Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Influência de audições musicais com variação de composição sobre estimação subjetiva de tempo (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LELIS, CLÁUDIA MARIA CARRARA - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 594
  • Subjects: MÚSICA; TEMPO (MÚSICA); PSICOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: A experiência da apreciação musical é complexa e dinâmica e seu estudo pode permitir uma identificação mais adequada dos processos psicológicos básicos. O fenômeno tempo subjetivo tem sido analisado em termos de sua estimação, a qual segundo Fraisse (1984) estaria baseada na quantidade de mudanças percebidas pelo sujeito. Quanto maior a quantidade de mudanças, mais a duração parece longa. Nesta pesquisa, o objetivo foi verificar a influência de audições musicais com variação de composição sobre estimação subjetiva de tempo. No Experimento 1, foram utilizados 3 estímulos musicais de mesma duração. O estímulo Tônica foi considerado o estímulo padrão. Os outros 2 estímulos, denominados Próximo e Distante, foram compostos com variação melódica e rítmica ao longo dos compassos. Foram empregados, como sujeitos, 12 estudantes universitários, originários de uma população relativamente homogênea em termos de idade, sexo, nível de instrução. Os métodos utilizados para avaliação da duração do tempo subjetivo foram os de reprodução e comparação. Cada sujeito foi submetido, inicialmente, ao estímulo Ruído branco para habitua-lo à situação experimental e treina-lo na utilização do cronômetro. Em seguida, cada sujeito foi submetido, aleatoriamente, a três estímulos musicais. Após ouvir cada estímulo, o sujeito reproduziu a duração com a ajuda de um cronômetro. Embora a maioria dos sujeitos tenha relatado que houve diferença entre as estimativas de duração dos trechosmusicais, esta diferença não foi estatisticamente confirmada com os dados de estimativa de tempo por reprodução. No Experimento 2, cada estímulo musical foi apresentado com uma variação melódica apenas no último compasso, para causar um efeito surpresa. Os estímulos foram denominados Padrão, Coerente e Não-coerente. Foram empregados, como sujeitos, 24 estudantes divididos em músicos e não-músicos. Os métodos utilizados foram os mesmos do Experimento I. Cada ) sujeito foi submetido aos estímulos musicais que foram iniciados por um Ruído branco para habitua-lo à situação experimental a para treina-lo no cronômetro. Cada sujeito foi submetido, aleatoriamente, a uma das faixas. Após ouvir os estímulos musicais e reproduzi-los no cronômetro, cada sujeito respondeu um formulário com Escala de Referencial Semântico, onde classificou a música em: Familiar, Agradável, Previsível e Fácil de Cantar. Cada sujeito repetiu este procedimento mais 3 vezes. Os testes estatísticos não indicaram diferenças significativas entre grupos e para os diferentes estímulos. No Experimento 3, foram utilizados os mesmos estímulos-musicais do Experimento 1. Foram empregados, como sujeitos, 28 estudantes de uma população relativamente homogênea em termos de idade, sexo, nível de instrução. Os métodos utilizados foram os mesmos do Experimento I. Foi utilizado um programa de computador Wavesurfer para realização do Experimento 3. Cada sujeito foi submetido, inicialmente, ao estímulo Ruídobranco para habitua-lo à situação experimental. Após ouvir cada estímulo, o sujeito reproduziu a duração com a ajuda de um teclado colorido ligado ao computador. Embora a maioria dos sujeitos tenha relatado que houve diferença entre as estimativas de duração dos trechos musicais, esta diferença não foi estatisticamente confirmada com os dados de estimativa de tempo por reprodução. Os testes estatísticos não indicaram diferenças significativas entre grupos e para os diferentes estímulos. Os resultados homogêneos encontrados nos 3 experimentos podem ser explicados pelo fato de que as informações temporais (ritmo, andamento) foram mais determinantes que as informações não-temporais (melodia, variações melódicas), o que possibilitou aos sujeitos um alto grau de previsibilidade quanto à duração e ao término do estímulo musical
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.06.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800020944Lelis, Claudia Maria Carrara
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LELIS, Claúdia Maria Carrara; BUENO, José Lino Oliveira. Influência de audições musicais com variação de composição sobre estimação subjetiva de tempo. 2002.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002.
    • APA

      Lelis, C. M. C., & Bueno, J. L. O. (2002). Influência de audições musicais com variação de composição sobre estimação subjetiva de tempo. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Lelis CMC, Bueno JLO. Influência de audições musicais com variação de composição sobre estimação subjetiva de tempo. 2002 ;
    • Vancouver

      Lelis CMC, Bueno JLO. Influência de audições musicais com variação de composição sobre estimação subjetiva de tempo. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: