Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo da síntese convergente de peptídeos em fase sólida: abordagem clássica e uso de temperatura alta (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: RUIZ, CESAR MANUEL REMUZGO - IQ
  • USP Schools: IQ
  • Sigla do Departamento: QBQ
  • Subjects: PEPTÍDEOS (ESTUDO); PEPTÍDEOS (SÍNTESE)
  • Language: Português
  • Abstract: A síntese de peptídeos em fase sólida passo a passo (SPFS) tem sido aplicada com sucesso na preparação de peptídeos curtos, médios e de determinados, seqüências contendo mais de 30 resíduos. Entretanto, esta apresenta problemas e limitações que podem ser contornados pela síntese convergente de peptídeos em fase sólida (SCPFS) que se baseia na condensação entre fragmentos peptídicos N'ANT.ALFA MENOS'acilados protegidos em suas cadeias laterais (doadores de aci/a) a fragmentos protegidos ligados a um suporte polimérico (receptores de aci/a). Além de desenvolver outros projetos enfocados na síntese de peptídeos ou no uso de sintéticos para o estudo de peptídeos biologicamente ativos ou proteínas, o nosso grupo de pesquisa tem se dedicado a estudar o emprego de temperaturas altas em SPFS. O objetivo final é propor protocolos ágeis alternativos aos empregados classicamente. Neste trabalho nos propusemos a investigar aiguns aspectos da SCPFS e a explorar a possibilidade de agilizá-la a 60 'GRAUS CENTIGRADOS'. Para tanto, empregamos como modelos a colecistocinina-33 humana (hCCK-33) não sulfatada e o análogo [Gl'nANTI POT.1']-gomesina. As seqüências destes peptídeos foram divididas em: doadores de acila (fragmentos central e N-terminal da hCCK-33 não sulfatada de 11 e de 5 resíduos, respectivamente, e N-terminal de 8 resíduos do [Gl'nANTI POT.1']-gomesina) e receptores de acila (fragmentos C-terminais da hCCK-33 não sulfatada de 17 resíduos e do [Gl'nANTIPOT.1']gomesina de 10 resíduos). As peptidil-resinas correspondentes foram sintetizadas manualmente por SPFS passo a passo e caracterizadas por análise de aminoácidos para determinação de seus graus de substituição. Suas propriedades de solvatação em diferentes sistemas de solventes foram também examinadas. Análises por RP-HPLC e LC/ESI-MS dos peptídeos brutos obtidos após clivagem das resinas e desproteção total permitiram avaliar as sínteses realizadas. ) Os doadores de acila foram então gerados a partir das peptidil-resinas empregando procedimentos conhecidos (catálise por DBU ou NaOH) e um proposto por nós (assistência por íons metálicos).Finalmente, os acoplamentos entre os doadores e receptores de acila foram realizados a 37 e 60'GRAUS CENTIGRADOS' empregando sistemas de solventes adequados à solvatação dos receptores de acila e diferentes reagentes acopladores. As peptidil-resinas alongadas foram analisadas em seu conteúdo de aminoácidos e submetidas à clivagem e desproteção total para liberação dos peptideos brutos correspondentes. Estes foram submetidos à análise comparativa usando RP-HPLC e LC/ESI-MS. Os resultados obtidos neste primeiro trabalho que emprega alta temperatura na SCPFS demonstraram que: 1) o conhecimento do grau de solvatação das peptidilresinas auxilia na escolha do sistema de solventes a ser empregado na geração dos doadores de acila (desligamento dos peptídeos protegidos correspondentes) e nos seus acoplamentos aos receptores deacila; 2) a geração de doadores de acila a partir de peptidil-KOR não é trivial como sugere a literatura (o fragmento 6-19 da hCCK-33 na forma protegida não foi obtido) e deve ser melhor estudada. O tamanho e a seqüência peptidica parecem estar diretamente relacionados à eficiência do processo; 3) o uso de alta temperatura agiliza o processo; 4) a geração de doadores de acila a partir de peptidil-2-CI-Trt empregando 1 'POR CENTO'TFA em DCM e misturas AcOH:TFE:DCM é simples e eficiente; 5) o uso combinado de DMF, do agente acoplador TBTU e de 60'GRAUS CENTIGRADOS' levou à agilização dos acoplamentos convergentes realizados, fornecendo os peptideos desejados com boa qualidade em tempos relativamente menores; 6) vantagens e desvantagens da SCPFS em alta temperatura devem ser melhor avaliadas; 7) a SCPFS também apresenta limitações e problemas a serem contornados, o que demanda exploração sistemática ) empregando seqüências peptidicas e resinas variadas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.12.2003
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    CQ30100005813T 574.192456 R391e
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RUIZ, César Manuel Remuzgo; MIRANDA, Maria Terêsa Machini de. Estudo da síntese convergente de peptídeos em fase sólida: abordagem clássica e uso de temperatura alta. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-14082009-111815/ >.
    • APA

      Ruiz, C. M. R., & Miranda, M. T. M. de. (2003). Estudo da síntese convergente de peptídeos em fase sólida: abordagem clássica e uso de temperatura alta. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-14082009-111815/
    • NLM

      Ruiz CMR, Miranda MTM de. Estudo da síntese convergente de peptídeos em fase sólida: abordagem clássica e uso de temperatura alta [Internet]. 2003 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-14082009-111815/
    • Vancouver

      Ruiz CMR, Miranda MTM de. Estudo da síntese convergente de peptídeos em fase sólida: abordagem clássica e uso de temperatura alta [Internet]. 2003 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/46/46131/tde-14082009-111815/