Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo farmacognóstico e toxicológico de Anacardium occidentale Linn.(Anacardiaceae) clone CCP-76 (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: KONAN, NZI ANDRE - FCF
  • USP Schools: FCF
  • Sigla do Departamento: FBF
  • Subjects: CAJU (APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS;ESTUDO); PRODUTOS NATURAIS (APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS;ESTUDO); FARMACOGNOSIA
  • Language: Português
  • Abstract: Os extratos totais, assim como os compostos fenólicos isolados de diferentes partes de Anacardium occidentale conhecido popularmente no Brasil como cajueiro mostraram atividades antiúlcera e antibacteríana. O objetivo deste trabalho foi a verificação destas atividades nas folhas após estudo farmacobotânico, químico e toxicológico. Para a analise anatômica foram utilizados cortes do terço mediano inferior da lâmina foliar. Nesta, as epidermes em vista frontal apresentam cutrcula estriada, na face abaxial, a epiderme é constituída de células de formato poligonal, com paredes bem justapostas. Na face adaxial, as células são de paredes espessas, ligeiramente onduladas. A mesma é constituída de estômatos de tipo anomocítico e de tricomas glandulares de forma ovóide. O mesófilo é constituído de duas camadas de parênquima paliçádico, espessas, de forma quase regular e de parênquima lacunoso com células de forma irregular, envolvendo os feixes vasculares de nervuras secundarias. Extensões de fibras são observadas no mesófilo. A nervura mediana possui um colênquima desenvolvido e ductos são encontrados no floema assim como no parênquima medular. Drusas são encontradas no parênquima lacunoso assim como no parênquima fundamental e no colênquima. A partir da triagem fitoquímica, da cromatografia em camada delgada, cromatografia liquida de alta eficiência e cromatografia liquida acoplada a espectrometria de massa, verificou-se a presença nas folhas decajueiro de compostos polifenólicos, particularmente de heterosfdeos flavonóidicos. As estruturas de flavon6ide que parecem ser mais evidentes, de acordo com a cromatografia liquida acoplada a massa, são principalmente os heterosídeos da quercetina. O extrato etanol 70 'POR CENTO' liofilizado das folhas do cajueiro foi submetido ao modelo agudo ) da úlcera gástrica em ratos e a ensaio antibacteriano, esaiando as linhagens de Staphylococcus aureus A TCC 25923, Escherichia colí A TCC 35218 e A TCC 25922, Pseudomonas aeruginosa A TCC 27853 e de Campy/obacter colí. Na úlcera aguda, a área relativa de lesão ulcerativa foi diminuída de 98 'POR CENTO' na dose 400mg/kg, em relação ao controle. A partir de um estudo de doses crescentes sobre a inibição de úlcera, a DE50 foi calculada como 2,5mg/kg e as doses de extrato maiores ou iguais a 100 mg/kg exibiram uma inibição de lesão ulcerativa melhor que o lansoprazol 30mg. A fração metanólica, que inibiu as ulcerações de 88,20 'POR CENTO', deve conter alguns dos, princípios ativos da atividade antiúlcera. Quanto ao teste antimicrobiano, foram obtidas concentrações inibitória mínima e bactericida mínima, iguais a 320 'MICROGRAMAS'/mL, particularmente com a linhagem Staphylococus aureus, a partir do extrato bruto e da sua fração rica em flavonóides. A partir de ensaio de toxicidade aguda em camundongos e ratos, a DL50 do extrato bruto foi considerada superior a 2500 mg/kg. Foi feito um estudo de toxicidade de administração reiteradaem 30 e 90 dias. Baseados em analises bioquímicas para avaliação da função renal e da função hepato-biliar, os parâmetros uréia, creatinina, transaminases, proteína total, albumina, colesterol e cálcio tendem a comprovar que o produto é bem tolerado pelo organismo dos ratos. Este fato é também confirmado pelo estudo hematológico e pela histopatologia, não ocorrendo alterações, após administração subaguda do extrato em ratos. O potencial mutagênico foi avaliado através do teste de Ames e do teste do micronúcleo de medula óssea em camundongo. Foi obtido ) indício de indução de "frameshift" e substituição de pares de bases. Na dose de 2000mg/kg, o extrato de cajueiro parece induzir danos nos cromossomos porém, o fenõmeno parece ser extremamente inferior (p
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.05.2006
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    CQ30100012267T 615.32328 K82e
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      KONAN, Nzi Andre; BACCHI, Elfriede Marianne. Estudo farmacognóstico e toxicológico de Anacardium occidentale Linn.(Anacardiaceae) clone CCP-76. 2006.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9138/tde-01082017-145620/pt-br.php >.
    • APA

      Konan, N. A., & Bacchi, E. M. (2006). Estudo farmacognóstico e toxicológico de Anacardium occidentale Linn.(Anacardiaceae) clone CCP-76. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9138/tde-01082017-145620/pt-br.php
    • NLM

      Konan NA, Bacchi EM. Estudo farmacognóstico e toxicológico de Anacardium occidentale Linn.(Anacardiaceae) clone CCP-76 [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9138/tde-01082017-145620/pt-br.php
    • Vancouver

      Konan NA, Bacchi EM. Estudo farmacognóstico e toxicológico de Anacardium occidentale Linn.(Anacardiaceae) clone CCP-76 [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9138/tde-01082017-145620/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: