Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Regulação social em Melipona scutellaris, com especial referência à reprodução e produtividade das colônias (Hymenoptera, Apinae, Meliponini) (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PEREIRA, ROGERIO APARECIDO - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 592
  • Subjects: ABELHAS; HYMENOPTERA; BIOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho teve como objetivo verificar a produtividade das colônias, baseando-se em certos aspectos, na tentativa de correlacioná-los com a produção das castas e machos. Para tal, foram utilizadas 11 colônias de Melipona scutellaris provenientes do município de Pilões-PB (região do brejo). Através de censos mensais foi possível verificar que as colônias encontravam-se em diferentes ..condições, durante todo o período de estudo e apenas uma manteve-se forte durante todo este período. Do total das 11 colônias, apenas 4 foram utilizadas para observações do Processo de Aprovisionamento e Oviposição (POP), cujo objetivo foi o de verificar a produtividade das mesmas. Os resultados obtidos mostraram que a produtividade, bem como o comportamento dos indivíduos dentro das colônias, sofreram influências de acordo com as condições coloniais internas em que estas se encontravam. Quanto à produtividade, constatou-se que as condições das colônias influenciam diretamente nas taxas de posturas, promovendo um maior número de processos grupados, bem como um maior número de células botadas por processo, em colônias fortes. Verificou-se ainda que, tanto os intervalos entre duas células de um mesmo processo, bem como o intervalo entre dois processos sucessivos, tenderam a diminuir à medida que as condições das colônias tornaram-se favoráveis. A postura de ovos tráficos de operárias sempre ocorreu independentemente das condições das colônias; no entanto, o númerodestes ovos ovipostos por célula de cria, antes da postura da rainha, tendeu ser menor nas colônias mais fortes. No que diz respeito ao comporta;mento dos indivíduos dentro do ninho, as condições internas das colônias também atuaram de forma significativa. Em colônias fracas, verificou-se um maior tempo de postura, tanto das operárias quanto das rainhas, um maior tempo de operculação das células pelas operárias, bem como o tempo total de parte do POP (desde .. primeira descarga de alimento até o final da postura da rainha), por célula de cria. A rainha ingeriu a maioria dos ovos tráficos, existindo um balanceamento entre os ovos ingeridos e a freqüência de ingestão do alimento larval. Constatou-se que quanto maior o número de ovos ingeridos, menor a freqüência de ingestão deste alimento; no entanto, a freqüência de alimentação só por oofagia tendeu a ser maior em colônias mais fortes. Além disso, a freqüência de ingestão do alimento larval pela rainha, foi maior nas colônias mais fracas, bem como a duração do tempo de ingestão. Após o término dos processos de posturas, ocasionalmente existiram células que foram deixadas em colar e este aspecto também foi afetado pela condição da colônia. Assim, quanto maior o número de células remanescentes, melhor foi a condição da colônia. Existiu uma diferença entre os ovos de rainha e os tróficos de operárias, ou seja, os ovos de rainha eram maiores que os de operárias. Além dos ovos tróficos,ovos reprodutivos de operárias foram analisados pela microscopia de varredura. Os resultados mostraram que estes eram similares aos da rainha, apresentando o padrão reticulado do córion. No que concerne à produção de indivíduos sexuados, estes foram produzidos em quantidades consideráveis, apenas na colônia forte. Foi encontrada uma correlação significativa entre a produção de machos e estoque de pólen na colônia; no entanto, não observou-se uma correlação com o mel estocado, reforçando a idéia de que a produção de machos dependeu principalmente da disponibilidade de pólen. As rainhas sempre foram produzidas em todas as colônias, independente das suas condições, porém, variaram em número de acordo com a condição. Contrariamente à produção de machos, a produção de rainhas foi menos dependente da reserva de alimento. A idade fisiológica da rainha não influenciou na produção de machos, sugerindo desse modo, .. que a produção destes, está mais intimamente ligada às condições internas - densidade populacional e quantidade de pólen. Embora os machos encontrados na colônia forte não tenham sido analisados por microsatelites, sugere-se que estes sejam filhos da rainha, pois, nunca houve troca de rainha nesta colônia e de todas as células desoperculadas no censo mensal, em 99,62% continham somente um ovo, o da rainha, nunca tendo sido visto postura de ovos pelas operárias durante a fase de operculação. Aliado a este fato, do total de POPs analisados, emapenas 0,34% observou-se a postura de ovos reprodutivos de operárias, sugerindo que este fato não foi comum em colônias que encontravam-se sob condições normais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.04.2003

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800044570Pereira, Rogério Aparecido
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PEREIRA, Rogério Aparecido; BEGO, Luci Rolandi. Regulação social em Melipona scutellaris, com especial referência à reprodução e produtividade das colônias (Hymenoptera, Apinae, Meliponini). 2003.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2003.
    • APA

      Pereira, R. A., & Bego, L. R. (2003). Regulação social em Melipona scutellaris, com especial referência à reprodução e produtividade das colônias (Hymenoptera, Apinae, Meliponini). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Pereira RA, Bego LR. Regulação social em Melipona scutellaris, com especial referência à reprodução e produtividade das colônias (Hymenoptera, Apinae, Meliponini). 2003 ;
    • Vancouver

      Pereira RA, Bego LR. Regulação social em Melipona scutellaris, com especial referência à reprodução e produtividade das colônias (Hymenoptera, Apinae, Meliponini). 2003 ;