Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Biossegurança de sucos de frutas processados, frente a Escherichia coli 0157; H7, coliforme e bactérias lácticas (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CARMO, LEANDRO FRANCISCO DO - ESALQ
  • USP Schools: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LAN
  • Subjects: BACTÉRIAS LÁTICAS; BIOSSEGURANÇA; CONTAMINAÇÃO DE ALIMENTOS; ESCHERICHIA COLI; PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS; SUCOS DE FRUTAS
  • Language: Português
  • Abstract: Os sucos de frutas apresentam extrema importância no contexto sócio econômico do Brasil. O mercado total de bebidas não alcoólicas no Brasil, (Datamark, abril de 2001), é de aproximadamente 22,2 bilhões de litros/ano. A presente pesquisa teve como objetivo a realização de um levantamento da contaminação microbiológica envolvendo E.coli o157:H7, coliformes totais e fecais e bactérias lácticas, nas linhas de processamento e nos produtos recém fabricados e após 90 dias de vida útil, de suco integral e pasteurizado de laranja, néctar de maçã e bebida de uva. Além disso, foi realizada uma adequação da metodologia de Separação Imuno Magnética para E. coli 0157; H7 em sucos de frutas, bem como a determinação de suas taxas de especificidade e sensitividade. Para determinar estas taxas, foram inoculadas 0, 1, 2, 3, 5, 6, e 8 células/mL de Escherichia coli 0157:H7 Fiocruz em suco de laranja não pasteurizado. Para o teste de especificidade, foram utilizadas as amostras com 0 cel/mL. O teste foi realizado variando o nível de novobiocina no meio de pre-enriquecimento utilizando 5, 10 e 15 mg/L para cada nivel de inóculo supra citado, em cada concentração. Para a análise dos resultados, utilizou-se também o mecanismo de regressão logística binária. Para o levantamento microbiológico, foram realizadas coletas em 6 lotes para cada produto, de uma empresa processadora de suco de laranja integral pasteurizado (interior de Estado de São Paulo), e em outra empresa processadora denéctar de maçã e de bebida de uva (interior do Estado do Rio Grande do Sul), cada qual com seus pontos especificos de coletas, determinados por questionário (Gressoni Jr. & Massaguer 2002) previamente aplicado nas empresas. Form obtidas taxas de sensitividade igual a 1, nos ensaios com concentrações de novobiocina utilizando 5 e 10 mg/L, a partir de 6 células inoculadas/mL. E, para a concentração de 15 mg de novobiocina/L, em nenhum caso foi obtida ) taxa inferior a 1,0.Sendo assim, foi selecionada a concentração de 10 mg/L de novobiocina no meio de pre-enriquecimento para melhor detecção deste microrganismo. Ambas as indústrias, apresentaram um processamento capaz de reduzir os microrganismos pesquisados em níveis aceitáveis, em produto final, não sendo evidenciados coliforme fecais, nem tampouco E. coli 0157:H7, nas 706 amostras analisadas. Os principais organismos deteriorantes apontados por esta pesquisa foram: bactérias lácticas na matéria prima, apresentando um nível médio de 1,4E+04 para suco de laranja, 3,4E+05 para néctar de maçã e 2,0E+6 UFC/mL para bebida de uva, sendo que as empresas conseguiram reduções decimais na ordem de 5, 6 e 7 ciclos logaritmicos, respectivamente; em produto final envasado, assegurando sua estabilidade microbiológica. Para coliformes totais, com 6,8E+01 para suco de laranja, 5,8E+03 para néctar de maçã e 8,3E+02 para bebida de uva, obteve-se um decrescimo de 2, 4 e 3 ciclos logaritmicos consecutivamente; nãoapresentadno estes microrganismos em nenhum dos produtos finais analisados. Esta pesquisa conclui que os sucos brasileiros processados e envasados em laminados flexíveis cartonados foram seguros microbiológicamente para o consumo, em relação aos microrganismos analisados
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.12.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    ESABC10500032345t663.63 C287b e.2 80760
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CARMO, Leandro Francisco do; MASSAGUER, Pilar Rodriguez. Biossegurança de sucos de frutas processados, frente a Escherichia coli 0157; H7, coliforme e bactérias lácticas. 2002.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.
    • APA

      Carmo, L. F. do, & Massaguer, P. R. (2002). Biossegurança de sucos de frutas processados, frente a Escherichia coli 0157; H7, coliforme e bactérias lácticas. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
    • NLM

      Carmo LF do, Massaguer PR. Biossegurança de sucos de frutas processados, frente a Escherichia coli 0157; H7, coliforme e bactérias lácticas. 2002 ;
    • Vancouver

      Carmo LF do, Massaguer PR. Biossegurança de sucos de frutas processados, frente a Escherichia coli 0157; H7, coliforme e bactérias lácticas. 2002 ;