Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Reprodutibilidade e validade da avaliação doplervelocimétrica no diagnóstico de massas ovarianas (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MARCHESINI, ANA CAROLINA DA SILVA - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RGO
  • Subjects: GINECOLOGIA; ULTRASSONOGRAFIA DOPPLER; NEOPLASIAS OVARIANAS (DIAGNÓSTICO)
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: A ultra-sonografia é o exame menos invasivo capaz de detectar alterações de pequeno volume na região anexial e o estudo Doppler colorido permite uma avaliação indireta do metabolismo da vasculatura da lesão. Porém grande parte das neoplasias malignas exibe áreas de tecido ovariano normal, que podem dificultar o diagnóstico diferencial entre as doenças benignas e as malignas dos ovários. Objetivos: avaliar a validade e a reprodutibilidade do estudo Doppler no diagnóstico diferencial das massas anexiais; e verificar se algum parâmetro específico da doplervelocimetria (PVS, EDV, IP ou IR) tem maior eficácia diagnóstica. Pacientes e Métodos: Foi realizado estudo tipo observacional prospectivo incluindo 15 (21,12%) pacientes com diagnóstico de neoplasia maligna e 56 (78,88%) com diagnóstico de doenças benignas do ovário. Para o estudo Doppler as massas eram setorizadas em quatro quadrantes a partir dos cortes longitudinal e transverso. Todos os quadrantes foram insonados individualmente para amostragem doplervelocimétrica. Resultados: Na avaliação dos quadrantes apenas 46,47% das massas (33 lesões) apresentaram vascularização arterial nos quatro quadrantes. O coeficiente de variação (CV) para os diversos parâmetros do Dopp1er variou entre os seguintes valores: para o IR de 11,7% a 41,7%, para o IP de 21,1% a 32,9%, para o PVS de 35,0% a 55,4%, e para o VDF de 40,1% a 50,2%. A ultra-sonografia morfológica apresentou sensibilidade de 86,7%,especificidade de 53,6%, VPP de 33,3% e VPN de 93,75%; com área sob a curva igual a 0,691(IC 95% 0,571 e 0,811, p=0,0009). Quando se associou a doplervelocimetria aos achados morfológicos, a sensibilidade de 93,3%, sensibilidade de 62,5%, VPP de 40% e VPN de 97,22%; com área sob a curva igual a 0,804 (IC 95% 0,702 e 0,905, p<0,0001). Comparando o método morfológico com o mesmo método acrescido do estudo Doppler, observou-se melhor desempenho do exame utilizando os ) dois métodos com diferença estatística significativa (p=0,0003). Conclusões: Os resultados permitem concluir que o índice de resistência é o parâmetro doplervelocimétrico com menor variabilidade, portanto o mais reprodutível. Apenas uma medida doplervelocimétrica da massa ovariana não foi representativa das características vasculares da lesão. O estudo Doppler melhorou os parâmetros de sensibilidade e especificidade do exame ultra-sonográfico no estudo de massas ovarianas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.01.2006

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200031025Marchesini, Ana Carolina da S.
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MARCHESINI, Ana Carolina da Silva; REIS, Francisco José Candido dos. Reprodutibilidade e validade da avaliação doplervelocimétrica no diagnóstico de massas ovarianas. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.
    • APA

      Marchesini, A. C. da S., & Reis, F. J. C. dos. (2006). Reprodutibilidade e validade da avaliação doplervelocimétrica no diagnóstico de massas ovarianas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Marchesini AC da S, Reis FJC dos. Reprodutibilidade e validade da avaliação doplervelocimétrica no diagnóstico de massas ovarianas. 2006 ;
    • Vancouver

      Marchesini AC da S, Reis FJC dos. Reprodutibilidade e validade da avaliação doplervelocimétrica no diagnóstico de massas ovarianas. 2006 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: