Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Pelvimetria em Leontopithecus (Lesson, 1840) - Callitrichidade - Primates (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: RAMADINHA, LUIZ SERGIO - FMVZ
  • USP Schools: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VCI
  • Subjects: PELVE; PELVIOMETRIA ANIMAL; PRIMATAS; MACACOS
  • Language: Português
  • Abstract: Executou-se estudo radiográfico sobre os aspectos pelvimétricos em micos leões, sendo 25 da espécie Leontopithecus chrysopygus chrysopygus, 21 Leontopithecus chrysomelas e 23 Leontopithecus rosalia, com o intuito de se obter dados sistemáticos relativos aos diâmetros da pelve. Radiografias das pelves destes animais foram feitas em posição ventro-dorsal, para mensuração dos diâmetros bi-ilíaco superior (DBIS), bi-ilíaco inferior (DBII), bi-ilíaco médio (DBIM), diagonal direito (DDD), diagonal esquerdo (DDE) e diâmetro sacro-púbico (SP), além da área da entrada da pelve (AEP), valores estes, todos relativos, tomados como referencial o comprimento da '4 POT. a' vértebra lombar. Os resultados foram os seguintes na espécie L. chrysopygus chrysopygus nos machos o DBIS variou entre 1,13 e 1,50 com a média de 1,30. O DBII variou de 1,09 a 1,58 com a média de 1,41. O DBIM variou de 1,52 a 1,83 com a média de 1,67. Os DDD e o DDE variaram de 1,95 a 2,45 com a média de 2,15. O SP variou de 1,75 a 2,19 com a média de 1,92 e a AEP variou de 1,87 a 3,24, com a média de 2,57. Nas fêmeas o DBIS variou de 1,15 a 1,39 com a média de 1,27. O DBII 1,11 a 1,52 com a média de 1,37. O DBIM variou de 1,53 a 1,91 com a média de 1,72. Os DDD e DDE variaram entre 1,92 a 2,34 com média de 2,14. O SP variou de 1,50 a 2,21 com a média de 2,03. AEP variou de 2,07 a 3,28 com a média de 2,74. Verificou-se que nos machos de L. chrysomelas o DBIS variou de 1,18 a 1,40 com a média de 1,27.DBII variou de 1,36 a 1,70 com a média de 1,44. O DBIM variou de 1,63 a 1,90 com a média de 1,77. O DDD e o DDE variaram de 1,95 a 2,55 com a média de 2,20. O SP variou de 1,63 a 2,30 com a média 1,94 e a AEP variou de 2,06 a 3,08. Nas fêmeas o DBIS variou de 1,27 a 1,50 com a média de 1,37. DBII variou de 1,18 a 1,55 com a média de 1,34. O DBIM variou de 1,63 a 1,90 com a média de 1,80. O DDD e DDE variaram dos 1,72 a 2,75 com a média de 2,25. SP variou de ) 1,72 a 2,60 com a média 2,03 a AEP variou de 2,68 a 3,46 com a média de 2,87. Nos machos de L. rosalia o DBIS variou de 1,13 a 1,36 com a média de 1,24. O DBII variou 1,23 a 1,61 com a média de 1,38. O DBIM variou de 1,50 a 1,95 com a média de 1,72. Os DDD e DDE variaram de 2,00 a 2,30 com a média de 2,19. O SP variou de 1,61 a 2,27 com a média de 2,01. AEP variou de 2,21 a 3,05 com a média de 2,76. Nas fêmeas DBIS variou de 1,14 a 1,40 com a média de 1,32. O DBII variou de 1,20 a 1,50 com a média de 1,38. O DBIM variou de 1,68 a 1,90 com a média de 1,77. Os DDD e DDE variaram entre 2,04 a 2,52 com a médio de 2,27. OSP variou de 1,90 a 2,42 com a média de 2,12 a AEP variou de 2,21 a 3,40 com a média de 2,90
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.04.2003

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMVZ11300023097T.1201 FMVZ e.2
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RAMADINHA, Luiz Sergio; BOMBONATO, Pedro Primo. Pelvimetria em Leontopithecus (Lesson, 1840) - Callitrichidade - Primates. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Ramadinha, L. S., & Bombonato, P. P. (2003). Pelvimetria em Leontopithecus (Lesson, 1840) - Callitrichidade - Primates. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Ramadinha LS, Bombonato PP. Pelvimetria em Leontopithecus (Lesson, 1840) - Callitrichidade - Primates. 2003 ;
    • Vancouver

      Ramadinha LS, Bombonato PP. Pelvimetria em Leontopithecus (Lesson, 1840) - Callitrichidade - Primates. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: