Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Trabalhadores adolescentes do sexo masculino: família, escola, trabalho, violência (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: WATARAI, FELIPE - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 594
  • Subjects: ADOLESCENTES (MASCULINO); TRABALHADORES; ESCOLAS; VIOLÊNCIA; SOCIOBIOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Este projeto de pesquisa teve como objetivo examinar as formas de sociabilidade que adolescentes do sexo masculino vivem na família, no trabalho e na escola e o modo como convivem com a violência presente nos bairros onde residem. Procurou-se ainda examinar quais os projetos de vida que os adolescentes organizam para o futuro, considerando a precariedade das condições materiais em que vivem. Os sujeitos da pesquisa foram dez adolescentes do sexo masculino, na faixa etária entre 16 e 18 anos incompletos, freqüentando o ensino médio em uma escola pública estadual no período noturno, inseridos no mercado de trabalho, de modo formal ou informal, e integrantes de famílias de camadas populares de Ribeirão Preto/SP. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas individuais, gravadas e transcritas na íntegra, com roteiro temático elaborado a partir dos diversos aspectos que a pesquisa pretendia examinar. Outro instrumento utilizado para a coleta de dados foi o registro em diário de campo de observações resultantes do contato com os sujeitos em algumas situações na escola e durante as entrevistas. A análise dos dados foi realizada utilizando os referenciais teóricos da antropologia. Os resultados mostraram que os relacionamentos estabelecidos pelos sujeitos com os diferentes ambientes socializatórios tendiam a incutir neles valores como o envolvimento com o trabalho e a honestidade. Nas relações com as famílias, especialmente com os pais, esses valores foramtransmitidos tanto por meio de conselhos e orientações mais diretas quanto por modelos de conduta que eram oferecidos como exemplos parentais a serem seguidos pelos filhos. O ingresso no mercado de trabalho, mesmo que não tenha sido totalmente uma resolução dos pais, foi aprovado e encorajado por eles. Por outro lado, os sujeitos inclinavam-se a atribuir esse ingresso mais a uma busca por maior maturidade e autonomia em relação aos genitores. Mesmo que seja uma maturidade relativa e parcial, os sujeitos consideraram que deixaram de ser "moleques" desde que começaram a trabalhar. A identidade de trabalhador que suas ocupações lhes conferiram se sobrepõe às demais, ,como a de estudante. Assim, justificaram a freqüência à escola mais desejo de conseguirem melhores empregos por meio da escolarização de ensino médio. A indisciplina escolar, considerada comportamento infantil, e a prática de crimes e delitos não foram avaliados como condutas condizentes com a identidade que procuravam estabelecer. Os relacionamentos com os pares, dentro e fora da escola, também foram organizados a partir da identidade de trabalhador, uma vez que os sujeitos procuravam diferenciar-se de alunos indisciplinados, de pessoas que faziam uso de drogas, ou que supunham ter envolvimento com a criminalidade. A violência que os sujeitos descreveram é relacionada à criminalidade urbana, que além dos riscos concretos que pode trazer, também é passível de contaminar a identidadedos sujeitos, que compartilhavam, nos bairros em que viviam, os mesmos espaços com criminosos. A pobreza pode conferir uma identidade negativa aos sujeitos, tanto pela precariedade material que ela acarreta para suas condições de vida, quanto pela exposição à violência, igualando trabalhadores pobres e bandidos. Em seus projetos para o futuro, os sujeitos expressaram o desejo de conquistar condições de vida mais tranqüilas, menos sujeitas à instabilidade que as atuais, marcadas pela pobreza. Por outro lado, essa instabilidade pode também ser atribuída à adolescência, fase na qual os sujeitos viviam, quando os projetos de futuro ainda não eram percebidos de modo claro e o presente podia ser visto como algo transitório
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.07.2006
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800022926Watarai, Felipe
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      WATARAI, Felipe; ROMANELLI, Geraldo. Trabalhadores adolescentes do sexo masculino: família, escola, trabalho, violência. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07022007-162314/ >.
    • APA

      Watarai, F., & Romanelli, G. (2006). Trabalhadores adolescentes do sexo masculino: família, escola, trabalho, violência. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07022007-162314/
    • NLM

      Watarai F, Romanelli G. Trabalhadores adolescentes do sexo masculino: família, escola, trabalho, violência [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07022007-162314/
    • Vancouver

      Watarai F, Romanelli G. Trabalhadores adolescentes do sexo masculino: família, escola, trabalho, violência [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07022007-162314/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: