Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Arquitetura paulistana da década de 1960: técnica e forma (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GIMENEZ, LUIS ESPALLARGAS - FAU
  • USP Schools: FAU
  • Sigla do Departamento: AUH
  • Subjects: ARQUITETURA MODERNA; HISTÓRIA DA ARQUITETURA
  • Language: Português
  • Abstract: A história mais consolidada da arquitetura moderna brasileira considera e assume como determinantes as políticas que cercam seus pressupostos e produção. Incontáveis pesquisas animam-se com ampliar o conhecimento desta história moderna e acrescentam quantidade de informações, precisões e curiosidades ao conjunto, sem, no entanto, enfrentar declaradas descontinuidades e conceitos, todavia inéditos.Na década de 1960, o brutalismo paulista modificou a sensibilidade artística mais próxima à difundida pelo Intenational Style e desencadeou uma profunda alteração na forma, inexplicavelmente encampada pela seqüência de fenômenos que procura provar a linearidade e progresso modernos.A aceitação irrestrita da arquitetura como tributária da razão e da ética, fecha o cerco ideológico e exclui estética e forma modernas do processo e avaliação artísticos. A combinação da plástica com o partido, ajudam a prescindir da forma moderna intelectiva, facilitam a criatividade e livram-se da repreensão formalista.A tese propõe a suspensão de algumas dessas certezas e procura demonstrar que também é factível entender o brutalismo como uma degradação do processo moderno de concepção e, mais ainda, como uma sorte de realismo artístico que retrocede à experiência estética mais convencional ao considerar mecanismos originais e simbolismos estruturais. Mesmo aprofundada no País, a inconsistência brutalista não foi causada pelaregionalização, mas pela disparatada versão original. Fenômeno difícil de entender, pois ao insistir na autonomia artística nacional, diminui-se a agilidade crítica, por dificultar o enfrentamento aberto com experiências estrangeiras. Censura que não deixa compreender, em definitivo, os limites das propostas artísticas, tantas vezes referidas de maneira apressada.A obstrução do juízo visual na arquitetura foi inaugurada nas rebeliões juvenis do continente europeu e causaria um rebaixamento na arquitetura paulistana, todavia orientada para aprofundar ainda mais seus efeitos radicais.Para entender a fratura formidável que representou o ataque brutalista ao pensamento moderno do século XX, parece necessário reativar a categoria da forma moderna como parâmetro eficaz que distingue entre objetos criados segundo critérios de semelhança e aparência e artefatos concebidos segundo uma ordem interna que lhes fornece legalidade e estrutura.Sob a substância pastosa e cinzenta do concreto aparente e bruto que serviu para acobertar tantos brutalismos, esconde-se ora o tipo da estética normativa, ora a forma da estética moderna. Ora a corrupção brutalista, ora um sentido moderno preservado.Uma distinção decisiva ao escrever uma história que tenha que considerar os juízos estéticos da arquitetura
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 18.10.2004

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FAU20200020600724.981611 Es61a
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ESPALLARGAS GIMENEZ, Luis; AZEVEDO, Ricardo Marques de. Arquitetura paulistana da década de 1960: técnica e forma. 2004.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
    • APA

      Espallargas Gimenez, L., & Azevedo, R. M. de. (2004). Arquitetura paulistana da década de 1960: técnica e forma. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Espallargas Gimenez L, Azevedo RM de. Arquitetura paulistana da década de 1960: técnica e forma. 2004 ;
    • Vancouver

      Espallargas Gimenez L, Azevedo RM de. Arquitetura paulistana da década de 1960: técnica e forma. 2004 ;