Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Plasticidade da cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill) em diferentes arranjos espaciais (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: HEIFFIG, LILIA SICHMANN - ESALQ
  • USP Schools: ESALQ
  • Subjects: ESPAÇAMENTO; POPULAÇÕES VEGETAIS; PRODUÇÃO AGRÍCOLA; SOJA
  • Language: Português
  • Abstract: O presente experimento teve por objetivos, avaliar a maneira como a planta de soja se adapta a diferentes arranjos espaciais (plasticidade) e identificar o arranjo espacial que melhor represente ou possibilite associar o manejo do cultivar MG/BR 46 (Conquista) com alta produtividade agrícola. O experimento foi conduzido em área experimental da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ/USP), no município de Piracicaba - SP, durante o ano agrícola de 2001/2002. Os tratamentos constaram de diferentes arranjos espaciais, variando-se e combinando-se 6 níveis do fator espaçamento entre linhas (0,20; 0,30; 0,40; 0,50; 0,60 e 0,70 m) e 5 níveis do fator densidade de plantas na linha visando as populações de 70.000; 140.000; 210.000; 280.000 e 350.000 plantas/ha, totalizando 30 tratamentos, delineados em blocos ao acaso com parcelas subdivididas e com três repetições. As características avaliadas foram: tempo de fechamento de entrelinhas; índice de área foliar; altura final de planta; altura de inserção da primeira vagem; número de ramificações; número de vagens por planta; número de grãos por planta; grau de acamamento; massa de 1000 sementes e produtividade agrícola. As principais conclusões são: a) o cultivar MG/BR 46 (Conquista), cultivado em linhas espaçadas entre si de 0,20 a 0,60 m, apresenta índice de área foliar máximo no estádio fenológico correspondente ao início da granação das vagens (R5); b) o número de vagens é o mais importante componente daprodução por planta, por ser diretamente influenciado pelo arranjo populacional das plantas na área de produção; c) o cultivar MG/BR 46 (Conquista) apresenta ampla plasticidade, ajustando os seus componentes de produção aos diferentes arranjos espaciais, sem que ocorram significativas diferenças de produtividade; d) para cada combinação entre o espaçamento entre linhas e a densidade de plantas na linha existe uma população de plantas mais bem ajustada ) que possibilita maior produtividade de grãos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.01.2003
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    ESABC10500032365t633.34 H465p ex.2 80829
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      HEIFFIG, Lilia Sichmann; CÂMARA, Gil Miguel de Sousa. Plasticidade da cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill) em diferentes arranjos espaciais. 2003.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2003. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-20022003-151548/ >.
    • APA

      Heiffig, L. S., & Câmara, G. M. de S. (2003). Plasticidade da cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill) em diferentes arranjos espaciais. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-20022003-151548/
    • NLM

      Heiffig LS, Câmara GM de S. Plasticidade da cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill) em diferentes arranjos espaciais [Internet]. 2003 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-20022003-151548/
    • Vancouver

      Heiffig LS, Câmara GM de S. Plasticidade da cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill) em diferentes arranjos espaciais [Internet]. 2003 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-20022003-151548/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: