Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A petrografia, a estrutura e o quimismo de nefelina sienitos do maciço alcalino de Poços de Caldas, MG-SP (1984)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ULBRICH, HORSTPETER HERBERTO GUSTAVO JOSE - IGC
  • USP Schools: IGC
  • Subjects: PETROGRAFIA
  • Language: Português
  • Abstract: O maciço alcalino de Poços de Caldas, MG-SP, apresenta-se como ocorrência de forma subcircular e tamanho superior a 800 km2. É constituído principalmente por fonolitos e nefelina sienitos, e subordinadamente por rochas piroclásticas. Da antiga cobertura sedimentar, restam ainda afloramentos geralmente esparsos de arenitos e siltitos interestratificados, atribuídos ao Grupo Tubarão (Neo-Paleozóico). Constituídos predominantemente por feldspato potássico, nefelina e piroxênio, os nefelina sienitos do distrito (143 km2) são rochas monótonas do ponto de vista mineralógico, e devem sua diversidade a variações na textura e nos teores de minerais acessórios. Esta característica permite o mapeamento faciológico detalhado das rochas faneríticas, diferenciando-se no distrito mais de 54 fácies de nefelina sienitos diferentes, distribuídos em mais de 43 corpos ígneos distintos. A manifestação mais importante é o cojunto faciológico dos chamados "nefelina sienitos da Pedreira", aflorando como faixa central contínua por mais de 80 km2. Uma primeira classificação permite dividir os nefelina sienitos em agpaíticos e não agpaíticos (miasquíticos e intermediários). Os tipos miasquíticos e intermediários são os predominantes, e caracterizam-se pela ausência de "silicatos de metais raros" (principalmente eudialita), que estão presentes, como minerais indicadores, nos fácies agpaíticos. Com raras exceções, as rochas agpaíticas aparecem como corpos separados, distintos doscorpos que mostram os fácies miasquíticos ou intermediários. Em geral, os tipos agpaíticos são posteriores aos não agpaíticos. A maioria dos corpos é descrita petrograficamente, com certo detalhe. Quando possível, identifica-se também a forma do corpo. Chama a atenção que muitos corpos de nefelina sienitos colocaram como massas magmáticas com contatos subhorizontais ou de mergulho moderado; entre estes, destacam-se principalmente os dóis corpos ) lujauríticos-chibiníticos do Anel Norte e o do Morro do Taquari, claramente zonados e com grosseira estrutura interna "lopolítica". Observações geológicas gerais, bem como dados petrográficos, são utilizados como base para estabelecer colunas estratigráficas tentativas tanto para as rochas do distrito como para os nefelina sienitos. As várias possibilidades petrogenéticas são discutidas em detalhe, apresentando-se como complemento 52 análises químicas dos principais tipos faciológicos (elementos maiores e menores convencionais, além de teores de C1, F, S, Ba, Zr, Sr, Rb, Nb, Pb e Y); estes nefelina sienitos são, em geral, tão ricos em 'K IND.2 O' que o maciço converte-se em verdadeira "província perpotássica". Rejeita-se, como impossíveis ou menos prováveis, as hipóteses de geração de magmas de nefelina sienitos por fusão de rochas crustais, por "diferenciação líquida", e por reomorfismo de fenitos. A hipótese da derivação de magmas de nefelina sienitos por cristalização fracionada é a única aceitável, à luz das característicasquímicas dos nefelina sienitos do distrito. Admite-se como possível a existência de magmas parentais ultrabásicos enriquecidos em álcalis, dos quais derivariam magmas de nefelina sienitos por fracionamento wehrlítico (i.e., separação de Mg-olivina e Ca-piroxênio). Com efeito, este fracionamento possibilita a extração eficiente de CaO e MgO do magma parental, enriquecendo paralelamente o líquido residual em 'Al IND.2 O IND.3', 'SiO IND.2' e álcalis. O teor elevado em álcalis dos magmas de nefelina sienitos dever-se-ia à acentuação de características já presentes no magma parental, suposto produto de fusão parcial (ou total?) de rochas mantélicas previamente enriquecidas em álcalis, por eventos metassomáticos de enriquecimento. Considera-se que os magmas agpaíticos derivam dos miasquíticos, por simples extração de minerais formadores de rochas: a separação de feldspato ) potássico, ou de feldspato potássico e nefelina, possibilita a derivação de um "trend" magmático sódico, enquanto que o fracionamento de nefelina e/ou soda augita determina a aparição de uma tendência potássica. Algumas considerações adicionais, utilizando-se de dados químicos e isotópicos-geocronológicos, permitem localizar na astenosfera a fonte mais provável dos magmas parentais dos nefelina sienitos de Poços de Caldas. Com fundamentos derivados em parte de datações Rb/Sr (isócronas verdadeiras) considera-se exagerado o intervalo de atividade magmática sugerido pelas datações K/Ar(mais de 30 ma). Estas características, junto com modelos estruturais simples propostos para a crosta subjacente à Bacia do Paraná, sugerem que irregularidades na interface litosfera-astenosfera são, em parte, as responsáveis pela criação de condições favoráveis (alívios de pressão) para a fusão localizada de astenosfera (a litosfera?), sob condições termais anômalas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 00.00.1984
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IGC30900009747T U36 HHGJ.p v.1
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ULBRICH, H. A petrografia, a estrutura e o quimismo de nefelina sienitos do maciço alcalino de Poços de Caldas, MG-SP. 1984.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-03092013-092317/pt-br.php >.
    • APA

      Ulbrich, H. (1984). A petrografia, a estrutura e o quimismo de nefelina sienitos do maciço alcalino de Poços de Caldas, MG-SP. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-03092013-092317/pt-br.php
    • NLM

      Ulbrich H. A petrografia, a estrutura e o quimismo de nefelina sienitos do maciço alcalino de Poços de Caldas, MG-SP [Internet]. 1984 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-03092013-092317/pt-br.php
    • Vancouver

      Ulbrich H. A petrografia, a estrutura e o quimismo de nefelina sienitos do maciço alcalino de Poços de Caldas, MG-SP [Internet]. 1984 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/44/tde-03092013-092317/pt-br.php