Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Aspectos da infestação por Aedes (Stegomyia) aegypti e da transmissão de dengue no município de São Paulo (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BONINI, ROSIANI KAKIUTI - FSP
  • USP Schools: FSP
  • Sigla do Departamento: HEP
  • Subjects: AEDES; DENGUE (TRANSMISSÃO); RESERVATÓRIOS DE DOENÇAS
  • Language: Português
  • Abstract: Estudo descritivo, objetiva resgatar a história da infestação, analisar os aspectos vetoriais e características da epidemia de 2001 e 2002 no Município de São Paulo. O período de estudo foi de 1998 a 2002, abrangendo os 96 Distritos Administrativos. Analisou-se a positividade dos Pontos Estratégicos (P.E) e a epidemia de 2001/2002 associadas aos fatores climáticos Índice Pluviomérico (I.P) e Temperatura (T), além dos principais recipientes existentes, sua eficiência na positividade larvária e a domiciliação do vetor por distrito. Observou-se nos PE a influência das chuvas no aumento e na redução da positividade e o efeito do tratamento químico reduzindo e retardando a mesma. Constatou-se nos anos de 2001 e 2002 a grande importância dos ciclos de chuva e temperatura no desenvolvimento da infestação vetorial e conseqüentemente nas epidemias. Os vasos de planta foram os recipientes mais freqüentes dentre os existentes e também apresentaram a maior porcentagem de positividade. Entretanto, a análise da eficiência dos recipientes revelou que pneus e recipientes não removíveis são os mais eficientes como criadouros do vetor. A maioria dos distritos apresenta-se infestado (situação em 2002) e se expandiu a partir da região norte/noroeste para as regiões oeste, centro e leste. A epidemia de 2001 e 2002 atingiu 20 por cento e 42 por cento dos distritos administrativos e as maiores incidências foram na Fregesia do Ó e Jaguara respectivamente. As evidênciasmostram a importância do tratamento químico nos pontos estratégicos como fator de controle das infestações. Concluiu-se também que os fatores climáticos (I.P e T) influenciaram o início, pico e o fim da infestação do vetor e conseqüentemente as epidemias. O município não apresentou até o momento comportamento endêmico. ) No que se refere aos recipientes, concluiu-se que as estratégias de controle do vetor devem levar em consideração não só a quantidade mas também a eficiência do criadouro e sua sazonalidade com relação às diferentes estações do ano. Pelo estudo da infestação concluiu-se que o vetor está em expansão tendo atingido 55 por cento dos distritos em 2002 (AU)
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 31.03.2004

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FSP11800030385Mtr 1268
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BONINI, Rosiani Kakiuti; GOMES, Almério de Castro. Aspectos da infestação por Aedes (Stegomyia) aegypti e da transmissão de dengue no município de São Paulo. 2004.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
    • APA

      Bonini, R. K., & Gomes, A. de C. (2004). Aspectos da infestação por Aedes (Stegomyia) aegypti e da transmissão de dengue no município de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Bonini RK, Gomes A de C. Aspectos da infestação por Aedes (Stegomyia) aegypti e da transmissão de dengue no município de São Paulo. 2004 ;
    • Vancouver

      Bonini RK, Gomes A de C. Aspectos da infestação por Aedes (Stegomyia) aegypti e da transmissão de dengue no município de São Paulo. 2004 ;