Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo da fragilização de 475°C nos aços inoxidáveis ferríticos DIN W. Nr 1.4575 (28%Cr-4%Ni-2%Mo-Nb) e INCOLOY MA 956 (20%Cr-5%Al-Ti-'Y IND.2''O IND.3' (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: TERADA, MAYSA - EP
  • USP Schools: EP
  • Sigla do Departamento: PMT
  • Subjects: AÇO INOXIDÁVEL FERRÍTICO; MECÂNICA DA FRATURA
  • Language: Português
  • Abstract: A fragilização de 475°C é um fenômeno muito comum, a que estão sujeitas a maioria das ferritas de aços inoxidáveis, sejam ferríticos ou dúplex, quando expostas na faixa de temperaturas de 300 a 550°C. Esta fragilização ocorre pela precipitação ou decomposição espinodal da ferrita desses aços nesta faixa de temperaturas e tem conseqüências muito negativas na ductilidade, na tenacidade e na resistência à corrosão do material. Embora este fenômeno seja conhecido há mais de 60 anos, muitas dúvidas ainda permanecem sobre o modo de precipitação e os mecanismos de deformação e de fratura. Na presente dissertação de mestrado foi estudada a fragilização de 475°C da ferrita em dois aços especiais: um aço inoxidável superferrítico e uma superliga à base de ferro. Foram utilizadas várias técnicas complementares de análise tais como microdureza Vickers, microscopia ótica, microscopia eletrônica de varredura e microscopia eletrônica de transmissão. O aumento no tempo de tratamento térmico a 475°C aumenta significativamente a dureza tanto do aço inoxidável superferrítico quanto da INCOLOY MA 956 além de influenciar na resistência à corrosão por pites. Além disso, quanto maior o teor de cromo presente maior será a dureza final atingida.O tipo de fratura do aço inoxidável superferrítico, que geralmente é dúctil passa a ter comportamento frágil em algumas regiões após 1 hora de tratamento térmico a 475°C. A fratura passa a ser predominantemente frágil após 512 horas.Nasuperliga INCOLOY MA 956, o tipo de fratura também apresenta comportamento frágil e dúctil após 1 hora de tratamento térmico a 475°C. Após 504 horas, o mecanismo de fratura predominante é a clivagem
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.11.2003

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    EPBC31200033051FD-3593
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TERADA, Maysa; PADILHA, Angelo Fernando. Estudo da fragilização de 475°C nos aços inoxidáveis ferríticos DIN W. Nr 1.4575 (28%Cr-4%Ni-2%Mo-Nb) e INCOLOY MA 956 (20%Cr-5%Al-Ti-'Y IND.2''O IND.3'. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Terada, M., & Padilha, A. F. (2003). Estudo da fragilização de 475°C nos aços inoxidáveis ferríticos DIN W. Nr 1.4575 (28%Cr-4%Ni-2%Mo-Nb) e INCOLOY MA 956 (20%Cr-5%Al-Ti-'Y IND.2''O IND.3'. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Terada M, Padilha AF. Estudo da fragilização de 475°C nos aços inoxidáveis ferríticos DIN W. Nr 1.4575 (28%Cr-4%Ni-2%Mo-Nb) e INCOLOY MA 956 (20%Cr-5%Al-Ti-'Y IND.2''O IND.3'. 2003 ;
    • Vancouver

      Terada M, Padilha AF. Estudo da fragilização de 475°C nos aços inoxidáveis ferríticos DIN W. Nr 1.4575 (28%Cr-4%Ni-2%Mo-Nb) e INCOLOY MA 956 (20%Cr-5%Al-Ti-'Y IND.2''O IND.3'. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: