Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudos de laboratórios e de campo com parasitóide exótico Diachasmimorpha longicaudata Ashmead (Hymenoptera; Braconidae) no Brasil (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CARVALHO, ROMULO DA SILVA - IB
  • USP Schools: IB
  • Sigla do Departamento: BIB
  • Subjects: MOSCA-DAS-FRUTAS; CONTROLE BIOLÓGICO; ECOLOGIA; MONITORAMENTO BIOLÓGICO
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho teve como objetivo avaliar o impacto da introdução de D. longicaudata sobre o complexo parasitóides de Tephritidae nas regiões do Recôncavo Baiano e Amazõnia, municípios do Oiapoque, AP e Conceição do Almeida, BA, respectivamente. Avaliaram-se os sítios de oviposição do complexo de parasitóides nativos e de D. longicaudata em diferentes fruteiras na região do Recôncavo Baiano e a freqüência do complexo de parasitóides nativos antes e depois da liberação do parasitóide introduzido D. longicaudata em campo. Constatou-se que após a liberação do parasitóide exótico D. longicaudata em campo, em ambas regiões, todas as espécies obtidas no monitoramento prévio (Tempo=0), foram obtidas também após a liberação de D. longicaudata em campo. O possível impacto ambiental causado por D. longicaudata quando das liberações em pomar de pitanga, goiaba e carambola torna-se minimizado, uma vez que o sítio de ociposição de D. longicaudata restringi-se à frutos maduros (na planta e chão) e "de vez", os quais contem larvas maiores (3º estádio). Os parasitóides nativos (D. areolatus, U. anastrephae e Opius sp.), exceto A. pelleranoi e A. anastrephae, atuam em sítio de ociposição específico (furto verde), estágio de maturação no qual não foi observado o parasitóide D. longicaudata atuando. Dessa forma, o impacto sobre a população desses parasitóides nativos é minimizado. Apesar de haver mais de uma espécie de parasitóide explorando o mesmo sítio, havendo,portanto, compeição interespecífica entre o complexo de parasitóides nativos e o introduzido, não houve perda da biodiversidade, pois todos os parasitóides nativos foram mantidos nos agroecossistema após a liberação de D. longicaudata
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.04.2003

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IB12000021071D-983 ex.revisado
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CARVALHO, Romulo da Silva; MALAVASI FILHO, Aldo. Estudos de laboratórios e de campo com parasitóide exótico Diachasmimorpha longicaudata Ashmead (Hymenoptera; Braconidae) no Brasil. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Carvalho, R. da S., & Malavasi Filho, A. (2003). Estudos de laboratórios e de campo com parasitóide exótico Diachasmimorpha longicaudata Ashmead (Hymenoptera; Braconidae) no Brasil. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Carvalho R da S, Malavasi Filho A. Estudos de laboratórios e de campo com parasitóide exótico Diachasmimorpha longicaudata Ashmead (Hymenoptera; Braconidae) no Brasil. 2003 ;
    • Vancouver

      Carvalho R da S, Malavasi Filho A. Estudos de laboratórios e de campo com parasitóide exótico Diachasmimorpha longicaudata Ashmead (Hymenoptera; Braconidae) no Brasil. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: