Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O banco de Isognomon bicolor Adams 1845: estrutura da comunidade e processo sucessional inicial (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ROBLES, FERNANDA RODRIGUES - IB
  • USP Schools: IB
  • Subjects: ECOLOGIA ANIMAL; ECOLOGIA MARINHA; MOLLUSCA; BIVALVIA; ECOSSISTEMAS COSTEIROS; ESTRUTURA DAS COMUNIDADES
  • Language: Português
  • Abstract: O banco de Isognomon bicolor foi aqui descrito espaço-temporalmente com o objetivo de se reconhecer padrões na composição e estrutura da comunidade, já que este não apresenta nenhum trabalho de ecologia de comunidades conhecido. A comunidade associada apresentou um número similar aos encontrados para outros bancos de mitilídeos (55 categorias taxonômicas - encontradas através dos dois descritores utilizados no trabalho: recobrimento e biomassa). O grupo dos anfípodos apresentou-se similar ao encontrado para bancos de Perna perna protegidos do batimento de ondas. A espécie estruturadora, Isognomon bicolor, apresentou pouca variação estacional com os valores (variando de 62.8% a 91.3%) mais concentrados em torno da média nos meses do ano de 1998, denotando, desta forma, um variação anual em suas abundâncias. Esta dominância bem estabelecida e com valores altos de I. bicolor caracterizou uma uniformidade nos outros resultados observados, como a manutenção da diversidade aparente em torno de 3 espécies. A repartição espaço-temporal apresentou um padrão em mosaico, onde uma das facetas se apresenta com menor número de espécies em função da maior dominância de I. bicolor (preferencialmente meses do ano de 1998) e outra com maior diversidade. A heterogeneidade temporal caracterizou uma comunidade com composição específica bastante estável ao longo do tempo. As informações oriundas deste trabalho servirão de base para outros que objetivam estudar relações ecológicasmais específicas dentro do banco desta espécie exótica além de fornecer dados suficientes para trabalhos de gerenciamento de estoques. O estudo de processos sucessionais causados por perturbações artificias vem sendo objeto de estudo de diversos trabalhos em ambientes intermareais, principalmente no intuito de simular impactos antrópicos ocasionados por moradores locais para consumo de subsistência. Através de informações de moradores locais da área de estudo constatou-se que o banco estudado (ocupado atualmente por I. bicolor) apresentava-se anteriormente ocupado por P. perna, desta forma desenvolveu-se um estudo do processo sucessional inicial (período de 6 meses) para observar se haveria possibilidade de retorno da espécie nativa ao banco de origem, além é claro de entender como se dá o processo neste banco pouco conhecido. Constatou-se que o tamanho área escolhida para raspagem e acompanhamento da sucessão inicial apresentou-se insuficiente para a ocorrência de um processo sucessional completo (fixação larval, recrutamento e competição por espaço) devido à grande influência da comunidade circundante através de processos como: acomodação, movimentação lateral e fornecimento de larvas (supply-side). Desta forma, a espécie dominante no banco (I. bicolor) rapidamente restabeleceu sua dominância numérica no terceiro mês sucessional, com exceção do processo iniciado em fevereiro de 1998, onde Tetraclita stalactifera apresentou-sedominante ao final de 6 meses. Perna perna em nenhum momento foi detectada como espécie ecologicamente importante (IVE) sendo facilmente substituída pela espécie dominante do banco. Constata-se assim a necessidade de um manejo controlado para retorno da espécie ao banco de origem. Os estudos que utilizam a biomassa como descritor inferem resultados diferentes que aqueles encontrados com a análise do recobrimento. A biomassa é uma medida que expressa a quantidade de energia absorvida e retida pelo indivíduo, população ou guilda e o seu processamento permite uma descrição mais completa das espécies ocorrentes no banco (principalmente por atingir espécies infaunais). A biomassa foi estudada por espécie e dentro de guildas. A densidade de biomassa (g/'m POT.2') da maioria das espécies não se recuperou após 6 meses de sucessão. O estudo abordando as guildas mostrou que os suspensívoros e os carnívoros também não apresentaram recuperação da densidade de biomassa, porém a diversidade de biomassa, utilizada aqui como medida de complexidade, não apresentou diferença significativa entre comunidade intacta e pós-sucessional (6 meses) constatando já uma convergência dos resultados, apesar das menores densidades encontradas no final do período. Importante salientar a interessante observação entre as relações dos descritores densidade e biomassa que se apresentaram inversamente proporcionais dentro dos grupos de anfípodos e na espécie dominante I.bicolor com tamanhos inferiores a 1 cm
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 18.12.2003

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IB12000021505D-1025
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ROBLES, Fernanda Rodrigues; ROSSO, Sérgio. O banco de Isognomon bicolor Adams 1845: estrutura da comunidade e processo sucessional inicial. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Robles, F. R., & Rosso, S. (2003). O banco de Isognomon bicolor Adams 1845: estrutura da comunidade e processo sucessional inicial. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Robles FR, Rosso S. O banco de Isognomon bicolor Adams 1845: estrutura da comunidade e processo sucessional inicial. 2003 ;
    • Vancouver

      Robles FR, Rosso S. O banco de Isognomon bicolor Adams 1845: estrutura da comunidade e processo sucessional inicial. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: