Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A prática da amamentaçäo na regiäo norte do município de Londrina-PR (2001)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: OBREGON, PHALLCHA LUIZAR - FSP
  • USP Schools: FSP
  • Sigla do Departamento: HSM
  • Subjects: ALEITAMENTO MATERNO; PROMOÇÃO DA SAÚDE; EDUCAÇÃO EM SAÚDE; SAÚDE DA CRIANÇA
  • Language: Português
  • Abstract: Objetivo: Verificar a associaçäo entre a situaçäo sócio-demográfica, a orientaçäo sobre aleitamento materno e a duraçäo do aleitamento materno exclusivo em uma populaçäo que freqüenta Unidades Básicas de Saúde (U.B.S.) da regiäo norte do Município de Londrina, Estado do Paraná. Métodos: O universo do estudo constituiu-se de 225 crianças menores de dois anos de idade, usuárias de duas U.B.S. (uma com programa de incentivo ao aleitamento materno e outra sem essa programaçäo), no ano de 1997. Foram analisadas informações sobre a área de residência (micro-área de risco), U.B.S. que freqüenta, a idade, escolaridade, paridade e ocupaçäo da mäe, a renda familiar, a orientaçäo sobre aleitamento materno (local e época de orientaçäo), dificuldades durante a amamentaçäo. Estudou-se a associaçäo entre essas variáveis e a duraçäo do aleitamento materno exclusivo (AME), utilizando-se o método de Tábua de Sobrevida de Kaplan-Meier e realizando uma análise multivariada (Cox) para identificar condições preditoras da duraçäo da amamentaçäo. Resultados: A análise revelou que a duraçäo mediana do aleitamento exclusivo foi de 90 dias. Na análise univariada, a duraçäo do AME esteve significativamente associada com a referência a dificuldades, com 4 ou mais anos de escolaridade da mäe, com a orientaçäo no pré-natal e pós-parto, com o local de orientaçäo (hospital + UBS), com o trabalho fora do lar da mäe e com a U.B.S. que freqüenta. Na análise multivariada, a duraçäo do AMEesteve positivamente associada com a orientaçäo no pré-natal e pós-parto (RR=0,35; IC95 por cento=0,19-0,64) e negativamente com a referência a dificuldades durante a amamentaçäo (RR=2,75; IC95 por cento =1,98-3,84). Também esteve associada com a orientaçäo em U.B.S. e hospital (RR=0,32; IC95 por cento=0,17-0,60) e com dificuldades (RR=2,85; IC95 por cento=2,04-3,98). Conclusäo: ) A duraçäo do AME na populaçäo estudada foi inferior ao recomendado internacionalmente, o que reforça a necessidade de se continuar estimulando a amamentaçäo nos primeiros meses de vida junto a essa populaçäo (AU)
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 08.08.2001

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FSP11800030350Dr 482
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      OBREGÓN, Phallcha Luízar; BURALLI, Keiko Ogura. A prática da amamentaçäo na regiäo norte do município de Londrina-PR. 2001.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
    • APA

      Obregón, P. L., & Buralli, K. O. (2001). A prática da amamentaçäo na regiäo norte do município de Londrina-PR. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Obregón PL, Buralli KO. A prática da amamentaçäo na regiäo norte do município de Londrina-PR. 2001 ;
    • Vancouver

      Obregón PL, Buralli KO. A prática da amamentaçäo na regiäo norte do município de Londrina-PR. 2001 ;