Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Vigilância Epidemiológica da Infecção Hospitalar nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MATSUNO, ALESSANDRA KIMIE - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RPP
  • Subjects: PEDIATRIA; UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA; INFECÇÃO HOSPITALAR; SAÚDE DA CRIANÇA
  • Language: Português
  • Abstract: Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico de infecção nosocomial em crianças assistidas nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP) da Unidade de Emergência (UE) e Campus (CA) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP). Métodos: Estudo observacional, prospectivo, de todas as crianças admitidas nas UTIPs durante o período de 01 de março de 2004 a 28 de fevereiro de 2005 e cujas internações duraram '> ou =' 24 horas. Utilizando-se a metodologia "National Nosocomial Infection Surveillance System" (NNISS) registraram-se o número de pacientes-dia, caracteres-dia, ventiladores-dia e sondas vesicais-dia, as características dos pacientes em cada unidade, a freqüência e os sítios das infecções, o perfil microbiológico dos agentes causadores, a evolução dos pacientes e ocorrência de óbitos, calculando-se os indicadores de ocorrência de infecção. Realizou-se análise univariada e multivariada para identificação dos correlatos de infecção nosocomial. Resultados: Observaram-se 401 crianças, 163 (40,6%) na UE e 238 (59,4%) no CA. Considerando-se as características dos pacientes assistidos, classificou-se a UTIP-UE em geral e a UTIP-CA em cirúrgica. Um ou mais episódios de infecção nosocomial incidiram em 23/163 (14%) na UE e em 57/238 (23,9%) no CA. Taxas de incidência acumulada e de densidade de incidência de infecção foram, respectivamente, 12,7% e 23,1 %; 16,28 por 1000 pacientes-dia e 47,01 por 1000pacientes-dia. Em ambas as unidades observaram-se índices de ventilação mecânica de 0,60 respiradores-dia por pacientes-dia e altas taxas de pneumonia associada à ventilação mecânica (10,8 por 1000 ventiladores-dia na UTIP-UE e 42,6 na UTIP-CA). Índices de utilização de cateter vascular central foram de 0,28 e de 0,65 por pacientes-dia, e ocorreram 5,91 e 7,21 infecções de corrente sangüínea por 1000 cateteres-dia respectivamente na UTIP-UE e continuação) UTIP-CA. Detectaram-se índices de utilização de sondas vesicais (SV) por pacientes-dia de 0,15 na UTIP-UE e 0,29 na UTIP-CA, ocorrendo 5,06 infecções do trato urinário por SVD-dia nesta última unidade e nenhuma na primeira. Com relação aos sítios envolvidos, pneumonia foi o diagnóstico mais freqüente, identificado em 62,8% dos episódios de infecções na UTIP-UE e em 66,6% na UTIP-CA. Destaca-se a alta incidência de infecção de ferida operatória na unidade do Campus (18,5% dos episódios de infecções). Os agentes etiológicos mais freqüentemente identificados nas unidades foram Staphylococcus coagulase-negativo e Staphylococcus aureus. A internação > 4 dias associou-se, independentemente, à ocorrência de infecção em ambas as unidades (OR ajustado: 9,36 (UE); 17,33 (CA). Adicionalmente, nas crianças da UTIP-UE o uso de transfusões múltiplas e traqueostomia também foram identificados como fatores de riscos para infecções. Enquanto que nas crianças da UTIP-CA a alimentação parenteral, as cirurgias cardíacase o índice prognóstico PRISM >10 associaram-se a infecções. As taxas de mortalidade em ambas foram de 11 %, sendo que a ocorrência de óbito foi aproximadamente 3 vezes maior entre as crianças diagnosticadas com infecção hospitalar do que entre aquelas não acometidas. Conclusão: Este estudo evidencia alarmantes taxas de infecção hospitalar na unidade de terapia intensiva pediátrica do Campus, destacando-se a elevada freqüência de pneumonia e o predomínio dos Staphylococcus como causa de infecção. A infecção aumenta a morbi-mortalidade dos pacientes ali assistidos. Portanto, medidas urgentes de controle e prevenção de infecção devem ser planejadas e implementadas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 13.04.2006

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200031703Matsuno, Alessandra Kimie
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MATSUNO, Alessandra Kimie; MUSSI-PINHATA, Marisa Márcia. Vigilância Epidemiológica da Infecção Hospitalar nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.
    • APA

      Matsuno, A. K., & Mussi-Pinhata, M. M. (2006). Vigilância Epidemiológica da Infecção Hospitalar nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Matsuno AK, Mussi-Pinhata MM. Vigilância Epidemiológica da Infecção Hospitalar nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. 2006 ;
    • Vancouver

      Matsuno AK, Mussi-Pinhata MM. Vigilância Epidemiológica da Infecção Hospitalar nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. 2006 ;