Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Saliva de carrapatos Rhipicephalus sanguineus (Latreille, 1806) modula a migração e função de células dendríticas (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: OLIVEIRA, CARLO JOSÉ FREIRE DE - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RBI
  • Subjects: IMUNOLOGIA CELULAR; IMUNOPARASITOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Carrapatos são artrópodes hematófagos parasitas de vertebrados que causam inúmeros prejuízos aos animais domésticos, silvestres e ao homem, resultado da espoliação direta e da transmissão de doenças. Diversos trabalhos vêm mostrando que substâncias ativas presentes na saliva de carrapatos modulam a atividade de células e/ou moléculas relacionadas com a resposta imune. Um exemplo seria uma proteína isolada da saliva de algumas espécies de carrapatos com atividade anti-IL-8 humana. Uma das células críticas envolvidas na modulação e indução de resposta imune a diversos patógenos é a célula dendrítica (CDs). Estudos prévios do nosso grupo demonstram que a saliva de carrapatos R sanguineus inibe a diferenciação e maturação de CDs de camundongos. Assim, o presente trabalho procurou elucidar o efeito da saliva de carrapatos na migração e função de CDs (CD11c+) diferenciadas na presença de GM-CSF e IL-4 a partir de células da medula óssea. A saliva inibiu mais de 50% a função quimiotática de MIP-1'alfa' para CDs, mas não a de RANTES, MIP-l'beta', SDF-1'alfa' e MCP-1. Também verificou-se que CDs pré-incubadas com saliva por 24 ou 48 h reduziram em cerca de 60% a migração induzida por quimiocinas associadas com a migração de CDs imaturas (MIP-1'alfa' e RANTES). Por outro lado, a saliva não alterou a migração de CDs amadurecidas com lipopolissacarídio (LPS) em direção a MIP-3'beta', uma quimiocina relevante na indução de migração de CDs maduras. A redução da migraçãode CDs imaturas devido à ação da saliva pode resultar num menor repovoamento de CDs no sítio de fixação dos carrapatos, processo essencial para a vigilância imune nos tecidos periféricos. Nos ensaios de migração in vivo, a inoculação de saliva de carrapatos na pele em conjunto com aplicação tópica de isotiocianato de fluoresceína (FITC) não alterou a migração de CDs CD11c+FITC+ da pele para os linfonodos drenantes. Esses achados corroboram nossos resultados ) in vitro, indicando que a saliva não altera a migração de CDs maduras e sustentam a teoria que apenas CDs com fenótipo maduro migram para os órgãos linfóides secundários. Procurando avaliar o efeito da saliva sobre a capacidade das CDs sensibilizarem células T naive in vivo, CDs CD11c+ foram incubadas com saliva, pulsadas com hemocianina (KLH) e inoculadas em camundongos, sendo estes sacrificados após 5-6 dias para avaliação da ativação imune específica das células dos linfonodos. Os resultados mostraram que apesar da saliva não inibir as CDs a induzirem uma proliferação de células T específicas ao antígeno KLH (sensibilização de células T naive), a produção de IFN-'gama' e TGF-'beta' por essas células foi praticamente extinguida, enquanto que a síntese de IL-10 mostrou-se significativamente menor que a observada para camundongos que receberam CDs pulsadas com KLH sem saliva. Linfócitos com estas características podem ser enquadrados num estágio semelhante ao de anergia celular, uma vez que a estimulaçãoantigênica específica dos linfócitos T naive não induziu diferenciação destes num padrão Thl ou Th2 de resposta imune. Finalmente, ao se caracterizar o fenótipo das CDs pulsadas com KLH na presença de saliva verificou-se uma reduzida expressão das moléculas CD80 e CD86, embora a expressão de MHC-II, CD54 e CD40 tenham se mostrado similar às CDs pulsadas apenas com KLH. A deficiência da expressão de CD80 e CD86 em CDs pode levar a indução de células T anérgicas, hipótese anteriormente sugerida para explicar os resultados encontrados nos ensaios de apresentação de antígenos. Tomados em conjunto, os achados destacam um novo mecanismo pelo qual a saliva de carrapatos possa estar comprometendo a montagem da resposta imune adquirida a carrapatos e/ou a patógenos por eles transmitidos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.05.2006

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200031384Oliveira, Carlo Jos Freire de
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      OLIVEIRA, Carlo José Freire de; FERREIRA, Beatriz Rossetti. Saliva de carrapatos Rhipicephalus sanguineus (Latreille, 1806) modula a migração e função de células dendríticas. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.
    • APA

      Oliveira, C. J. F. de, & Ferreira, B. R. (2006). Saliva de carrapatos Rhipicephalus sanguineus (Latreille, 1806) modula a migração e função de células dendríticas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Oliveira CJF de, Ferreira BR. Saliva de carrapatos Rhipicephalus sanguineus (Latreille, 1806) modula a migração e função de células dendríticas. 2006 ;
    • Vancouver

      Oliveira CJF de, Ferreira BR. Saliva de carrapatos Rhipicephalus sanguineus (Latreille, 1806) modula a migração e função de células dendríticas. 2006 ;