Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Influência do número de manobras de pressão inspiratória máxima no pós-operatório de cirurgias cardíacas (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LEITE, RENATA TRIMER GALVAO - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS CARDÍACOS
  • Language: Português
  • Abstract: As medidas de Pressão Inspiratória Máxima (PIM) são testes simples, reprodutíveis e não invasivos, amplamente utilizados para a avaliação da força muscular respiratória, tanto em indivíduos saudáveis como também em pacientes com doenças pulmonares ou neuromusculares e também para predizer o sucesso do desmame de pacientes sob ventilação mecânica, tanto em unidades de pós- operatório como no âmbito de unidades de terapia intensiva. O presente estudo teve como objetivo determinar em pacientes no período pós-operatório de cirurgias cardíacas, o número de manobras necessárias para a obtenção do melhor valor de PIM medida em nível bucal, e avaliar se ã familiarização pré-operatória com o referido teste iria influenciar no número de manobras necessárias para a obtenção do melhor valor de pressão inspiratória máxima no período pós-operatório. Avaliamos seqüencialmente a PIM de 50 pacientes submetidos à cirurgias cardíacas. Destes, 25 pacientes realizaram 15 tentativas de medidas de PIM tanto na véspera da cirurgia, quanto no pós operatório, pré e pós extubação. Os outros 25 pacientes realizaram 15 tentativas de medidas de PIM somente na fase pós operatória, pré e pós extubação. Observamos que nem todos os pacientes de ambos os grupos estudados, foram capazes de realizar 15 medidas de PIM, por relatarem cansaço ou desconforto. No Protocolo I, 40% dos pacientes realizaram 15 manobras na fase pré operatória, 28% realizaram na fase pré extubação e 24% na fase pós extubação.Dos pacientes do Protocolo II, 60% destes realizaram 15 manobras na fase pré extubação e 60% na fase pós extubação, sendo que o número máximo de manobras que todos pacientes de ambos os protocolos conseguiram realizar em todas as fases do estudo foi 12. Também observamos que houve uma grande, variabilidade entre as diferentes medidas de PIM obtidas ao longo de uma seqüência de manobras. Entretanto os melhores resultados de PIM foram obtidos dentro .. das 12 primeiras manobras em 92% dos indivíduos, na fase pré extubação em ambos os protocolos. Os valores médios de PIM para o Protocolo I foram de 65.8 ± 5.25 cm H2O na fase pré operatória, 36.0 ± 3.03 cm H2O na fase pré extubação e 40.0 ± 3.63 cm H2O na fase pós extubação. Para os pacientes do Protocolo O, os valores médios foram de 41.0 ± 2.31 cm H2O na fase pré extubação e de 50 ± 3.70 cmH2O.na fase pós extubação.., Conclui-se que a realização de manobras de PIM pré-operatórias não influencia a performance das manobras no pós-operatório imediato, e as chances de detecção dos maiores valores de PIM aumentam com o número de manobras executadas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 10.02.2003

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200059641Leite, Renata Trimer Galvão
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LEITE, Renata Trimer Galvão; MARTINEZ, José Antônio Baddini. Influência do número de manobras de pressão inspiratória máxima no pós-operatório de cirurgias cardíacas. 2003.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2003.
    • APA

      Leite, R. T. G., & Martinez, J. A. B. (2003). Influência do número de manobras de pressão inspiratória máxima no pós-operatório de cirurgias cardíacas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Leite RTG, Martinez JAB. Influência do número de manobras de pressão inspiratória máxima no pós-operatório de cirurgias cardíacas. 2003 ;
    • Vancouver

      Leite RTG, Martinez JAB. Influência do número de manobras de pressão inspiratória máxima no pós-operatório de cirurgias cardíacas. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: