Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A subfamília Lycosinae no Brasil (Araneae, Lycosidae), com notas sobre espécies ocorrentes em países limítrofes (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ÁLVARES, ÉDER SANDRO SOARES - IB
  • USP Schools: IB
  • Sigla do Departamento: BIZ
  • Subjects: ARANEAE; ZOOLOGIA (CLASSIFICAÇÃO)
  • Language: Português
  • Abstract: Dos 13 gêneros de Lycosinae originalmente registrados no Brasil, apenas cinco continuam representados no país apos esta revisão: Arctosa C. L. Koch, 1847, Hogna Simon, 1885, Pavocosa Roewer, 1955, Trochosa C.L. Koch, 1847 e Trochosula Roewer, 1955. São propostos três gêneros novos: Ayra gen. n., Guaralycosa gen. n. e Nyandesya gen. n. A.humicola (Bertkau, 1880) é transferida para Trochosa e A. pugil (Bertakau, 1880) para Hogna. Apenas uma espécie de Arctosa é conhecida para o Brasil: A. guimaraesrosai sp. n. Dingosa venefica (Keyserling, 1891) é transferida para Allocosa Banks, 1900, em Allocosinae, e Geolycosa rufibarbis (Mello-Leitão, 1947) para Hogna. O gênero Hogna é redescrito com base em sua espécie-tipo, H. radiata (Latreille, 1817). São transferidas para Hogna: H. erythrognatha (Lucas, 1836), comb. n., H. inornata (Blackwall, 1862), comb. n., H. paranensis (Holmberg, 1876), comb. n. e H. poliostoma (C.L. Koch, 1847), comb. n., H. birabeni (Mello-Leitão, 1938), comb. n., H. nervosa (Keyserling, 1891), H. nychthemera (Bertkau, 1880), H. pintoi (Mello-Leitão, 1931), comb. n., H. presumptuosa (Holmberg, 1876), comb. n., H. pugil (Holmberg, 1880), comb. n., H. rufibarbis, comb. n. e H. vulpina (C.L. Koch, 1847), todas com registros para o Brasil, além de H. horrida (Keyserling, 1877), comb. n., da Colômbia, H. pampeana (Holmberg, 1976), comb. n., do Paraguai e Argentina, H. excussa (Tullgren, 1905), comb. n., da Bolívia e Argentina e H. hyltonscottae(Mello-Leitão, 1941), comb. n., da Argetnina. Hogna auricoma (Keyserling, 1891) é transferida para Ayra gen. n., H. ornata (Perty, 1933), H. pardalina (Bertkau, 1880) e H. travassosi (Mello-Leitão, 1939) para Guaralycosa gen. n. e H. sternalis (Bertkau, 1880) para Trochosa. Hogna volxemi (Bertkau, 1880) é considerado um sinônimo júnior de H. erythrognatha (Lucas, 1836), comb. n. O gênero Lycosa Latreille, 1804 é redescrito com base em sua espécie-tipo, L. tarantula (Linnaeus, 1758), da Europa. Lycosa auroguttata (Keyserling, 1891) é transferida para Ayra gen. n.; L. erythrognatha, L. inornata e L. paranensis (Holmberg, 1876) são transferidas para Hogna; L. nordenskjoldi Tullgren, 1905 e L. tarantuloides Perty, 1833 são transferidas para Pavocosa; L. thorelli (Keyserling, 1877) é transferida para Guaralycosa gen. n., sendo registtrada apenas para a Colômbia; L. pictipes Keyserling, 1891 é transferida para Allocosa; L. sericovittata Mello-Leitão, 1939 é confirmada com sinônimo júnior de Trochosa sternalis (Bertkau, 1880), comb. n. Os seguintes sinônimos júniores foram estabelecidos: L. langei Mello-Leitão, 1947 = Guaralycosa chelifasciata (Mello-Leitão, 1943), comb. n.; L. leucotaeniata (Mello-Leitão, 1947) = H. presumptuosa, comb. n.; L. sochoi Mello-Leitão, 1947 = H. inornata, comb. n. Orthocosa sterno-maculata (Mello-Leitão, 1943) é considerada um siNõnimo júnior de Hogna birabeni, comb. n. Molitorosa Roewer, 1960,espécie-tipo M. molitor (Bertkau, 1880), é sinônimo júnior de Pavocosa Roewer, 1960, espécie-tipo P. gallopavo (Mello-Leitão, 1941), por sinonimia da espécie-tipo. São redescritas em Pavocosa: P. molitor, comb. n. (espécie-tipo), P. nordenskioeldi, comb. n. e P. tarantuloides, comb. n., e é proposta P. canarana sp. n. Pavocosa langei (Mello-Leitão, 1947) é considerada um sinônimo júnior de Guaralycosa pardalina, comb. n. Schizocosa serranoi (Mello-Leitão, 1941) é transferida para Allocosa Banks e S. chelifasciata é transferida para Guaralycosa gen. n. O gênero Trochosa é representado no Brasil por cinco espécies: T. humicola, comb. restaur., T. sternalis, comb. n., T. gulosa (Tullgren, 1905), comb. n., Trochosa melloi Roewer, 1951 e a espécie aqui proposta T. demariai sp. n. Trochosa paranaensis (Mello-Leitão, 1937) é considerado um sinônimo jùnior de Hogna pintoi, comb. n. e T. pardaloides (Mello-Leitão, 1937) de T. sternalis, comb. n. Trochosa sericea (Simon, 1898) é transferida para Allocosa. No gênero Trochosula é mantida a espécie T. luctuosa (Mello-Leitão, 1947). Para o gênero Ayra gen. n. são transferidas A. auroguttata, comb. n. (espécie-tipo), A. auricoma, comb. n., e é proposta A. lisei sp. n., todas do Brasil. Além destas, são transferidas para este gênero A. soluta (Tullgren, 1905), comb. n., da Bolívia e A. orinus (Chamberlin, 1916), comb. n, do Peru. Para Guaralycosa gen. n. são transferidas G. chelifasciata, comb. n.(espécie-tipo) e G. moesta (Holmberg, 1876), comb. n. Além destas, são transferidas G. ornata, comb. n., G. pardalina, comb. n. e G. travassosi, comb. n., todas com registros no Brasil, G. thorelli, comb. n., da Colômbia e G. bogotensis (Keyserling, 1877), comb. n., ambas da Colônia, G. ternetzi (Mello-Leitão, 1939), comb. n., do Paraguai, G. bivittata (Mello-Leitão, 1939), comb. n., G. plumipes (Mello-Leitão, 1942), comb. n., G. melanostoma (Mello-Leitão, 1941), comb. n., G. chacoensis (Mello-Leitão, 1942), comb. n., G. melanotaenia (Mello-Leitão, 1941), comb. n., G. u-album (Mello-Leitão, 1938) e G. zorodes (Mello-Leitão, 1942), comb. n., todas da Argetnina, eG. carbonelli (Csota & Capocasale, 1984), comb. ., do Uruguai. Nyandesya gen. n. é representado apenas pela espécie-tipo, N. schenkeli (Mello-Leitão, 1939), comb. n., com registros para o Brasil e Paraguai. Além destas mudanças, foram estabelecids ainda as seguintes sinonimias: Schizocosa malitiosa (Tullgren, 1905), Hogna cosquin (Mello-Leitão, 1941), Lycosa proletarioides Mello-Leitão, 1941, Trochosa beltran (Mello-Leitão, 1942) e Lycosa bezzii Melo-Leitão = Hogna paranensis, comb. n.; Schizocosa proletaria (Tullgren, 1905) = Hogna inornata, comb. n.; Lycosa leucogastra Mello-Leitão, 1944 = Hogna presumptuosa, comb. n.; Allocosa nanahuensis (Badcock, 1932) e Hogna indefinida (Mello-Leitão, 1941) = Pavocosa molitor, comb. n.; Hogna forsteri Caporiacco, 1955, Hogna hickmaniCaporiacco, 1955 e Allocosa venezuelica (Caporiacco, 1955) = Pavocosa nordenskioeldi, comb. n.; Geolycosa insulata (Mello-Leitão, 1944) e Geolycosa bridarollii (Mello-Leitão, 1945) = Ayra auroguttata, comb. n.; Geolycosa impudica (Mello-Leitão, 1944) = Guaralycosa u-album, comb. n. Os gêneros Agalenocosa Mello-Leitão, 1944 e Diapontia Keyserling, 1876 são transferidos para as subfamílias Venoniinae e Sosippinae, respectivamente. É apresentada uma chave de identificação dos gêneros de Lycosinae do Brasil
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 10.03.2006

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IB12000023175M-1231
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ÁLVARES, Éder Sandro Soares; BRESCOVIT, Antonio Domingos. A subfamília Lycosinae no Brasil (Araneae, Lycosidae), com notas sobre espécies ocorrentes em países limítrofes. 2006.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
    • APA

      Álvares, É. S. S., & Brescovit, A. D. (2006). A subfamília Lycosinae no Brasil (Araneae, Lycosidae), com notas sobre espécies ocorrentes em países limítrofes. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Álvares ÉSS, Brescovit AD. A subfamília Lycosinae no Brasil (Araneae, Lycosidae), com notas sobre espécies ocorrentes em países limítrofes. 2006 ;
    • Vancouver

      Álvares ÉSS, Brescovit AD. A subfamília Lycosinae no Brasil (Araneae, Lycosidae), com notas sobre espécies ocorrentes em países limítrofes. 2006 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: