Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Fixação extramedular versus intramedular das fraturas da região trocantérica do fêmur (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: FOGAGNOLO, FABRICIO - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RAL
  • Subjects: FIXAÇÃO DE FRATURA; TRAUMATOLOGIA; REABILITAÇÃO
  • Language: Português
  • Abstract: O tratamento cirúrgico das fraturas da região trocantérica do fêmur é ainda motivo de debate. As vantagens teóricas da fixação intramedular encontram pouco suporte na literatura. O objetivo do presente trabalho foi comparar os resultados clínicos e os custos hospitalares da fixação extramedular (DHS - Dynamic Hip Screw) com o método intramedular, representado pelo PFN (Proximal Femoral Nail). Foram incluídos de modo aleatório e prospectivo 70 pacientes no grupo DHS e 60 pacientes no grupo PFN com fraturas do tipo 31A, de acordo com a Classificação AO-ASIF. Aproximadamente 60% das fraturas operadas com DHS e 70% das operadas com PFN foram classificadas como instáveis (A2 ou A3). Foram registrados detalhes operatórios, como tempo cirúrgico, qualidade da redução e da fixação da fratura, necessidade de transfusões e eventuais complicações, assim como parâmetros clínicos e radiológicos do período pós-operatório. Resultados funcionais foram avaliados pelo escore de mobilidade de Parker & Palmer e através do índice de Barthel. Complicações intra-operatórias ocorreram em onze pacientes de cada grupo (DHS 15,7%; PFN 18,3%; p=0,69). Mais pacientes do grupo DHS (32,9% versus 18,3%) receberam transfusões sanguíneas (p=0,07; RR 1,79; 95%CI 0,95 -3,36), embora não tenham sido detectadas diferenças nos níveis pós-operatórios de hemoglobina e hematócrito (p=0,36). Mais reduções foram classificadas como boas (p=O,03) e mais parafusos cefálicos foram posicionados a uma menor distância doápice da cabeça femural (TAD -Tip Apex Distance) nos pacientes operados com DHS (p<0,001). As complicações relacionadas aos implantes foram significativamente mais comuns no grupo PFN (25% versus 8,6%, .p=0,02), onde se destacaram principalmente complicações como migrações intra-articulares ou saliência dos parafusos cefálicos na face lateral da coxa, que ocorreram em 13 pacientes (21,6%). As taxas ... de reoperações foram semelhantes, com 11 pacientes sendo reoperados em cada grupo (p=0,69). Por outro lado, fraturas fixadas com DHS apresentaram risco relativo aumentado de reoperações maiores (p=0,28; RR 2,57; 95%CI 0,53 -12,27) e de falhas da consolidação (p=0,32; RR 2,1; 95% CI 0,57 -7,74). Os custos hospitalares foram mais elevados nos pacientes operados com PFN (p=0,001) e nos que foram reoperados em ambos os grupos (p<0,05). Fato digno de nota, não houve diferenças entre os custos quando apenas as fraturas instáveis foram consideradas (p=0,63). Cinqüenta e quatro pacientes no grupo DHS (77,1 %) e 49 no grupo PFN (81,7%) completaram o período mínimo de seguimento de 4 meses. Pacientes operados com PFN voltaram a deambular mais precocemente (p=0,04) e apresentaram escores de mobilidade significativamente superiores com 4 semanas de pós-operatório (p<0,001), porém não foram observadas diferenças significativas entre os grupos nos escores finais, apesar de mais pacientes do grupo DHS terem recuperado seus escores demobilidade prévios ao trauma (53,7% versus 31,2%, p=0,02). Não houve diferenças quanto à mortalidade no primeiro ano, com índice de 21,4% no grupo DHS e 20% no grupo PFN. Tendo em vista que o PFN apresenta custos similares aos do DHS nas fraturas instáveis, com menor risco relativo de reoperações maiores, como refixações e artroplastias, nossos resultados corroboram estudos mais recentes que indicam preferencialmente o método intramedular nas fraturas dos grupos A2 e A3
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.11.2004

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200028501Fogagnolo, Fabrcio
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FOGAGNOLO, Fabrício; PACCOLA, Cléber Antonio Jansen. Fixação extramedular versus intramedular das fraturas da região trocantérica do fêmur. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Fogagnolo, F., & Paccola, C. A. J. (2004). Fixação extramedular versus intramedular das fraturas da região trocantérica do fêmur. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Fogagnolo F, Paccola CAJ. Fixação extramedular versus intramedular das fraturas da região trocantérica do fêmur. 2004 ;
    • Vancouver

      Fogagnolo F, Paccola CAJ. Fixação extramedular versus intramedular das fraturas da região trocantérica do fêmur. 2004 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: