ha-1 no LV e + 2,8 Mg C ha-1 no NQ. A taxa de sequestro de carbono foi 1,03 e 0,93 Mg C ha-1 ano-1 no LV e no NQ, respectivamente. A alteração no estoque de N no NQ foi + 0,18 Mg N ha-1. Os solos se caracterizaram por elevada estabilidade estrutural, contando com as seguintes concentrações de macroagregados estáveis em água (MA'): ) cronosseqüência (720-850 g kg-1); LV (693-814 g kg-1) e AC (668-717 g kg-1), com exceção do NQ (420-516 g kg-1), que teve menor estabilidade. Seguindo o mesmo comportamento dos níveis da MOS, a estabilidade estrutural (0-5 cm) foi signicativamente maior em Sq, em relação a Cq, na cronosseqüência e nos LV e NQ. Ocorreu adensamento significativo na camada superficial (0-10 cm) dos solos ricos em areia (AC e NQ) sob Sq, provavelmente devido ao uso de máquinas para a realização da colheita da cana sem queima. Não ocorreu expressivo diferenciamento da fertilidade química entre tratamentos. Mas, houve aumento da CTC nas camadas superficiais de AC e NQ em Sq, sem alteração LV. Também não houve efeito de tratamentos quanto ao carbono da biomassa microbiana (CBM), que foi de 186 a 281 mg kg-1 na cronosseqüência, 148 a 172 mg kg-1 no LV, 85 a 145 mg kg-1 no AC e 94 a 109 mg kg-1 no NQ. As variações dos teores de nitrogênio da biomassa microbiana (NBM) entre os solos foram menores do que as ocorridas com CBM. A amplitude foi de 27 a 48 mg kg-1 na cronosseqüência, e entre 21 a 33 mg g-1 nos três solos sob condições experimentais, comexceção a camada 0-5 cm do LV em Sq (48 mg g-1), que diferiu significativamente de Cq. Por meio do fracionamento granulométrico, descobriu-se que a maioria do C seqüestrado foi alocada principalmente na fração grosseira, mais lábil, areia (> 50 um) em LV e NQ, embora devido a incompleta dispersão da argila durante o fracionamento, houve sobreestimação do C seqüestrado nessa fração, com conseqüente subestimativa do seqüestro nas frações mais finas e estáveis silte (2-50 um) e argila (0-2 um). Concluiu-se que o curto período de quatro a cinco anos de supressão da queima da biomassa foliar da cana-de-açúcar resultou melhorias de importantes atributos que conferem qualidade ao solo, como conteúdo orgânico, estruturação e fertilidade química. ) A manutenção dessas melhorias, principalmente o C no compartimento mais lábil e a estruturação, dependerá do manejo do solo adotado futuramente. Manejos tradicionais com intensas movimentações do solo como subsolagem, gradagem e sulcação são práticas que favorecem a desestruturação pela quebra dos agregados, além de ocasionar maior aeração e exposição do solo, o que favorece a mineralização da MOS pelos microrganismos decompositores. Por outro lado, a manutenção de uma camada orgânica em superfície no manejo sem queima e a reduzida movimentação via implementos, com menor aplicação de energia e menor exposição do solo poderá manter a estrutura e favorecer a transformação do C seqüestrado nas frações grosseiras e lábeis (>50 um) emmatéria orgânica mais humificada, associada às frações mais finas e estáveis (<50 um)
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 06.08.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    CENA12800000281(043) L931m 9954
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LUCA, Edgar Fernando de; CERRI, Carlos Clemente. Matéria orgânica e atributos do solo em sistemas de colheita com e sem queima da cana-de-açúcar. 2002.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.
    • APA

      Luca, E. F. de, & Cerri, C. C. (2002). Matéria orgânica e atributos do solo em sistemas de colheita com e sem queima da cana-de-açúcar. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
    • NLM

      Luca EF de, Cerri CC. Matéria orgânica e atributos do solo em sistemas de colheita com e sem queima da cana-de-açúcar. 2002 ;
    • Vancouver

      Luca EF de, Cerri CC. Matéria orgânica e atributos do solo em sistemas de colheita com e sem queima da cana-de-açúcar. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: