Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Aspectos moleculares envolvidos na indução, desenvolvimento e bloqueio da hipernocicepção mecânica persistente (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SACHS, DANIELA - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RFA
  • Subjects: INFLAMAÇÃO (FARMACOLOGIA); IMUNOLOGIA CELULAR
  • Language: Português
  • Abstract: Demonstramos anteriormente que injeções intraplantares diárias, por 14 dias, de prostaglandina 'E IND.2' ('PGE IND.2') ou dopamina, induzem um processo hipernociceptivo que persiste por até 30 dias após a suspensão da administração dessas substâncias, fenômeno denominado hipernocicepção mecânica persistente (HMP). A HMP é inibida pela administração de dipirona ou N-metil morfina sendo restaurada por 'PGE IND.2' ou dopamina, em baixas doses. No presente trabalho investigamos os mecanismos intracelulares envolvidos na indução, manutenção e bloqueio da HMP. Demonstramos que o processo de indução da HMP é mediado por AMPc visto que a administração, por 14 dias, de DbcAMP (análogo do AMPc) ou a co-administração de rolipram (inibidor de fosfodiesterase tipo 4) + 'PGE IND.2' (baixa doses), assim como a administração em dose única de toxina da cólera (induz estimulação persistente de adenilato ciclase, AC) induziram HMP. Embora o AMPc esteja envolvido na indução da HMP este não participa da manutenção da HMP isto porque o SQ22536 (inibidor de AC) não alterou a HMP instalada. Por outro lado os tratamentos com inibidores de proteinoquinase A e C inibiram a HMP instalada. Portanto, concluímos que o AMPc participa da indução da HMP pela 'PGE IND.2', no entanto, a manutenção da HMP não depende da persistente ativação da AC, mas é dependente da ativação de proteinoquinase A e C. Investigando a participação de canais de sódio ('Na POT.+') resistentes à tetrodotoxina(Nav1.8) na HMP demonstramos que há aumento da expressão de canais NaV 1.8 (analisada por RT -PCR) no gânglio da raiz dorsal (GRD) de animais com HMP. Além disso, o tratamento dos animais com antisense oligodeoxinucleotídeos (ODN) para canais Nav1.8, mas não com mismacth, inibe a hipernocicepção aguda e persistente induzida por 'PGE IND.2' assim como a expressão desses canais no GRD de animais com HMP. Portanto, canais NaV1.8 participam da manutenção da HMP. ... Numa segunda série de experimentos, avaliamos o mecanismo pelo qual a dipirona inibe a hipernocicepção aguda e persistente. O pré-tratamento com inibidores de NOS (L-NMMA), guanilato ciclase solúvel (ODQ) ou proteinoquinase G (KT5823) inibem o efeito antinociceptivo da dipirona sobre a HMP, sugerindo que a dipirona causa antinocicepção por ativar a via L-arginina/NO/ GMPc/proteinoquinase G. Entretanto, o pós-tratamento com L-NMMA, ODQ ou KT5823 não reverteu o efeito antinociceptivo da dipirona sobre a HMP, indicando que o efeito antinociceptivo da dipirona não depende da contínua ativação dessa via. Por outro lado, o fechamento dos canais de potássio ATP-sensíveis ('K+ IND.ATP' ) são importantes para a restauração da HMP inibida por dipirona, visto que o diazóxido (abre canais de 'K+ IND.ATP') e glibenclamida (abre canais de 'K+ IND.ATP') bloqueiam e restauram a HMP, respectivamente
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.03.2004

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200028963Sachs, Daniela
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SACHS, Daniela; FERREIRA, Sérgio Henrique. Aspectos moleculares envolvidos na indução, desenvolvimento e bloqueio da hipernocicepção mecânica persistente. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Sachs, D., & Ferreira, S. H. (2004). Aspectos moleculares envolvidos na indução, desenvolvimento e bloqueio da hipernocicepção mecânica persistente. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Sachs D, Ferreira SH. Aspectos moleculares envolvidos na indução, desenvolvimento e bloqueio da hipernocicepção mecânica persistente. 2004 ;
    • Vancouver

      Sachs D, Ferreira SH. Aspectos moleculares envolvidos na indução, desenvolvimento e bloqueio da hipernocicepção mecânica persistente. 2004 ;