Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A limnologia e o gerenciamento integrado do reservatório da usina hidroelétrica Luis Eduardo Magalhães - UHE Lajeado-Tocantins (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PEREIRA, VERA LUCIA REIS - EESC
  • USP Schools: EESC
  • Sigla do Departamento: SHS
  • Subjects: LIMNOLOGIA; RESERVATÓRIOS; MANEJO INTEGRADO
  • Language: Português
  • Abstract: A usina hidrelétrica Luis Eduardo Magalhães situada no Estado do Tocantins entre os municípios de Miracema do Tocantis e Lajeado é uma das maiores obras civis no país construída com recursos da inciciativa privada. A barragem apresenta 2.100 m de comprimento e vertedouros com 14 vãos e capacidade para escoar 49.870 metros cúbicos por segundo de água. O reservatório encontra-se em área de cerrado com pouca fitomassa, baixo tempo de retenção (24 dias) e morfometria pouco complexa. A usina apresenta um circuito de geração com cinco casas de força e capacidade para abrigar cinco turbinas tipo Kaplan, com potência nominal de 170 MW e cinco grupos geradores de 190 MVA. Os estudos foram desenvolvidos no médio rio Tocantins na área de influência da UHE Lajeado (rio Tocantins e seus principais tributários) no período de fevereiro/99 a agosto/2001 e durante a fase de enchimento do reservatório, de setembro/01 a fevereiro de 2002, a partir da análise de 33 variáveis (temperatura do ar e da água; OD; transparência; turbidez; profundidade; cor; pH; condutividade; oxigênio consumido; DBO; cálcio, magnésio, sódio, potássio, cloreto, ferro total, dureza total, nitrato, nitrito, amônia, fosfato solúvel reativo, sílica reativa; alcalinidade total, sólidos em suspensão (totais, orgânicos e inorgânicos); fósforo total, nitrogênio total, coliformes totais, coliformes fecais, clorofila-a total, fitolânction e zooplâncton), além de perfis verticais na fase de enchimento, com oobjetivo de caracterizar ecológica e limnologicamente o rio, bem como estudar as respostas das principais variáveis físicas, químicas e biológicas nos mecanismos básicos de funcionamento dos sistemas aquáticos da área, durante a construção da barragem e enchimento do reservatório, subsidiar os sistemas de suporte à decisão gerencial ligados à operação da usina, bem como o processo de educação e capacitação de recursos humanos. A estimativa da carga ) externa afluente ao reservatório baseou-se no modelo de Jorgensen & Vollenweider (1988), a partir das contribuições de nitrogênio e fósforo, com base nos dados de geologia e uso do solo da bacia, precipitação, efluentes domésticos e tributários. A carga interna foi obtida a partir das concentrações totais dos referidos nutrientes em função do volume do reservatório e a carga efluente foi obtida através das concentrações de jusante da barragem em função da vazão defluente. Os modelos adimensionais para as condições do reservatório na fase de enchimento foram calculados segundo; Imberger & Petterson, 1990; Leman et al, 1995 e Salençon & Thébaut, 1997. As análises indicaram diferenças na qualidade da água do rio Tocantins em relação aos seus tributários, tais como no pH, na alcalinidade total, na dureza total, na condutividade e na temperatura. O rio Tocantins apresentou-se como um rio de águas alcalinas, de elevada condutividade, com altos teores deçálcio e magnésio e grande diversidade planctônica, enquantoos tributários apresentaram-se mais ácidos, com baixa condutividade, elevadas concentrações de sódio, potássio e cloreto e temperatura mais baixa de suas águas, provavelmente devido a maior proteção ciliar. Na fase de enchimento os estudos demonstraram a formação de três compartimentos no reservatório, sendo dois deles C1 (Lajeado) e C2 (Palmas-Porto) estratificados termicamente e quimicamente, com formação de termoclimas resultantes do aquecimento térmico diurno. O terceiro compartimento - C3 a partir da região de montante da Ilha do Cachimbo, nas proximidades do ribeirão Conceição (Porto Nacional/Brejinho de Nazaré) é mais sujeito à ação do vento e comporta-se ainda como ambiente lótico. Durante esta fase a relação N:P apresentou variações acentuadas. O aumento de Ptotal é devido à decomposição da matéria orgânica afogada, da contribuição de fontes pontuais e não pontuais de resíduos ) domésticos e de outras origens, tais como abatedouros, criação de animais e diversas outras fontes. Como conseqüência do aumento do fósforo no reservatório, iniciou-se um processo de eutrofização, promovido também pela anoxia no fundo e pela redissolução do fósforo a partir da camada anóxica. Esse processo de eutrofização produziu florescimentos de Microcystis aeroginosa e Cylindrospermopsis raciborski. A aplicação dos números adimensionais na fase de enchimento mostrou que no reservatório da usina hidrelétrica do Lajeado, a ação do vento e o aquecimento térmico desuperfície (radiação solar) são funções de força importantes na determinacão dos mecanismos de funciomaento deste sistema determinando períodos de estabildiade e mistura que precisam ser monitorados. Os resultados sinalizam a necessidade de um gerencimaento integrado e preditivo como suporte às decisões técnico-administrativas. Do ponto de vista administrativo-gerencial o município de Palmas deverá trabalhar em parceria com os municípios de Lajeado e Porto Nacional e este último por sua vez, como o município de Brejinho de Nazaré, a partir dos Comitês Integrados de Bacia. Do ponto de vista ambiental, atenção especial deverá ser dada ao monitoramento de eutrofização e dos processos de estratificação em instalação nos compartimentos C1 e C2
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.09.2002
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    CRHEA31100107989TESE 4379 e.3
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PEREIRA, Vera Lucia Reis; TUNDISI, José Galizia. A limnologia e o gerenciamento integrado do reservatório da usina hidroelétrica Luis Eduardo Magalhães - UHE Lajeado-Tocantins. 2002.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2002. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18139/tde-25012017-151631/pt-br.php >.
    • APA

      Pereira, V. L. R., & Tundisi, J. G. (2002). A limnologia e o gerenciamento integrado do reservatório da usina hidroelétrica Luis Eduardo Magalhães - UHE Lajeado-Tocantins. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18139/tde-25012017-151631/pt-br.php
    • NLM

      Pereira VLR, Tundisi JG. A limnologia e o gerenciamento integrado do reservatório da usina hidroelétrica Luis Eduardo Magalhães - UHE Lajeado-Tocantins [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18139/tde-25012017-151631/pt-br.php
    • Vancouver

      Pereira VLR, Tundisi JG. A limnologia e o gerenciamento integrado do reservatório da usina hidroelétrica Luis Eduardo Magalhães - UHE Lajeado-Tocantins [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18139/tde-25012017-151631/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: