Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Metabolismo de carboidratos durante o desenvolvimento larval de Pseudis paradoxus (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: OSHIRO, FABÍOLA MAIUMI - IB
  • USP Schools: IB
  • Sigla do Departamento: BIF
  • Subjects: ANFÍBIOS; LOCOMOÇÃO ANIMAL
  • Language: Português
  • Abstract: As relações alométricas positivas verificadas em parâmetros anaeróbios de músculos locomotores de diversos grupos animais, diferem profundamente da diminuição na intensidade dos fenômenos associados aos processos aeróbios por unidade de massa corpórea. A capaciadade e o escopo anaeróbios nos músculos locomotores indicam, respectivamente, o potencial para a geração de força independentemente do tempo e a taxa de formação de lactado. O aumento desses parâmetros seguindo um padrão alométrico positivo relaciona-se com a geração de maior potência muscular nos animais maiores para atingir as mesmas velocidades relativas dos menores. O destino do lactato resultante da atividade muscular de alta intensidade e curta duração pode ser a reconversão in situ à glicose, freqüente em ectotermos, ou a gliconeogênese hepática e retomada de glicose pelo tecido muscular e deposição na forma de glicogênio (ciclo de Cori), comum nos mamíferos. Outros substratos gliconeogênicos hepáticos importantes são os aminoácidos. A preferência por um ou outro tipo de substrato pode ser indicada pela atividade da enzima PEPCK na fração mitocondrial ou citossólica. Anfíbios anuros apresentam uma série de alterações durante o desenvolvimento larval, como na forma de locomoção, no hábito alimentar e no habitat. A mudança no hábito alimentar implica em uma acentuada reestruturação do trato gastrintestinal e impede o animal de se alimentar durante um período. Quanto à locomoção, nessa mesmafase, o desenvolvimento das patas coincide com a reabsorção da cauda. Em Pseudis paradoxus, essas alterações são ainda mais dráticas devido ao enorme aumento de massa do animal seguido de uma acentuada regressão de massa corpórea. O presente estudo avalia os efeitos da massa corpórea e do desenvolvimento sobre o escopo medindo a atividade das enzimas PFK e HK (glicolíticas) e GPase (glicogenolítica) e sobre a capacidade anaeróbia, quantificando o teor de ) glicogênio muscular e seu potencial de deposição indicado pela atividade da GSase. O potencial para a oxidação hepática dos aminoácidos provenientes da absorção dos tecidos ou pode ser vista como uma posível antecipação da dieta carnívora dos adultos, ou é avaliado através da quantificação da AlaAT, AspAT e GIDH. A preferência por esses substratos ou o lactato como precursores gliconeogênicos, antes e durante o jejum metamórfico, ainda é indicada pela atividade da PEPCK nas frações mitocondrial e citossólica no tecido hepático. O potencial gliconeogênico desse tecido e posterior deposição da glicose formada, ao longo do desenvolvimento, foram indicados pela atividade das enzimas FBPase e GSase, respectivamente. Finalmente, a avaliação da capacidade de egradação de glicose pelo tecido hepático foi realizada através da atividade da GPase. Os resultados obtidos indicam um aumento do teor de glicogênio muscular relacionado positivamente com a massa corpórea e, mesmo durante a fase de reabsorção dos músculos dacauda, essa reserva continua aumentando. O escopo anaeróbio também apresenta um aumento alomético consideando-se a atividade das enzimas do músculo todo. A atividade das enzimas hepáticas relacionadas ao metabolismo de aminoácidos aumenta gradativmente ao longo do desenvolvimento, atingindo um pico durante o jejum metamórfico. Em paralelo, há um aumento do potencial gliconeogênico e da capacidade de deposição de glicogênio, apesar da concentração desse carboidrato não apresentar diferença significativa no fígado durante o desenvolvimento. A degradação de carboidratos, glicose e glicogênio, não se altera durante a ontogenia; a atividade da fração mitocondrial da PEPCK aumenta no período de jejum. No geral, esses dados indicam que, no período de crescimento da larva, o aumento de potência nos músuclos da cauda para vencer a força de arrasto ocorre pelo aumento do escopo e também da capacidade ) anaeróbia. Na fase de regressão de massa corpórea, esses parâmetros continuam aumentando, indicando que nessa fase não sofrem efeito da massa, mas do desenvolvimento. Os resultados das análises do fígado indicam que os carboidratos não possuem uma importância relevante como substrato oxidativo ao longo do desenvolvimento, nem variam com o tamanho do animal. Os aminoácidos provenientes da alimentação possuem um papel anabólico na fase de crescimento, na fase de jejum metamórfico, quando têm origem nos tecidos reabsorvidos, são utilizados na ressíntesede novas proteínas ou oxidados. Parte deles pode ser utilizada como substrato gliconeogênico, ao longo do desenvolvimento, porém no jejum metamórfico, essa via tende a utilizar preferencialmente o lactato muscular como substrato que não é ressintetisado in situ, não tendo, portanto, uma relação com a alteração de hábito alimentar
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.07.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IB12000020681M-1062
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      OSHIRO, Fabíola Maiumi; BICUDO, José Eduardo Pereira Wilken. Metabolismo de carboidratos durante o desenvolvimento larval de Pseudis paradoxus. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Oshiro, F. M., & Bicudo, J. E. P. W. (2002). Metabolismo de carboidratos durante o desenvolvimento larval de Pseudis paradoxus. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Oshiro FM, Bicudo JEPW. Metabolismo de carboidratos durante o desenvolvimento larval de Pseudis paradoxus. 2002 ;
    • Vancouver

      Oshiro FM, Bicudo JEPW. Metabolismo de carboidratos durante o desenvolvimento larval de Pseudis paradoxus. 2002 ;