Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Prótese de fala (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: KROOK, MARIA INES PEGORARO - FOB ; PINTO, JOAO HENRIQUE NOGUEIRA - HRAC
  • USP Schools: FOB; HRAC
  • Subjects: PRÓTESES E IMPLANTES; FONOAUDIOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Para que um indivíduo produza os sons da fala de forma normal, além da boa articulação, um dos aspectos mais importantes que devem ser levados em consideração, é o perfeito equilíbrio da ressonância oro-nasal, resultante do funcionamento adequado da válvula velofaríngea. Quando ocorre uma falha no fechamento velofaríngeo, há um acoplamento entre as cavidades oral e nasal, fazendo com que haja uma perda indesejada de fluxo de ar pela cavidade nasal, durante a produção da fala. Assim, o equilíbrio da ressonância oro-nasal estará comprometido e a ressonância nasal excessiva passará a ser predominante. Várias são as causas que levam à uma inadequação velofaríngea. A principal delas é a fissura palatina. Esta deformidade compromete várias estruturas oro-faciais que são essenciais para a fala. De todas as alterações da fala, nenhuma é tão característica e tão severa como àquela do portador de fissura palatina. A hipernasalidade, a emissão de ar nasal, a ausência de pressão intra-oral e os distúrbios articulatórios resultam numa fala típica, que se torna um estigma na vida destes indivíduos. A inadequação velofaríngea também pode estar associada a um grande número de desordens neurológicas congênitas e adquiridas e naqueles que foram submetidos à ressecção total ou parcial do palato, devido ao câncer oral. Devido à amplitude dos problemas destes pacientes, varias são as formas de tratamento que podem ser utilizadas pela equipe de reabilitação. Umas destasformas de tratamento, a qual é o objetivo desta palestra, nasceu da necessidade de corrigir a fala daqueles pacientes que, por alguma razão, não podem ser tratados cirurgicamente e, portanto, apresentam indicação para uma prótese de palato. (continua) ) A prótese de palato resulta da cooperação entre o fonoaudiólogo e o protesista e consiste num aparelho removível, que possui uma extensão fixa em direção à faringe, o bulbo, cuja função é atuar dinâmica e funcionalmente em interação com a musculatura da faringe no controle do fluxo de ar oro-nasal. Com a evolução dos conceitos e da técnica de confecção, o tratamento através da prótese de palato passou a fazer parte da filosofia de reabilitação do paciente portador de inadequação velofaríngea, fissurado de palato ou não, tendo o objetivo de possibilitar a estas pessoas, uma fala socialmente aceitável, para que, com isso, superem sua deficiência e venham a ter lugar na sociedade
  • Imprenta:
  • Source:
    • Título do periódico: Anais
  • Conference titles: Cursos de Malformações Congênitas Labiopalatais

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PEGORARO-KROOK, Maria Inês; PINTO, João Henrique Nogueira. Prótese de fala. Anais.. Bauru: HRAC-USP, 2002.
    • APA

      Pegoraro-Krook, M. I., & Pinto, J. H. N. (2002). Prótese de fala. In Anais. Bauru: HRAC-USP.
    • NLM

      Pegoraro-Krook MI, Pinto JHN. Prótese de fala. Anais. 2002 ;
    • Vancouver

      Pegoraro-Krook MI, Pinto JHN. Prótese de fala. Anais. 2002 ;