Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estrutura e dinâmica da comunidade fitoplanctônica no período de oito anos em ambiente eutrófico raso (Lago das Garças), Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CROSSETTI, LUCIANE OLIVEIRA - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 592
  • Subjects: FITOPLÂNCTON DE ÁGUA DOCE; ECOLOGIA DE COMUNIDADES
  • Language: Português
  • Abstract: Foram avaliadas a estrutura e a dinâmica da comunidade fitoplanctônica em um reservatório tropical urbano raso (Lago das Garças), São Paulo. Amostragens mensais foram providenciadas durante oito anos consecutivos em cinco profundidades (subsuperfície, 1 m, 2 m, 3 m e próximo ao fundo) de variáveis abióticas (temperatura, condutividade elétrica, oxigênio dissolvido, pH, alcalinidade total, ‘‘C’ 'O IND. 2' livre, ‘H’’C'’O IND. 3' POT. ‘, ‘’C’’O’ IND. 3’ POT. 2’, ‘N’’T’, ‘N’’P’, ‘’N’’H IND. 4’ POT. +’, ‘’N’’O IND. 3’ POT. ‘, ‘’N’’O IND. 2’ POT. ‘, PSR, POT, PT e ‘SI’’O IND. 4’’H IND. 4’) e biológicas (densidade total, biomassa total e clorofila a). No início da série amostral, o Lago das Garças constituía um sistema eutrófico com a cobertura de 20% do sistema pela macróflta Eichhomia crassipes (fase I: janeiro de 1997 a março de 1998). A macrófita chegou a ocupar 70% da superfície do reservatório (fase II: abril de 1998 a agosto de 1999), quando foi removida mecanicamente (fase III: setembro de 1999 a dezembro de 2004). Os resultados permitiram ver que a remoção das macrófltas alterou a dinâmica limnológica do sistema, reduzindo drasticamente a transparência da água e proporcionando aumento na produtividade fotossintética e na biomassa fltoplanctônica. Após o manejo das macrófitas, uma série de mudanças foi condicionada não só pela maior atividade fotossintética promovida pelo fitoplâncton, mas também pelo próprio incremento da biomassaque passou a agir como uma barreira física à penetração da luz, ao aquecimento das camadas inferiores e, conseqüentemente, promovendo períodos mais longos de estratificação e intensificando os períodos de anoxia nas camadas mais profundas do sistema. O fitoplâncton do período de maior ocorrência de aguapés (fase II) respondeu, prontamente, ao ambiente perturbado, sendo composto por espécies invasoras adaptadas às novas condições estabelecidas (redução de 00, aumento de ‘C’’O IND. 2’ livre e menor disponibilidade de PSR). Após a intervenção, estabeleceu-se uma monocultura de cianobactérias que promoveu modificações no ambiente (auto­sombreamento) levando-o a condições extremas, onde sobreviveram somente as espécies com reduzidos requisitos de luz e atributos próprios para competir com as espécies mais especializadas de cianobactérias. A contribuição das cianobactérias foi a função de força nas alterações drásticas ocorridas após a retirada das macrófitas do reservatório. Neste sentido, de acordo com as respostas da comunidade fitoplanctônica, as fases limnológicas foram assim caracterizadas: fase I - representada por fio rações pontuais de cianobactérias, especialmente, no período de estratificação do sistema (setembro de 1997), com altos valores de diversidade e equitabilidade e pouca dominância; dominada basicamente por Sphaerocavum brasiliense, especialmente nos meses estratificados; domínio da assembléia M e S­estrategistas, maiores biomassasde formas MOL IV, Volume IV, espécies CNF e comuns; índice Q: 0 ‘> OU =’ Q ‘> OU =’ 3; médio a ruim; fase II - maior contribuição da densidade e da biomassa de outros grupos de algas favorecidos pela redução nutricional, especialmente de criptofíceas, euglenofíceas e dinofíceas e pelo aumento da transparência da água ocasionado pela presença das macrófltas aquáticas e conseqüente redução na contribuição das cianobactérias, mas ainda com elevados valores de diversidade e equitatividade; representada por Cryptomonas curvata, Cryptomonas erosa, Cryptomonas marsonii Trachelomonas scu/pta, Trachelomonas volvocinopsis, Trachelomonas kellogii, Trachelomonas hispida, Peridinium spp., Aphanocapsa spp. e Aphanotece spp., grupos funcionais Y, W2, K, L0 e ainda X1 e L0 e C-estrategistas, maiores biomassas de formas MDL III, Volume III, UF e constantes; índice Q: 1 ‘> OU =’ Q ‘> OU =’ 3; tolerável a médio; fase III - domínio das cianobactérias tanto na densidade total quanto na biomassa total, contribuindo drasticamente para a deterioração do sistema, influenciando, diretamente, nas alterações limnológicas observadas nesta fase e suprimindo a ocorrência de outros grupos de algas; elevada dominância, baixas riqueza e diversidade específica; domínio de Microcystis aeroginosa, Microcystis panniformis, Sphaerocavum brasiliense, Cylindrospermopsis raciborskii, Planktothrix agardhii, Aphanizomenon gracile e Anabaena planctonica;assembléias M, 5N, H1, 51 e R-estrategistas, maiores biomassas das formas MDL IV, Volume IV, CNF e comuns; ocorrência de possíveis estados estáveis do fitoplâncton; identificação de um estado alternativo de equilíbrio no Lago das Garças; índice Q: 0 ‘> OU =’ Q ‘> OU =’ 2; ruim a tolerável
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.11.2006

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800023293Crossetti, Luciane Oliveira
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CROSSETTI, Luciane Oliveira; BICUDO, Carlos Eduardo de Mattos. Estrutura e dinâmica da comunidade fitoplanctônica no período de oito anos em ambiente eutrófico raso (Lago das Garças), Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.
    • APA

      Crossetti, L. O., & Bicudo, C. E. de M. (2006). Estrutura e dinâmica da comunidade fitoplanctônica no período de oito anos em ambiente eutrófico raso (Lago das Garças), Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Crossetti LO, Bicudo CE de M. Estrutura e dinâmica da comunidade fitoplanctônica no período de oito anos em ambiente eutrófico raso (Lago das Garças), Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo. 2006 ;
    • Vancouver

      Crossetti LO, Bicudo CE de M. Estrutura e dinâmica da comunidade fitoplanctônica no período de oito anos em ambiente eutrófico raso (Lago das Garças), Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo. 2006 ;